Sábado ou domingo?

domingo dia do senhor

Outro dia, uma família me contou que recebeu a visita de um homem muito educado. E com o melhor dos sorrisos, o homem ofereceu-lhes alguns belos livros de cultura geral para venda. Dizem que ele falava tão bem de tantas coisas … mas no final acabou com um tema de religião, dizendo que os católicos se enganam, que, segundo a Bíblia, deveriam substituir a celebração do domingo pela do sábado. , porque o sábado é o dia bíblico e o domingo é uma adulteração dos católicos.

Expliquei que esse cavalheiro era certamente um missionário da religião adventista do sétimo dia. Pois são eles que observam o dia de sábado e proclamam que são os únicos que cumprem a Bíblia.

O que devemos pensar de tudo isso?

Bem, antes de falar sobre domingo ou sábado, devemos dizer que os irmãos adventistas são, nesta observância do sábado, tão escrupulosos quanto os fariseus que o santo Evangelho nos retrata. Eles nada aprenderam sobre a “liberdade de espírito” com a qual Jesus falou sobre o sábado.
Além disso, os adventistas estudam a Bíblia com base em textos isolados e esquecem que a Revelação Divina segue uma evolução progressiva nas Sagradas Escrituras; E sem seguir essa evolução nos vários livros inspirados, é praticamente impossível entender o verdadeiro significado de um ensino bíblico.

Não devemos ficar com algumas páginas da Bíblia, mas devemos ler a Bíblia inteira.

O que o AT nos ensina sobre o sábado?

A palavra “sabbath” (sábado) significa “descanso”, “descanso” ou “cessação”. Ou seja, “sábado” significa simplesmente “uma hora de descanso” e originalmente não tem nenhum significado como “o sétimo dia da semana”.
Na verdade, a palavra “sábado” é usada na Bíblia com vários significados. Às vezes, significa “um dia de descanso” (Êxodo 20:10). Outras vezes, esse descanso é “um ano” (Lv 25,4). Às vezes, também indica um período de 70 anos (2 Crô. 36:21).

Agora, de onde vem o sábado como o sétimo dia consagrado a Deus? Lemos a Bíblia: «Assim foram feitos o céu, a terra e tudo o que neles há. Deus terminou sua obra no sétimo dia, e ele descansou neste dia de tudo o que havia feito. Deus abençoou o sétimo dia e o santificou porque naquele dia Ele descansou de toda a sua obra de criação. (Gênesis 2, 2-3)
“Em seis dias Yahweh fez o céu e a terra, o mar e tudo o que neles havia, mas no sétimo dia Yahweh descansou, e por isso abençoou o sábado e o sagrou.” (Ex. 20, 11).

“Seis dias trabalharás e farás as tuas obras, mas o sétimo é o sábado do Senhor teu Deus” (Deut. 5, 13-14).

Percebemos que nesses textos a palavra “sábado” (descanso) tem para os israelitas do Antigo Testamento um novo significado, um significado religioso . O sábado os lembrava da criação de Deus em seis dias com seu descanso no sétimo dia; este último dia é consagrado a Deus. E o homem também com seu trabalho imita a atividade de Deus Criador e com seu “descanso” (“sábado”) no sétimo dia o homem imita o sagrado descanso de Deus. (Ex. 31, 13).
Assim, o sábado se tornou um sinal para os israelitas, uma de suas práticas mais típicas e importantes. Este sinal de sábado e circuncisão eram características pelas quais o povo de Israel se distinguia dos outros povos ao seu redor. E ao longo da história do AT o povo de Israel manteve-se fiel a esses dois sinais.
Com o tempo, a prática do descanso sabático foi assumida pela lei judaica de forma muito estrita, com 39 proibições de trabalho: proibição de coletar lenha (Números 15, 32); proibição de preparar alimentos (Ex. 16, 23); proibição de acender fogo (Ex. 35, 3); etc. Aos poucos, a prática do descanso sabático tornou-se uma observância escrupulosa e hipócrita. Os profetas do AT lançam uma crítica severa contra a prática legalista do sábado que transformou os israelitas em um povo sem devoção interior (Os 1, 2 e Os 2, 13).

Jesus celebrou o sábado?

