A igreja e a internet

evangelizando na internet

INTRODUÇÃO

1. O interesse da Igreja pela Internet é uma expressão particular de seu interesse de longo prazo nas mídias sociais. Considerando-os como resultado do processo histórico científico pelo qual a humanidade “avança cada vez mais na descoberta de recursos e valores fechados em tudo o que foi criado”,1 a Igreja sempre declarou sua convicção de que a mídia é, como diz o Vaticano II, “maravilhosas invenções de tecnologia”,2 que já fazem muito para atender às necessidades humanas e podem fazer ainda mais.

Assim, a Igreja teve uma abordagem fundamentalmente positiva para a mídia. 3 Os documentos do Pontifício Conselho de Comunicações Sociais, ao condenar abusos graves, tomaram o cuidado de esclarecer que “uma atitude de pura restrição ou censura por parte da Igreja … não é suficiente nem apropriado”. 4

Citando a carta encíclica Miranda prorsus do Papa Pio XII de 1957, a instrução pastoral sobre os Meios de Comunicação Social Communio et progressio,publicada em 1971, sublinhou este ponto: “A Igreja os vê como ‘dons de Deus’, uma vez que, de acordo com o desenho da Providência divina, eles unem os homens fraternalmente para que possam, assim, colaborar com sua vontade salcífica”. 5 Esta ainda é a nossa opinião, e é a mesma opinião que temos da Internet.

2. Do ponto de vista da Igreja, a história da comunicação humana é como uma longa jornada, levando a humanidade “do orgulhoso projeto de Babel e da queda na confusão e incompreensão mútua que produziu (cf. Gen 11:1-9), ao Pentecostes e ao dom das línguas: uma restauração da comunicação, centrada em Jesus, sob a ação do Espírito Santo”. 6 Na vida, morte e ressurreição de Cristo, a base final e o primeiro modelo de “comunicação entre homens” encontra-se em Deus que se tornou homem e irmão”. 7

Os meios modernos de comunicação social são uma parte importante desta história. Como diz o Concílio Vaticano II, “embora devemos distinguir cuidadosamente o progresso da terra do crescimento do Reino de Cristo, no entanto, o primeiro, na medida em que pode contribuir para a melhor ordenação da sociedade humana, é de grande interesse para o Reino de Deus”. 8 Vendo nesta luz os meios de comunicação social, descobrimos que eles “contribuem efetivamente para descansar e cultivar o espírito e para difundir e fortalecer o reino de Deus”. 9

Hoje isso se aplica de forma especial à Internet, que está ajudando a fazer mudanças revolucionárias no comércio, educação, política, jornalismo, relações entre nações e entre culturas, mudanças não só na forma como as pessoas se comunicam, mas também na forma como entendem suas vidas. Discutimos a dimensão ética dessas questões em outro artigo sobre questões semelhantes. 10 Aqui consideramos as implicações que a Internet tem para a religião e especialmente para a Igreja Católica.

3. A Igreja tem um duplo objetivo em relação à mídia. Uma delas é promover seu correto desenvolvimento e uso com vistas ao progresso humano, à justiça e à paz, para a construção da sociedade nos níveis local, nacional e comunitário à luz do bem comum e em espírito de solidariedade. Considerando a grande importância das comunicações sociais, a Igreja “deseja poder dialogar de forma honesta e respeitosa com os responsáveis pelamídia”, 11 um diálogo que diz respeito principalmente à programação desses meios de comunicação. “Esse diálogo implica que a Igreja se esforça para entender a mídia, seus objetivos, suas estruturas internas e suas modalidades, e que ela apoia e incentiva aqueles que trabalham nelas. Com base nesse entendimento e apoio, propostas significativas podem ser feitas com vistas à remoção de obstáculos ao progresso humano e à proclamação do Evangelho.” 12

