Mesma dignidade

vocação missionária evangelizar e anunciar o evangelho

Estamos celebrando o XXVII Domingo do Tempo Comum e o primeiro domingo do mês de outubro. Outubro na Igreja no Brasil nós refletimos sobre a missão. O cristão que tem, pelo batismo, a vocação missionária, a missão de anunciar a Boa Nova, tem de ter, ele próprio, um coração semelhante ao de Cristo, manso e humilde, como pedimos na jaculatória, “fazei nosso coração semelhante ao vosso”. O Papa São Paulo VI, na Evangelii nuntiandi exorta: “A obra da evangelização pressupõe um amor fraterno, sempre crescente, para com aqueles a quem ele (o missionário) evangeliza.” (nº 79) e cita São Paulo aos Tessalonicenses (2Tes. 8) como programa.

Na primeira leitura – Gn 2,18-24 – ressalta que não é bom que o homem fique sozinho; Deus vai dar-lhe uma companheira em tudo semelhante a ele! E o homem gostou da companheira: “Desta vez, sim, é osso dos meus ossos e carne de minha carne! Ela será chamada “mulher” porque foi tirada do homem”.

A segunda leitura – Hb 2,9-11 – apresenta o caminho para a salvação, indicado e praticado por Jesus, é o Caminho que revela a sabedoria de Deu: pela humilhação e morte na Cruz, Jesus chegou à glória da Ressurreição. Este é o caminho que nos torna participantes de sua glória! A Carta aos Hebreus, na segunda leitura de hoje, nos apresenta Jesus “coroado de glória e honra, por ter sofrido a morte” e afirma que “pela graça de Deus em favor de todos, ele provou a morte”e foi levado“à consumação por meio dos sofrimentos”. Caríssimos, não nos iludamos: jamais compreenderemos as exigências do Evangelho, jamais teremos a força de abraçá-las, se não estivermos dispostos a participar do sofrimento e das renúncias do Cristo Jesus; aquelas mesmas que o fizeram estar agora coroado de glória.

No Evangelho – Mc 10,2-16 –os fariseus perguntam a Jesus sobre o divórcio. Moisés, na Lei, no Antigo Testamento, o permitia. “E tu, Jesus, que dizes?” Jesus, tão bom, tão suave, tão misericordioso, não permite tal prática. Sua sentença é sem apelo: O que Deus uniu, o homem não separe! Quem se divorciar de sua mulher e casar com outra, cometerá adultério conta a primeira. E se a mulher se divorciar de seu marido casar com outro, cometerá adultério”. 

Recordando o Gênesis, “no princípio”, Jesus endossa a belíssima convicção de que homem e mulher têm a mesma dignidade: ambos vivem do mesmo sopro divino; a mulher foi tirada do lado do homem, como alguém que deve estar ao seu lado, como companheira de igual dignidade e valor. Não deve existir contraposição entre os sexos, mas sim complementaridade. Este é o plano de Deus. 

Ainda um outro aspecto. Deus institui a família: o homem e a mulher, num amor aberto à vida: O homem deixará seu pai e sua mãe e s dois serão uma só carne”.Que coisa: um deixar, um encontrar, um unir-se, um gerar vida!“Crescei e multiplicai! Dominai a terra!” (Gn 1,28) Não se pode destruir a família, não se pode mudar o conceito de família! Família á aquilo que Deus sonhou como sendo família e o Cristo nosso Senhor confirmou, elevando o matrimônio à dignidade de sacramento, santificando-o com a sua graça!

Jesus veio para reconduzir este mundo ferido pelo pecado ao plano original de Deus. Ora, o sonho de Deus para o amor conjugal é que ele seja uma entrega total e plena, no amor indissolúvel, fiel e fecundo. Este é o ideal que Jesus aponta aos seus discípulos! Na perspectiva de Jesus, o divórcio é contrário ao plano de Deus para o amor humano! Por isso mesmo, o matrimônio abraçado por um cristão e uma cristã, no Senhor Jesus, é indissolúvel! Jesus diz no Evangelho para quem tiver um coração de criança: “Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele!”Ter coração de criança é deixar-se conduzir pelo Senhor, é acolher confiantemente a sua palavra a nosso respeito, mesmo quando esta nos é difícil. Mas, não o conseguiremos sem a disposição para sofrer com Cristo, para nos deixar a nós mesmo.

O nosso Deus não é Solidão, mas Comunhão de Pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo! O homem, feito à imagem e semelhança de Deus Trindade (Comunhão), vive em comunhão com as pessoas. A mulher não é um acréscimo ao homem incompleto, mas para viver em comunhão, inclusive, carnal com o homem! O casamento não é apenas uma instituição humana; é um sacramento, ou seja, Deus fez o homem e a mulher para ser um retrato humano da intimidade do próprio Deus! O amor faz dele urna imagem e semelhança do próprio Deus.

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.

Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

AJUDE A MANTER O SITE NO AR !

Nosso site tem uma divida mensal e a cada dia está mais difícil manter o site no ar. Doe qualquer valor e você ira muito ajudar na manutenção e permanência do site no ar ! O seu gesto de amor ajudara muitos catequistas que visitam nosso site

FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR

PIX CHAVE CPF: 16800472808
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

ou

PIX CHAVE EMAIL: [email protected]
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Deus te abençoe !