Os dois viajantes e o urso

186

Certa vez, dois homens viajavam a pé dentro de uma floresta. De repente, um enorme urso lhes apareceu. Um deles correu e subiu em uma árvore. O outro, incapaz de enfrentar sozinho a enorme fera, deitou-se no chão e permaneceu imóvel, fingindo estar morto.

O urso aproximou-se, cheirou-o de cima a baixo e, aparentemente convencido de que o homem estava morto, foi embora.

Aquele que estava em cima da árvore desceu. Curioso com a cena que viu lá de cima, perguntou ao colega: “Pareceu-me que o urso estava sussurrando alguma coisa em seu ouvido. Ele lhe disse algo?”

“Sim”, respondeu o outro. “Disse-me que não é nada sábio e sensato andar na companhia de um amigo que, no primeiro momento de perigo, me deixa na mão”.

Um amigo verdadeiro não abandona o outro nas horas de aflição. Amigo da onça é aquele que, nas horas em que mais precisamos, se afasta de nós.

O nosso melhor amigo é Jesus Cristo. Veja o que ele mesmo diz: “Ninguém tem amor maior do que aquele que dá a vida por seus amigos. Vós sois meus amigos se fizerdes o que vos mando. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor. Eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai. Não fostes vós que me escolhestes, fui eu que vos escolhi” (Jo 15,13-16).

Jesus é tão amigo que nos deu sua própria Mãe. Ela é a nossa grande amiga, sempre pronta a nos socorrer com seu carinho materno.