Mas a preocupação da Igreja também se refere à comunicação dentro e por dentro e pela própria Igreja. Esta comunicação é mais do que um exercício de técnica, pois “baseia-se na comunicação entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo, e na sua comunicação conosco”; e a realização desta comunicação trinitária “atinge a humanidade: o Filho é a Palavra, eternamente pronunciada pelo Pai; e em Jesus Cristo e através de Jesus Cristo, Filho e Palavra feito carne, Deus se comunica e comunica sua salvação para homens e mulheres.” 13

Deus continua a se comunicar com a humanidade através da Igreja, portador e depositário de sua revelação, a cujo ministério de ensino vivo ele confiou a tarefa de interpretar autenticamente suapalavra.14 Além disso, a própria Igreja é comunhão,uma comunhão de pessoas eucarísticas e comunidades que nascem da comunhão da Trindade e se refletem nela; 15, portanto, a comunicação é a essência da Igreja. Por essa razão, mais do que para qualquer outro, “o exercício da comunicação pela Igreja deve ser exemplar, refletindo os altos padrões de verdade, responsabilidade e sensibilidade em relação aos direitos humanos, bem como outros princípios e normas importantes”. 16

4. Há três décadas, o Communio et progressio apontou que “os meios modernos de comunicação oferecem novos instrumentos para as pessoas confrontarem a mensagem do Evangelho”. 17 O Papa Paulo VI afirmou que a Igreja “se sentiria culpada diante de Deus” se parasse de usar a mídia para evangelização. 18 O Papa João Paulo II definiu a mídia como “o primeiro areopagus da era moderna”, e declarou que “não basta usá-los para espalhar a mensagem cristã e o autêntico Magistério da Igreja, mas é necessário integrar a mensagem em si nessa ‘nova cultura’ criada pela comunicação moderna”. 19 Fazer isso é muito importante hoje, não só porque a mídia exerce uma forte influência sobre o que as pessoas pensam sobre a vida, mas também porque em grande parte “a experiência humana como tal se tornou uma experiência de mídia”. 20

Tudo isso se aplica à Internet. E enquanto o mundo das comunicações sociais “pode dar a impressão de se opor à mensagem cristã, também oferece oportunidades únicas para proclamar a verdade salvadora de Cristo para toda a família humana. (…) Pensemos (…) nas grandes possibilidades oferecidas pela internet para disseminar informação e ensino de natureza religiosa, superando obstáculos e fronteiras. Aqueles que pregaram o evangelho diante de nós nunca poderiam imaginar um público tão vasto. (…) Os católicos não devem ter medo de abrir as portas das mídias sociais para Cristo, para que as boas notícias possam ser ouvidas dos telhados do mundo.” 21

II

OPORTUNIDADES E DESAFIOS

5. “As comunicações que são feitas na Igreja e pela Igreja consistem essencialmente na proclamação da Boa Notícia de Jesus Cristo. É a proclamação do Evangelho como uma palavra profética e libertadora dirigida aos homens e mulheres de nosso tempo; é a testemunha dada à verdade divina e ao destino transcendente da pessoa humana, diante de uma secularização radical; é tomar o lado da justiça, em solidariedade a todos os crentes, a serviço da comunhão de povos, nações e culturas, diante de conflitos e divisões”. 22

Uma vez que proclamar a Boa Notícia para pessoas formadas por uma cultura midiática requer uma consideração cuidadosa das características especiais da própria mídia, a Igreja agora precisa entender a Internet. Isso é necessário para se comunicar efetivamente com as pessoas, especialmente com os jovens, que estão imersos na experiência dessa nova tecnologia, e também para usá-la bem.