Jesus não abole explicitamente a lei do sábado. Ele, no sábado, visitou a sinagoga e aproveitou a ocasião para anunciar o Evangelho(Lc. 4, 16). Mas Jesus, como os profetas, atacou o rigor formal dos fariseus e dos mestres da Lei: “O sábado é feito para o homem, e não o homem para o sábado.” (Mc 2, 27). Para Jesus, o dever da caridade é anterior à observância material do descanso; Por isso Ele fez várias curas no sábado, obras proibidas neste dia. (Mc. 3, 1-6; Lc. 14, 1-6; Lc. 6, 1-5). Além disso, Jesus reivindicou poder sobre o sábado: “o Filho do homem é Senhor do sábado”. (Mc 2, 28). Em outras palavras, Jesus possui o sábado. (Lc. 6, 1-5).

É claro que essa nova forma de observar o sábado colidiu violentamente com a mentalidade legalista dos fariseus. E esta foi uma das graves acusações contra Jesus (Jo. 5, 9). Mas Ele sabia que, ao fazer o bem no sábado, estava imitando Seu Pai, que, tendo descansado no sexto dia, no final da criação, continua a governar o mundo e a dar vida aos homens. “Meu Pai trabalhou até agora, e eu também trabalho” (Jo. 5-17).

A atitude de Jesus em relação ao sábado nos ensina que ele agia com liberdade de espírito contra aquela lei, e nunca considerou a observância do sábado como algo essencial em sua pregação, para Jesus era algo menos importante.

Mas Jesus disse claramente “que não veio para abolir a lei, mas para dar-lhe o seu verdadeiro sentido” (Mt 5,17). A sua atitude não é cumprir a lei ao pé da letra, mas antes promover uma evolução da lei para a sua perfeição.

A Ressurreição de Jesus

O argumento fundamental para a opção pelo domingo vem da Ressurreição do Senhor . Os quatro evangelistas concordam que a Ressurreição de Cristo aconteceu “no primeiro dia da semana”, que corresponde ao domingo agora. (Mt. 28, 1; Mc. 16, 2; Lc. 24, 1; Jo. 20, 1 e 19). O fato da ressurreição de Cristo no domingo para os discípulos foi muito significativo e será o centro da fé cristã desde então.

Existem duas razões fundamentais para celebrar este dia da Ressurreição:

  1. Com sua morte e ressurreição, Jesus iniciou a Nova Aliança e encerrou a Antiga Aliança. Durante a Última Ceia, Jesus proclamou: “Este cálice é a Nova Aliança, selada com o meu sangue, que será derramado por vocês”. (Lucas 22, 20). Os discípulos de Jesus aos poucos perceberam que nesta Nova Aliança a lei de Moisés e suas práticas teriam outro significado.
     
  2. A morte e a ressurreição de Cristo significaram também a nova criação para os primeiros cristãos, pois Jesus culminou a sua obra precisamente com a sua morte e ressurreição no domingo, que será “o dia do Senhor” a partir de então.

Nós também recebemos a promessa de entrar neste descanso com Cristo (Hbr. 4, 1-16). Então, o domingo, “dia do Senhor”, será o verdadeiro dia de descanso, no qual os homens descansarão do cansaço à imagem de Deus que descansa de seus labores (Hb 4, 10 e Ap 14, 13).

A partir de então, a fé dos cristãos tem como centro o Cristo Ressuscitado e Glorificado. E para eles era muito lógico celebrar o “Dia do Senhor” (domingo) como o “novo dia” da Criação. (Is. 2, 12).

A prática dos primeiros cristãos
Os primeiros cristãos continuaram a observar o sábado no início e aproveitaram as reuniões do sábado para proclamar o Evangelho no ambiente judaico. (Atos 13, 14). Mas então o primeiro dia da semana (domingo) começou a ser o dia de adoração para a Igreja Primitiva. “No primeiro dia da semana, quando estávamos juntos para partir o pão …” (Atos 20,7). Sabemos que “partir o pão” é a expressão antiga para designar a Santa Missa ou Eucaristia. É então muito claro que os primeiros cristãos tiveram a sua reunião litúrgica – a Santa Missa – no domingo, tal como acontece hoje. João, o autor do livro Apocalipse, escreve: “Aconteceu que, um dia do Senhor, fui submetido ao poder do Espírito Santo” (Ap 1,10).

O que o apóstolo Paulo nos ensina?

