Silêncio na liturgia

Existem momentos de silêncio na missa. O que significam esses momentos de silêncio? Quais são esses momentos?

o silêncio na Santa missa
aqui

O que o silêncio significa na liturgia?

São João Clímaco nos diz em seu livro “Escala Espiritual”: “o silêncio inteligente é a mãe da oração, a libertação do fardo, o combustível do fervor, o guardião dos nossos pensamentos, a torre de vigia contra o inimigo … amigo das lágrimas, claro, eu me lembro da morte, prevenção contra a angústia, inimiga da vida licenciosa, companheira da paz interior, crescimento da sabedoria, mão preparada para a contemplação, caminho secreto do céu ”(Passo 11-30).

O Papa João Paulo II nos diz em sua carta apostólica de 4 de dezembro de 2003, por ocasião do quadragésimo aniversário da Constituição Sacrosanctum Concilium, sobre a Sagrada Liturgia:“Um aspecto que precisa ser cultivado com mais cuidado em nossas comunidades é a experiência do silêncio. É necessário alcançar a plena ressonância da voz do Espírito Santo nos corações e unir mais intimamente a oração pessoal com a palavra de Deus e a voz pública da Igreja. Numa sociedade que vive de forma cada vez mais frenética, muitas vezes atordoada pelo ruído e dispersa no efémero, é vital redescobrir o valor do silêncio. Não é por acaso que, também para além do culto cristão, se disseminam práticas meditativas que dão importância ao recolhimento. Por que não empreender com audácia pedagógica, uma educação específica no silêncio nas próprias coordenadas da experiência cristã? Devemos ter diante de nossos olhos o exemplo de Jesus, que saiu de casa e foi para um lugar deserto, e ali orou ”(Mc 1,35). A liturgia, entre os seus vários momentos e sinais, não pode descurar a do silêncio »(n.13).

Por que há momentos de silêncio na liturgia?

O silêncio é necessário para ouvir a Palavra de Deus, para nos prepararmos para ouvi-la. Deus se fez Palavra em Jesus, e a condição para ouvi-la é o silêncio: silêncio do coração, da mente, dos sentidos, silêncio ambiental.

Há uma bela passagem da Bíblia em 1 Sm 3:10 quando o jovem Samuel no silêncio da noite diz a Deus: “Fala, Senhor, porque o teu servo está ouvindo.” Guardamos silêncio para ouvir a Deus, preparamos o terreno da nossa alma para que aquela semente da Palavra de Deus caia e germine no coração durante aquela cerimónia ou celebração litúrgica (missa, baptismo, celebração penitencial, casamento, ordenação, etc.) ; se estamos espalhados e conversando, a semente se estraga e se perde.

Quais são esses momentos de silêncio?

Antes da missa e de qualquer cerimônia litúrgica, devemos nos preparar em silêncio, para refletir e pensar: O que vamos fazer? Quem vamos encontrar ?; O que Deus vai pedir de nós nesta cerimônia? Como devemos viver essa cerimônia ?; O que trazemos para esta cerimônia ?; O que queremos nesta Eucaristia ?; O que pretendemos dar a Deus?

Por isso é urgente calar-se na igreja antes da missa, ou do batismo, ou do casamento … Entramos no espaço sagrado e devemos preparar o coração, que será o terreno preparado onde Deus depositará os férteis semente da Salvação.

Silêncios na missa e qual o seu significado

  • Diante do “confesso”: é um silêncio colocar-nos na presença do três vezes santo, reconhecer a nossa condição de pecadores e pedir o seu perdão, e assim podermos entrar dignos de celebrar e viver os mistérios do paixão, morte e ressurreição de Cristo.
     
  • Antes da oração coletiva: o padre diz: “Oremos”. É aqui onde o sacerdote, em nome de Cristo, recolhe todas as nossas petições e súplicas, levadas à Santa Missa. No passado, outras fórmulas também eram usadas, ditas pelo diácono, para chamar a atenção da assembléia antes desta oração:

    · “Fica quieto”.
    · “Ouça o Senhor.”

    Neste silêncio, cada um especifica suas próprias intenções. É por isso que é chamada de oração coletiva, porque ela coleta e coleta os votos, intenções e pedidos de toda a Igreja orante.
     
  • Após a leitura do Evangelho, se não houver homilia; se houver homilia, depois. Qual é o significado deste breve silêncio? Que a Palavra de Deus lida e explicada pelo ministro da Igreja penetre e germine na nossa alma. Que a alma esteja sempre aberta! Que pena seria se aquele silêncio fosse um turbilhão de distrações! Seria deixar entrar nos pássaros que nos comerão aquela semente que acabamos de semear nas leituras e no Evangelho.
     
  • Momento da elevação da Hóstia consagrada e do Cálice com o sangue de Cristo na consagração. É um silêncio de adoração, de gratidão, de admiração diante daquele milagre eucarístico. É um silêncio onde nos unimos a esse Cristo que se doa por nós.
     
  • Depois da comunhão, vem o grande silêncio. Silêncio para ouvir aquele Deus que entrou na nossa alma, em forma de pão, silêncio para partilhar a nossa intimidade com Ele. Silêncio para nos colocarmos nas suas mãos. Silêncio para se unir a todos aqueles que receberam a comunhão e elogiar aqueles que não puderam recebê-la. Aqui está a força da comunhão!
     
  • Recomenda-se também um breve silêncio após cada pedido na oração dos fiéis. Aqui é um silêncio imperativo, onde pedimos todas as necessidades da Igreja, do mundo e dos homens.
     
  • É altamente recomendável, depois da Missa, permanecermos mais alguns minutos em silêncio, para podermos agradecer a Deus por este augusto e admirável sacramento, que nos permitiu participar na Santa Missa.

    Nos outros sacramentos também há momentos de silêncio fecundo:
     
  • Nas ordenações sacerdotais: quando o bispo impõe as mãos sobre a cabeça daquele diácono que em breve será consagrado sacerdote … É um silêncio avassalador. Naquele momento vem o Espírito Santo e a esse homem Deus concede-lhe a graça de ser sacerdote, ministro de Deus, que “trabalha em nome de Cristo, Mestre, Pastor e Sumo Sacerdote, e age em sua pessoa”, concedendo a ele o poder de consagrar o pão e o vinho no Corpo e Sangue de Cristo, e o poder de confessar os pecados, em nome de Cristo! Deus o converte de um homem simples em um ministro de sua graça para a salvação do mundo.
     
  • Na unção dos enfermos: é um silêncio pedir a Deus a graça da cura espiritual, sem dúvida, e a corporal, se for da vontade de Deus.
     
  • Um momento antes da bênção dos noivos: silêncio para pedir a Deus a graça da fidelidade dos novos esposos.

Recomendamos:

Eucaristia e silêncio: é condição indispensável para ouvir e encontrar Deus. O encontro com Deus acontece no silêncio da alma.

P Antonio Rivero