Os meios de comunicação oferecem importantes benefícios e vantagens do ponto de vista religioso: “Transmitem notícias e informações sobre eventos, ideias e personalidades da esfera religiosa, e servem como veículos para evangelização e catequese. Diariamente, eles fornecem inspiração, incentivo e oportunidades para participar de funções litúrgicas para pessoas forçadas a permanecer em suas casas ou instituições.” 23 Além desses benefícios, existem outros que são peculiares à Internet. Proporciona ao público acesso direto e imediato a importantes recursos religiosos e espirituais: grandes bibliotecas, museus e locais de culto, documentos do Magistério e escritos dos Pais e Médicos da Igreja, e a sabedoria religiosa de todos os tempos. Ele possui uma notável capacidade de superar a distância e o isolamento, conectando pessoas animadas por sentimentos de boa vontade que participam de comunidades virtuais de fé para encorajar e apoiar uns aos outros. A Igreja pode prestar um importante serviço tanto para católicos quanto para não católicos, selecionando e transmitindo dados úteis neste meio.

A Internet é importante para muitas atividades e programas da Igreja: a evangelização, que inclui tanto a re evangelização quanto a nova evangelização e o trabalho missionário tradicional ad gentes; catequese e outros tipos de educação; notícias e informações; apologética, governo e administração; e algumas formas de aconselhamento pastoral e direção espiritual. Embora a realidade virtual do ciberespaço não possa substituir a comunidade real e interpessoal ou a realidade incorporada dos sacramentos e da liturgia, ou a proclamação imediata e direta do Evangelho, pode complementá-las, atrair as pessoas para uma experiência mais completa da vida de fé e enriquecer a vida religiosa dos usuários, ao mesmo tempo em que lhes dá suas experiências religiosas. Também fornece à Igreja meios para se comunicar com grupos particulares — jovens e adultos, idosos e deficientes, pessoas que vivem em áreas remotas, membros de outras comunidades religiosas — que de outra forma poderia ser difícil de alcançar.

Um número crescente de paróquias, dioceses, congregações religiosas, instituições relacionadas à Igreja, programas e todos os tipos de organizações estão agora fazendo uso efetivo da Internet para esses e outros fins. Em alguns lugares, tanto nacional quanto regionalmente, houve projetos criativos patrocinados pela Igreja. A Santa Sé atua nessa área há muitos anos, e continua a disseminar e desenvolver sua presença na internet. Grupos ligados à Igreja que ainda não deram esse passo são encorajados a considerar fazê-lo o mais rápido possível. Recomendamos a troca de ideias e informações sobre a Internet entre aqueles que já têm experiência nessa área e aqueles que são iniciantes.

6. A Igreja também precisa entender e usar a Internet como meio de comunicação interna. Isso requer claramente levar em conta seu caráter especial como um meio direto, imediato, interativo e participativo.

O canal dual de interatividade da Internet já está apagando a velha distinção entre aqueles que se comunicam e aqueles que recebem o que écomunicado,24 e está criando uma situação onde, pelo menos potencialmente, todos podem fazer os dois. Esta não é a comunicação do passado em uma única direção, de cima para baixo. À medida que as pessoas se familiarizam com essa característica da Internet em outras áreas de suas vidas, pode-se esperar que elas a usem também no que diz respeito à religião e à Igreja.

A tecnologia é nova, mas os critérios não são. O Concílio Vaticano II afirmou que os membros da Igreja devem manifestar aos seus pastores “suas necessidades e desejos com a liberdade e confiança que os filhos de Deus e irmãos em Cristo devem ter”; de fato, de acordo com seu conhecimento, competência ou posição, os fiéis “têm o direito, e às vezes até mesmo o dever, de expressar suas opiniões sobre o que diz respeito ao bem da Igreja”. 25 O Communio et Progressio ressaltou que, como um “corpo vivo”, a Igreja “precisa da troca das opiniões legítimas de seus membros”. 26 Embora as verdades de fé “não deixem espaço para interpretações arbitrárias”, a constituição pastoral observa que há “uma enorme área onde os membros da Igreja podem expressar suas opiniões”. 27

Ideias semelhantes estão expressas no Código de Direito Canon,28, bem como nos documentos mais recentes do Pontifício Conselho de Comunicações Sociais. 29 O Aetatis novae define a comunicação bidirecional e a opinião pública como “uma forma concreta de colocar em prática o caráter comunitário da Igreja”. 30 Ética nas comunicações sociais afirma: “Um fluxo recíproco de informação e pontos de vista entre pastores e fiéis, uma liberdade de expressão que leve em conta o bem da comunidade e o papel do Magistério na promoção, e a opinião pública responsável são expressões importantes do ‘direito fundamental ao diálogo e à informação dentro da Igreja'”. 31 A Internet fornece um meio tecnológico eficaz de concretizar essa perspectiva.

