O uso excessivo de celulares ou internet

uso excessivo de celulares
Material para catequese
Material para catequese

O dia todo com o celular?

Um comentário engraçado sobre seu uso é amplamente divulgado nas redes sociais. Trata-se de um indivíduo que utiliza o mesmo método do Facebook, WhatsApp ou outros, para fazer amigos, mas com a diferença que o faz na rua. Ele conta aos transeuntes o que comeu, como se sente, que esporte gosta, o que fez na véspera ou o que pretende fazer amanhã. Imediatamente ele dá a ela fotos de sua família, de seu animal de estimação, suas próprias fotos cuidando do jardim de sua casa, lavando o carro, comendo, passeando.

Ele ouve as respostas e diz a todos que os ama. E conclui dizendo que o método realmente tem dado certo, que já conquistou três seguidores: dois policiais e um… psiquiatra!

Jocular, burlesco, real? Sim, podemos dizer que nos deixou pensativos. Pois bem, a avalanche de notícias sobre o uso excessivo de celulares, o domínio das telas, o tempo que cada um ocupa interligado, o início de grupos que se declaram “unplugged”, a proposta de “abstinência digital” por 24 horas, os efeitos sobre a saúde e comportamento de crianças e pré-adolescentes, bullying, assédio, vício em videogames, etc., nos oprimem.

Existe o que chamam de “conectividade exacerbada”, ou FOMO (sigla para ‘medo de perder’), medo de ser excluído, de perder algo nas redes sociais, de ficar de fora de um evento. Síndrome que leva o usuário a ficar conectado à internet ou ficar checando o celular o tempo todo.

Surgem, para contrariar, novas aplicações digitais que colocam um “limite” automático (a ligação pára), ou um “não perturbe”, para que não seja bombardeado a todo o momento com notificações, ou que o “brilho do ecrã “Desça, porque a hora de dormir está chegando.

Ainda assim, “o aumento do tempo de uso de aparelhos e o consumo de determinados conteúdos apresentam perigos tanto físicos quanto psicológicos. As consultas a oftalmologistas e cinesiologistas estão crescendo devido ao mau uso das telas, a angústia também está crescendo, principalmente na adolescência ”, afirma o colunista Martina Rua (La Nación, Bs. As, 22-5-2018). Ele não deixa de considerar que quem passa muitas horas na frente do celular ou na internet está mais propenso à ansiedade e à depressão.

A tudo isto, chegam agora notícias da existência de “clínicas de reabilitação” para este novo tipo de dependência . Eles são bastante numerosos, especializados – como são descritos – diante do “uso disfuncional da Internet”; Eles também consideram o tratamento de casos reais de uso excessivo de celulares, aqueles que passam a maior parte do dia grudados neles. A terapia pode durar até dois meses. Nesses locais, tablets, celulares, computadores, são totalmente proibidos. Seu objetivo é reverter a situação, para que o “paciente” se aproxime de seus familiares e amigos, dos estudos cotidianos normais e tenha uma relação normal com os instrumentos tecnológicos.

“Nós os desconectamos. Essa é a regra” – diz a diretora de uma dessas clínicas, Danielle Kovac-, e estende dizendo: “Psicólogos e psiquiatras americanos estão divididos: para alguns o vício seria antes um sintoma de outras síndromes, como como paranóia e depressão, e não a causa delas. Para outros, seguiria características idênticas às de outras dependências conhecidas, como álcool e drogas . Há países que não reconhecem oficialmente o problema, outros sim; na Coreia do Sul A dependência de internet foi classificada como ‘problema de saúde pública’ e é tratada em hospitais” (bbc.com, Ricardo Senra. 2-8-2018).

Sugestivas são as afirmações do psicólogo americano Adam Alter, autor do livro “Irresistíveis; em extensa reportagem afirma que “o vício em telas é muito mais difundido do que o de substâncias (que atinge uma parcela ínfima da população), e se move silenciosamente. Ser viciado em heroína não é socialmente aceito; ser para a tecnologia, sim. As pessoas esperam que respondas às mensagens imediatamente, desde o elevador, ou enquanto jantas.” (Sandro Pozzi. El País, Madrid. 25-2018).

As empresas que promovem os meios de comunicação eletrônica conseguiram fazer com que quase todo mundo tenha um aparelhinho nas mãos, que seu uso se torne uma necessidade e que seja difícil “desprender”. Esse é o problema. Eles estão interessados ​​em que os usuários passem o maior tempo “presos” a esses artefatos, já que é o objetivo de suas vendas. Singularmente vemos uma contradição, verifica-se que muitos executivos, dessas empresas, mandam seus filhos para escolas livres de tecnologia…

Variadas são as maneiras de detectar o vício. Aqui nos interessa comentar o que foi descrito como psicológico : “parece bobagem, mas o telefone está ocupando cada segundo que você tem livre. É bom que você não fique entediado, mas as ideias surgem do tédio “, diz Adam Alter na mesma entrevista. Aquele tédio de não me interessar por nada, de me faltar algo divertido para ver, ouvir ou fazer, me desagrada. A tristeza ou a angústia os dominam quando estão sozinhos, desconectados do mundo ao seu redor. Preferem, para acalmar esta solidão – mesmo quando rodeados de outras pessoas – “mergulhar” no mundo digital, horas e horas. Querem preencher esse vazio entrando em outro vazio ainda pior, que pode se tornar um vício.

A situação é agravada pelo fato de que a tecnologia, a cada momento, está se sofisticando cada vez mais. Há uma década, as empresas prometiam que seus produtos ajudariam a criar comunidades e aumentar os relacionamentos. Mas, tem acontecido o contrário, pode-se ter milhares de amigos nas redes, mas verifica-se que não há nada que substitua a convivência pessoa a pessoa, o antigo método de construção de amizades, comenta o sociólogo americano Erick Klinenberg (The New York Times, 13/02/2018).

Este vício é mais difícil de combater do que a dependência de álcool ou drogas, nas quais, a simples mudança de ambiente ou dos elementos que o dominam, em alguns casos, pode ser muito positiva. Mas, com a evolução tecnológica de hoje, sair dessa rotina?Como fazer?Estamos rodeados de telas, elas são colocadas até embaixo do travesseiro!; “Eles são como parte do nosso próprio corpo” dizem alguns, outros que “é algo essencial na vida deles”, afirmações muito frequentes em entrevistas ou pesquisas. Na época chamavam de “nomofobia”, ou seja, a ansiedade de estar desconectado. Somos, como é comum descrever, “tecno-institucionalizados”, caminhamos para a robótica pelo domínio da tecnologia, muitos correm o risco de se tornarem “