Eu farei de vós, pescadores de homens

Encontro de catequese: Vocação: Chamado de Deus
Material para catequese
Material para catequese

Segui-me e eu farei de vós, pescadores de homens” (Mt 4,19)

Celebramos o terceiro desse Tempo Comum. Pouco a pouco, vamos acompanhando Jesus em sua vida pública ensinando e pregando sobre o Reino de Deus. Ainda estamos num tempo de férias, da escola e trabalho, mas não férias da vida cristã, mesmo que estivermos viajando, temos que organizar um tempo onde estivermos para ir à missa. É muito bonito ver as famílias participando da Santa Missa.

Neste domingo, a Igreja celebra o “Domingo da Palavra de Deus”, instituído pelo Papa Francisco, há três anos. O tema deste ano é: “Anunciadores da Palavra! – “Anuncio-vos aquilo que nós vimos” (1Jo 1,3). A Igreja no Brasil já dedica um mês à Sagrada Escritura, que é o mês de setembro, e no dia 30 de setembro comemoramos o Dia da Bíblia. Agora temos um dia mundial escolhido pelo Papa, que é o terceiro domingo do tempo comum para chamar a atenção dos fiéis para terem mais atenção à Palavra de Deus ao longo do ano. A Palavra de Deus deve ser o nosso livro diário, pois todos os dias devemos ler e meditar um trecho. A Palavra de Deus nos edifica e nos dá força para enfrentarmos as adversidades do dia. A Bíblia pode ser lida em família para que toda família esteja sob a graça de Deus.

Ao dedicar esse domingo à Palavra de Deus, o Papa não quer dizer que devemos dedicar somente esse dia à Palavra, mas deve ser nossa companheira o ano inteiro. Nesse domingo, podemos deixar a Palavra de Deus em destaque em nossas comunidades, e na nossa casa, e que ela entre na nossa vida e na vida de nossa família.

A primeira leitura deste domingo é do livro do profeta Isaías (Is 8,23b-9,3). O profeta quer dizer que o Senhor não fica lembrando de nossos pecados e faltas, se nos arrependermos de coração sincero. Foi o que aconteceu com o povo de Zabulon e Neftali, depois de ter os humilhado, Deus os resgatou e cobriu de glória o caminho do mar, do além-Jordão e da Galileia das nações. 

O povo que andava na escuridão viu uma grande luz, essa escuridão era o pecado que esse povo estava vivendo e, por conta da infidelidade a Deus, foram exilados. Mas como o Senhor não nos pune em proporção às nossas faltas, Ele resgata esse povo e os traz para Israel novamente. A luz do Senhor brilhou sobre esse povo. O pecado que oprimia o povo foi retirado e a falta encoberta.

O salmo responsorial é o 26(27) eo refrão do salmo diz: “O Senhor é minha luz e salvação. O Senhor é a proteção da minha vida”. Se o Senhor está conosco, nada devemos temer, temos que ter essa certeza em nosso coração. Só venceremos o mal se o Senhor estiver conosco. E, ainda, que possamos sempre estar na presença do Senhor por toda a nossa vida.

A segunda leitura é da carta de São Paulo aos Coríntios (1Cor 1,10-13.17). É a sequência da leitura que ouvimos na semana passada. Paulo diz para a comunidade que não haja divisão entre eles e que todos vivam na concórdia e em harmonia. Havia uma certa divisão na comunidade, pois alguns judeus não aceitavam a conversão dos pagãos. Mas a salvação era para todos, seja os judeus ou aqueles que se converteram agora.

Por fim, Paulo diz que na comunidade não deve haver divisão. Cristo morreu na cruz para salvar a todos, e não somente alguns. Devemos adorar o Cristo crucificado que ressuscitou por amor a nós.

O Evangelho do domingo é de Mateus (Mt 4,12-23 – mais longo). Jesus vai até Zabulon e Neftali, terras mencionadas pelo profeta Isaías na primeira leitura, Ele vai até esses locais para de fato se cumprir aquilo que o profeta disse. Como sabemos, muitas das coisas que acontecem na vida de Jesus foi predito pelo profeta Isaías, que viveu há cerca de 400 anos antes de Jesus.

Essas regiões eram consideradas pagãs, por isso Jesus tem a missão de ir até lá converter aquele povo e ser luz para eles. Jesus começou a pregar dizendo: “Convertei-vos e crede no evangelho”. Essa conversão que nada mais é do que mudança de vida, mudança de atitude, e não somente aquele povo de Zabulon e Neftali, mas cada um de nós precisa de uma conversão diária.

Ao continuar andando a beira do mar da Galileia, Jesus viu dois irmãos: André e Simão. Eles estavam lançando redes ao mar, pois eram pescadores. Jesus os chama e diz: “Segui-me e eu farei de vós, pescadores de homens”, eles imediatamente deixaram tudo e começaram a seguir Jesus. O mesmo aconteceu com Tiago e João, filhos de Zebedeu, que deixaram tudo e seguiram a Jesus. Jesus percorria toda Jerusalém pregando e anunciando o reino.

O que aconteceu com esses quatro apóstolos pode acontecer com cada um de nós. Jesus continua a chamar pessoas dispostas para segui-lo. Jesus escolhe pessoas simples, não escolhe letrados, inteligentes ou formados. Esses quatro homens eram pescadores, tinham uma vida simples e deixam tudo para seguir o mestre.

Como o Senhor pode nos chamar? Por meio de nossa oração pessoal e intimidade com o Senhor. Temos que trabalhar esse chamado em nosso coração, pois podemos ajudar em nossa comunidade paroquial, como leitores, ministros extraordinários da Comunhão Eucarística, catequistas, dentre outras funções. Basta abraçar com amor essa vocação.

Celebremos com alegria esse terceiro domingo do Tempo Comum, nutrindo em nosso coração a certeza de que o Senhor sempre está nos chamando, e espera o nosso sim. Abraçar a vocação é um gesto de amor e gratidão a Deus. Amém.

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.

Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