Então, aqui temos um instrumento que pode ser usado criativamente para vários aspectos da administração e governança. Além de abrir canais para a expressão da opinião pública, pensamos em outros elementos, como consultoria de especialistas, preparação de encontros e prática de colaboração em Igrejas e institutos religiosos, nos níveis local, nacional e internacional, bem como entre eles.

7. Educação e treinamento são outras áreas oportunas e necessárias. « Hoje todos precisam de alguma forma de treinamento contínuo sobre os meios de comunicação social, seja através de estudo pessoal, ou através da participação em um programa organizado, ou com ambos. A educação para o uso das mídias sociais, em vez de ensinar algo sobre técnicas, ajuda as pessoas a formar critérios de bom gosto e verdadeiros julgamentos morais; é um aspecto da formação da consciência. Por meio de suas escolas e seus programas de formação, a Igreja deve fornecer esse tipo de educação para o uso das mídias sociais.” 32

A educação e a formação relacionadas à Internet podem integrar programas de educação global na mídia acessível aos membros da Igreja. Na medida do possível, o planejamento pastoral da mídia deve proporcionar essa formação para seminaristas, padres, religiosos e pastorais leigos, como professores, pais e alunos. 33

Os jovens, em particular, precisam ser ensinados “não apenas a serem bons cristãos quando são beneficiários, mas também quando estão ativos no uso de todos os auxílios de comunicação oferecidos pela mídia. (…) Assim, os jovens se tornarão verdadeiros cidadãos da era das comunicações sociais que parece estar começando neste momento”,34 anos, quando a mídia é considerada como “parte integrante de uma cultura ainda inacabada cujas implicações completas ainda não são totalmente compreendidas”. 35 Assim, o ensino sobre a Internet e as novas tecnologias envolve muito mais do que mero ensino técnico; os jovens precisam aprender a funcionar bem no mundo do ciberespaço, como fazer julgamentos maduros, de acordo com critérios morais sólidos, sobre o que encontram nele, e como usar novas tecnologias para seu desenvolvimento integral e em benefício dos outros.

8. A Internet também apresenta alguns problemas especiais à Igreja, além dos de natureza geral discutidos no documento anexado a ela. 36 Ao destacar o que é positivo em relação à internet, é importante esclarecer o que não é.

Em um nível muito profundo, “às vezes o mundo da mídia pode parecer indiferente e até hostil à fé e à moral cristãs. Em parte, isso ocorre porque a cultura da mídia tem sido progressivamente imbuída de uma mentalidade tipicamente pós-moderna, segundo a qual a única verdade absoluta é que não há verdades absolutas ou, se existissem, estariam inacessíveis à razão humana e, portanto, irrelevantes.” 37

Problemas específicos criados pela Internet incluem a presença de sites cheios de ódio dedicados a difamar e atacar grupos religiosos e étnicos. Alguns deles têm como alvo a Igreja Católica. Como pornografia e violência na mídia, esses sites da Internet “destacam o componente mais obscuro da natureza humana, danificado pelo pecado”. 38 E, embora o respeito pela liberdade de expressão às vezes exija tolerância, em certa medida, até mesmo as vozes do negativo, a aplicação da auto-regulação e, se necessário, a intervenção do poder público, deve estabelecer e impor alguns limites razoáveis sobre o que pode ser dito.

