Maneiras de amar a Deus

luz de cristo

Entrar nas igrejas é muito bom, orar a Deus com o costume devoto é um fenômeno (e mais necessário), ser movido pelo toque de sinos ou incenso ou um parágrafo bonitoé um bom sinal, gostar de livros e novenas ou pulseiras com imagens de santos ou colecionar rosários ou devoções, frequentar a companhia de padres abençoados nunca é demais, sair em procissão a alma ou o costume (que depende de cada um) fico comovido com isso, e entrar nos salões eclesiais ou pastorais é uma posição clara para defender Cristo, e eu o admiro. Sim, tudo isso é muito bom. E muitas outras coisas que esqueço agora e que são maravilhosas na rica variedade de formas e maneiras de amar a Deus.

Mas, pelo menos eu, sempre senti o impulso de não estranhar o cristão, porque não o é (e não estou dizendo que o que disse antes seja completamente estranho). Para torná-lo mais natural, vivo e diário. Não limitá-lo nos joelhos, ou nos degraus, ou nas etc. das capelas. Sempre senti a urgência de cristianizar a rua, a universidade, o shopping, os bares e seus aperitivos, a literatura e o máximo dos meus, a partir das Ave-Marias ou de um diálogo fluido com Deus. Com meu vocabulário. E partilho com Deus o trânsito, a minha raiva, aquela menina e a sua beleza, as notícias, a minha preguiça … Todos os dias e todas as horas. Ele e eu. Que o que faço ou digo não nega a Cristo. Sendo um cara normal, sem peculiaridades. Sem um excesso de coisas piedosas ou prosapias clericais.

A verdadeira piedade sempre me pareceu, bem, minha vida normal na intimidade de Deus. Todo. Não apenas um aspecto, um tempo ou um parêntese. Não. Tudo isso em unidade de vida e dedicação. No templo para onde me movo, que é o mundo. E é isso que mais atrai, sem hesitar. Eu sou o que sou: minha família, meu trabalho, meus amigos, minhas leituras, meus artigos de imprensa. E minhas gafes e versos ruins. Cristo não é esquisito, nós o tornamos esquisito, com ações bizarras e caricaturas e ultrajes enfadonhos. E acima de tudo o tornamos estranho com nossa incoerência dos fatos e aquela extraordinária frouxidão para com o divino. Eu fui o primeiro. Ou sendo plastas monotemáticos, ou sempre nos acreditando reis do mambo. E as almas estão com medo. O que esperamos? Que espero? O que eu faria? Bem o mesmo:

O católico não joga o normal ou o bom. O católico é normal e pode ser simpático (nem todo mundo tem esse dom, tem quem é mais sério ou duro, ou até insuportável, como todo mundo). Nada está mais longe da piedade do que a piedade, nada mais longe da santidade do que a justiça própria. Quem atrai é Cristo, não nós, não eu, que na maioria das vezes sou um estorvo. E Cristo quer cristãos alegres, poetas de sua obra, imersos em sua família e em outras relações sociais. E no meio de tudo e de todos, ore e viva pela fé. Naquela reunião ou no semáforo. Com graça humana e com graça divina. Sem se esforçar para aparecer o que não somos, ou para esconder a alma entre as vicissitudes do dia. O oposto. Orgulho de ser o que somos e de erguer bem alto a bandeira dos nossos olhos no amor a Deus. Esse olhar limpo, que por si só é uma catequese inteira. Aquele olhar católico, tão moderno, tão inconformista. Esse olhar que só de olhar ora e compreende, e magnetiza muitos outros para seguirem os passos de Cristo.

Guillermo Urbizu

AJUDE A MANTER O SITE NO AR !

Nosso site tem uma divida mensal e a cada dia está mais difícil manter o site no ar. Doe qualquer valor e você ira muito ajudar na manutenção e permanência do site no ar ! O seu gesto de amor ajudara muitos catequistas que visitam nosso site

FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR

PIX CHAVE CPF: 16800472808
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

ou

PIX CHAVE EMAIL: [email protected]
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Deus te abençoe !