Jesus havia dito: “Não vim terminar com a lei, mas cumprir a lei, dando-lhe a sua perfeição final” (Mt. 5:17). São Paulo nas suas cartas desenvolve esta mesma ideia: “O fim da lei é Cristo” (Rom. 10,4). Assim, para o apóstolo, a plenitude da lei não se encontra no cumprimento literal da lei, mas na fé em Cristo. Paulo diz que “a lei tem sido nosso mestre até Cristo” (Gal. 3:24) e com Cristo a Nova Aliança começa (1 Cor. 11:25).
O apóstolo Paulo teve suas palestras sobre o dia do Senhor. No início, ele tinha o hábito de pregar nas sinagogas no sábado para os judeus, mas quando seus ensinamentos foram rejeitados, ele se voltou para os gentios. Nesse ambiente não judeu, Paulo não deu importância aos costumes judaicos, como a circuncisão, o sábado, etc. Paulo se encontrou com os novos crentes no primeiro dia da semana, e eles transferiram as práticas que os judeus costumavam fazer no sábado, como a coleta de esmolas, para o primeiro dia da semana. (1 Cor. 16, 1-2)

Essa atitude em favor dos gentios convertidos provocou uma forte discussão na Igreja. Mais tarde, esse assunto foi tratado em uma reunião em Jerusalém, com os apóstolos e élderes desta Igreja. Lá eles tomaram a decisão de não impor nenhum fardo ou prática judaica aos gentios convertidos, exceto o que fosse absolutamente necessário (Atos 5: 28-29). Com esta decisão, a porta foi aberta para os gentios, sem vinculá-los à lei judaica. Agora Paulo escreve aos Colossenses: “Ninguém vos incomode com o que comais ou bebeis, ou com respeito a dias de festa, luas novas ou sábados.” (Col. 2, 16) Também criticou o desejo de dar demasiada importância a certos dias (sábado), meses, datas e anos (Gl 4, 10). Ele sempre recomendou evitar essas controvérsias secundárias e dar importância à caridade.

Consideração final

Não há dúvida de que os primeiros cristãos santificaram, descansaram e celebraram o domingo como “o dia do Senhor”. Essa prática é totalmente fundamentada na Bíblia. Respeitamos o fato de que os judeus celebram o sábado da maneira indicada no Antigo Testamento (eles não são uma religião cristã). Quanto a alguns grupos, como os adventistas, que se dizem cristãos, e que defendem a celebração do sábado – não do domingo – temos que dizer que eles não interpretam bem a Bíblia inteira, visto que permanecem com uma prática judaica do AT e Eles não seguiram o cumprimento do NT. Isso acontece porque eles interpretam a Bíblia de uma forma literal e parcial, e se esquecem que Jesus completou e aperfeiçoou o AT

. Os católicos, então, estão na verdade quando celebramos o domingo.Para terminar, repito as palavras do apóstolo Paulo: «Ninguém vos critique por questões de comida, de bebida, ou por causa de feriados, luas novas ou dias de descanso … Tudo isto é sombra do futuro» (Col . 2, 16-17).

Sei que muitos adventistas vão de casa em casa chamando obsessivamente os católicos para mudar de religião por causa da questão do sábado. Como se isso fosse a coisa mais importante da Bíblia! E eu sei que muitos adventistas ao passarem pelas casas dos católicos pedem a eles a Bíblia e lêem os textos isolados da A.T., onde o Senhor chama o povo judeu a santificar o sábado, e eles dizem ao povo: «Olha, Na sua própria Bíblia católica, Deus ordena que você observe o sábado … Você não vê que está errado? ».

Isso é abusar da Bíblia e da boa fé das pessoas simples. É usar meia verdade para semear dúvidas e perturbar gente simples. É por isso que é conveniente que vocês, amigos, leiam este tópico várias vezes até que estejam completamente absorvidos no que é dito aqui, e quando os adventistas passam, vocês sabem o que responder, com caridade sim, mas também com energia e clareza. .

Em última análise, os católicos não foram petrificados no Antigo Testamento, nem somos escravos de frases tiradas de seu verdadeiro contexto. Os católicos aceitam esta evolução desejada por Deus entre o Antigo e o Novo Testamento e aceitamos Jesus como Mestre e Senhor da História e temos muita clareza de que a realidade presente deixa para trás os sinais com que foi prenunciada. É por isso que santificamos o domingo.

AJUDE A MANTER O SITE NO AR !

Nosso site tem uma divida mensal e a cada dia está mais difícil manter o site no ar. Doe qualquer valor e você ira muito ajudar na manutenção e permanência do site no ar ! O seu gesto de amor ajudara muitos catequistas que visitam nosso site

FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR

PIX CHAVE CPF: 16800472808
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

ou

PIX CHAVE EMAIL: [email protected]
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Deus te abençoe !