A proliferação de sites que se definem como católicos representa um problema de um tipo diferente. Como dissemos, grupos ligados à Igreja devem estar criativamente presentes na Internet; e pessoas bem motivadas e informadas, bem como grupos não oficiais agindo por iniciativa própria, também têm o direito de estar nela. Mas causa confusão, pelo menos, para não distinguir interpretações doutrinárias desviantes, práticas arbitrárias de devoção e posições ideológicas que se autodenominam “católicas” das posições autênticas da Igreja. Sugerimos uma abordagem para esta questão mais tarde.

9. Algumas outras questões requerem muita atenção. Em relação a eles, solicitamos a continuidade da pesquisa e do estudo, incluindo “a elaboração de uma antropologia e uma verdadeira teologia da com referência específica à Internet. É claro que, além de estudo e pesquisa, a programação pastoral positiva para o uso da internet pode e deve ser proposta. 

Uma área de pesquisa poderia responder à sugestão de que a ampla gama de opções relacionadas a produtos e serviços de consumo disponíveis na Internet tem um efeito indireto no que diz respeito à religião, e favorece uma abordagem “consumidora” para questões de fé. Os dados sugerem que alguns visitantes de sites religiosos podem fazer compras, selecionar e escolher elementos de pacotes religiosos adaptados ao usuário para se adequarem aos seus gostos pessoais. A “tendência, por parte de alguns católicos, de qualificar o grau de adesão”41 ao ensino da Igreja é um problema conhecido em outros contextos; mais informações são necessárias para saber se, e até que ponto, a Internet agrava esse problema.

Da mesma forma, como observamos anteriormente, a realidade virtual do ciberespaço tem algumas implicações preocupantes tanto para a religião quanto para outras áreas da vida. A realidade virtual não substitui a presença real de Cristo na Eucaristia, nem a realidade sacramental dos outros sacramentos, nem a adoração compartilhada em uma comunidade humana de carne e osso. Não há sacramentos na Internet; e até mesmo as experiências religiosas possibilitas lá pela graça de Deus são insuficientes se estiverem separadas da interação do mundo real com outras pessoas de fé. Esse é outro aspecto da Internet que requer estudo e reflexão. Ao mesmo tempo, a programação pastoral deve considerar como levar as pessoas do ciberespaço para a comunidade autêntica e como a Internet poderia então ser usada, através do ensino e da catequese, para apoiá-las e enriquecê-las em seu compromisso cristão.

III

RECOMENDAÇÕES E CONCLUSÃO

10. Os crentes, também presentes na Internet com suas preocupações legítimas, querem uma presença ativa para o futuro deste novo meio. Claro, isso implica uma adaptação da mentalidade às características e estilo dela.

Também é importante que as pessoas de todos os setores da Igreja usem a Internet criativamente para assumir suas responsabilidades e fazer o trabalho da Igreja. Não é aceitável ficar para trás timidamente por medo da tecnologia ou por qualquer outro motivo, considerando as inúmeras possibilidades positivas oferecidas pela Internet. « Métodos para facilitar a comunicação e o diálogo entre seus próprios membros podem fortalecer os laços de unidade entre eles. O acesso imediato à informação dá à Igreja a possibilidade de aprofundar seu diálogo com o mundo contemporâneo. (…) A Igreja tem uma facilidade melhor para informar o mundo sobre suas crenças e explicar as razões de sua atitude para qualquer problema ou evento em particular. Também pode ouvir mais claramente a voz da opinião pública e estar no centro de um debate contínuo com o mundo, engajando-se mais profundamente na busca comum para resolver os problemas mais urgentes da humanidade.” 42

11. Portanto, ao final dessas reflexões, oferecemos palavras de encorajamento a alguns grupos em particular: aos líderes da igreja, aos pastorais, educadores, pais e, de forma especial, aos jovens.

