Adolescência, idade difícil

jovens adolescentes

Chega a uma idade em que a criança deixa de ser criança e ainda não é adulta. Idade em que ocorre uma espécie de ruptura do equilíbrio em vista de um novo equilíbrio e da conquista da personalidade, que aos poucos fará dessa criança não apenas um rapaz ou uma moça, mas um certo rapaz ou moça-menino ou moça. . . O resultado disso é um período de crise que geralmente começa por volta dos treze anos e pode durar dois ou três.

* Muitas vezes, neste período, os pais, que esqueceram completamente o que aconteceu com eles mesmos, sentem-se desorientados, pois não reconhecem mais seus filhos. A primeira coisa a fazer é não entrar em pânico. Esta é uma crise normal, que passará mais rápida e facilmente quanto mais os pais tentarem entendê-la.

* O adolescente, que deixa de ser criança, começa por ter uma crise de emancipação. Ele não quer fazer parte do mundo dos pequeninos; ele não quer mais ser tratado como uma criança; Eles não gostam de ser obrigados a dizer suas lições; ele não quer ser mandado para a cama à noite; fica incomodado com a menor observação, especialmente se for feito na frente de irmãos e irmãs mais novos.

* Este desejo de emancipação é a manifestação de um progresso natural em evolução. Seria em vão e perigoso tentar dominá-lo pela força.

* O que caracteriza a adolescência é uma transformação fisiológica. É importante, portanto, que os pais avisem seus filhos a tempo. Mas, em todo caso, resultará uma fragilidade física, uma instabilidade de caráter que deve ser levada em conta.

* Não há razão para se surpreender neste período de mudanças de humor, explosões irracionais, trabalho desigual, uma sucessão impossível de prever de alegria ruidosa e gesto sombrio.

* O adolescente sente a impressão de não ser ele mesmo. Ele não entende o que acontece nele. Ele sente mais ou menos confusamente algo em si mesmo mais forte do que ele… Mas dificilmente o afirmará. Você não aceitará de bom grado repreensões ou reprimendas, e isso geralmente lhe dará a sensação de ser mal compreendido.

* Os adolescentes tentam, muitas vezes desajeitadamente, afirmar sua personalidade nascente opondo-se à tradição, ao conformismo, ao julgamento dos adultos. Eles raramente têm seu próprio pensamento reflexivo. A prova é que varia muito facilmente sobre o mesmo assunto em poucos dias de intervalo. Mas eles instintivamente se colocam em oposição ao que você afirma. Nem sempre sabem exatamente o que querem. No mínimo, eles querem algo diferente do que você quer, e muitas vezes o oposto do que você quer. Por outro lado, são dotados neste momento de uma plasticidade artística e artesanal que lhes permite interessar-se pelas atividades mais inesperadas, através das quais se orientam e fazem a seleção dos seus gostos e aptidões.

* Nessa idade, impropriamente chamada de “idade dos ingratos”, não basta que eles os amem, e – fato que intriga muito as mães – até abraços, mimos, expressões de afeto familiar, eles os acham indiferentes , se não forem hostis. O que eles querem não é apenas serem amados; é amar a si mesmo e escolher seus amigos naturalmente fora de casa.

* São capazes, ao mesmo tempo, de um egoísmo quase cínico por tudo o que diz respeito ao quadro familiar e de uma esplêndida abnegação exterior; para os pobres, para um ideal, para um movimento político ou religioso.

* É o momento em que é mais conveniente orientá-los, sem nunca impor-lhes, para uma organização juvenil. A abnegação com que se entregarão talvez seja a melhor coisa que os ajudará a salvar esse período de crise e a reencontrar o equilíbrio nas melhores condições: dando-se é como se equilibrarão.

* Para os jovens é a idade do amor apaixonado; por um professor, por um professor. Se o objeto da paixão é algo bom e equilibrado, não há necessidade de se preocupar; vai passar por si mesmo.

* Se a fuga do ambiente familiar não for orientada para uma organização juvenil, o adolescente pode desviar-se para outras direções, não sem perigos: a dos sonhos, da imaginação; é a era por excelência do romance e do romance.

* Não se surpreenda se neste momento seu filho não quiser sair com você. O que é importante – mas isso é essencial – é que o ambiente em que você procura suas diversões e descanso seja moralmente saudável. Aqui também entra em jogo a escolha da organização juvenil que melhor atende às suas aspirações.

* Essas crianças grandes são capazes de se entusiasmar com coisas grandes e bonitas, assim como com qualquer coisa pequena. Não tire sarro de si mesmo; eles são muito suscetíveis. Não tente adivinhar; são muito desconfiados: retraem-se e fecham-se mais; Eles são muito ciumentos de sua autonomia, de sua independência: sua personalidade se destaca. Eles são meninos mais velhos, não meninos! Acima de tudo, que eles não parecem estar sendo observados.

* Esta última palavra traz à mente a distinção um tanto sutil, mas bem fundamentada, que foi feita um dia entre dois tradutores do mesmo termo grego “episkopein”, do qual vem a palavra bispo; uma das traduções, que seguia literalmente os elementos da composição do verbo grego, dava “vigiar”. A outra inverteu, pode-se dizer, a ordem dos fatores e deu “vigia”. Você pode ver a diferença imediatamente. Um pai não cuidará de seu filho mais velho, terá confiança nele; mas cuidará dele para fazê-lo aproveitar as oportunidades de demonstrar seu talento ou suas qualidades.

* Dê a seus adolescentes a chance de contribuir ativamente para decisões comuns sobre a casa. Será um meio de controlar razoavelmente a tentação exagerada de fugir da casa da família.

* A experiência mostra que os meninos cuja opinião é levada em consideração em questões de arrumação, alimentação, entretenimento, rádio, etc., dentro da família, procuram menos do que os outros o exercício da liberdade fora.

* Sobretudo, diante das manifestações de independência, de evasão, de oposição, de seus filhos e de suas filhas adolescentes, não aja. Sem cenas, lágrimas ou censuras…; ainda menos violência.

* Nesta idade, mais do que nunca, eles sabem persuadi-los e tentam não forçá-los.

* Quando você quiser obter algo deles, apele para os motivos mais elevados; não confie em motivos exclusivamente utilitários; Apesar das aparências, eles estão na era dos idealismos desinteressados. É também a era da poesia, em que gostamos de escrever versos sobre tudo e sobre tudo.

* De um modo geral, evite zombar deles; Tenha compaixão; mais ainda; fazê-los sentir que você os entende. Deste modo conservareis perante eles a autoridade moral, de que tanto necessitam, sem que o saibam, para os ajudar a canalizar no bom sentido as novas e magníficas forças que os guiam para a idade adulta.

* Tranquilize-se; esses anos difíceis passarão. Se seus filhos entenderem que você os ama por si mesmos, que não só não quer impedi-los de crescer, mas também que quer ajudá-los a alcançar uma personalidade de homens ou mulheres dignos desse nome, seus filhos e suas filhas manter a confiança em você ou, no passado da crise, eles sentirão e mostrarão um carinho redobrado.

Histórinhas para Catequese!

Faça uma doação de qualquer valor e tenha acesso ao site missacomcriancas.com.br . São centenas de historinhas para teatros que podem ser usadas na missa ou encontros de catequese.

DOAR PELO MERCADO PAGO - VALOR R$ 10,00 : Clique aqui

DOAR PELO MERCADO PAGO - VALOR R$ 20,00 : Clique aqui

DOAR PELO MERCADO PAGO - VALOR R$ 50,00 : Clique aqui

Ou FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR

PIX CHAVE CPF: 16800472808
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Para ter o acesso só me chamar no WhatsApp 19 987634283
Deus te abençoe !