Aos líderes da Igreja. Os responsáveis pelas diversas esferas da Igreja precisam conhecer as características dos meios de comunicação social para fazer uso adequado deles na elaboração de planos pastorais em geral e referentes ao próprio setor de comunicação. 43 Em muitos aspectos, é necessário treinamento específico para este fim; na verdade, “seria um grande bem para a Igreja se um maior número de pessoas que ocupam cargos e desempenham funções em seu nome fossem treinadas no uso das mídias sociais”. 44

Isso se aplica tanto à Internet quanto à mídia tradicional. Os líderes da Igreja são obrigados a usar “as potencialidades desta ‘era da computação’, a fim de servir a vocação humana e transcendente de cada ser humano, e assim glorificar o Pai, de quem tudo de bom vem”. 45 Eles podem empregar esta tecnologia notável em muitos aspectos diferentes da missão da Igreja, ao mesmo tempo em que aproveitam as oportunidades que oferecem para a cooperação ecumênica e inter-religiosa.

Como vimos, um aspecto especial da Internet diz respeito à proliferação, às vezes confusa, de sites não oficiais que se definem como “católicos”. No que diz respeito ao material de natureza catequética ou especificamente doutrinária, poderia ser útil um sistema de certificação voluntária nos níveis local e nacional sob a supervisão de representantes do Magistério. Não se trata de censura, mas de oferecer aos internautas um guia certo sobre o que a autêntica posição da Igreja expressa.

Aos trabalhadores pastorais. Padres, leigos, religiosos e pastorais leigos devem buscar treinamento na mídia para saber como fazem bom uso das possibilidades de comunicação social sobre as pessoas e a sociedade, de modo a ajudá-los a adquirir um estilo de comunicação que fale das sensibilidades e interesses das pessoas que vivem imersas em uma cultura midiática. Hoje isso claramente exige que eles aprendam a Internet, incluindo como usá-la em seu trabalho. Eles também podem se beneficiar de sites que permitem atualização teológica e pastoral.

Em relação ao pessoal da igreja diretamente envolvido na mídia, não é preciso dizer que eles devem ter formação profissional. Mas também requer formação doutrinária e espiritual, pois “para testemunhar a Cristo é necessário encontrá-lo pessoalmente e cultivar essa relação através da oração, da eucaristia e do sacramento da reconciliação, da leitura e meditação sobre a palavra de Deus, estudando a doutrina cristã e servindo os outros”. 46

Aos educadores e catequistas. A instrução pastoral Communio et progressio fala da “obrigação urgente” das escolas católicas de treinar comunicadores e beneficiários das comunicações sociais nos princípios cristãos relevantes. 47 Esta mesma mensagem foi repetida muitas vezes. Na era da Internet, com seu enorme alcance e impacto, essa necessidade é mais urgente do que nunca.

Universidades católicas, faculdades e escolas, bem como programas educacionais em todos os níveis, devem oferecer cursos para diversos grupos — seminaristas, padres, religiosos ou animadores leigos; (…) professores, pais e alunos”,48— bem como treinamento mais cuidadoso em tecnologia de comunicação, administração, ética e política para pessoas que se preparam para trabalhar profissionalmente na mídia ou para desempenhar funções gerenciais, incluindo aqueles que trabalham para a Igreja em comunicações sociais. Além disso, confiamos os problemas e questões acima mencionados à atenção dos alunos e pesquisadores das disciplinas relevantes nas instituições católicas de ensino superior.

Aos pais. Para o bem de seus filhos, bem como para seus próprios, os pais devem “aprender e colocar em prática sua capacidade de discernimento como espectadores, ouvintes e leitores, dando um exemplo em suas casas de um uso prudente das mídias sociais”. 49 No que diz respeito à Internet, crianças e jovens estão frequentemente mais familiarizados com ela do que seus pais, mas seus pais têm a obrigação séria de orientar e supervisionar seus filhos em seu uso. 50 Se isso envolve aprender mais sobre a Internet do que eles aprenderam até agora, será uma coisa muito positiva.

A supervisão dos pais deve incluir o uso de um filtro tecnológico em computadores acessíveis às crianças, onde economicamente e tecnicamente viável, para protegê-los tanto quanto possível contra pornografia, predadores sexuais e outras ameaças. Não devem ser permitidas exposições não usadas à Internet. Pais e filhos devem discutir juntos o que é visto e experimentado no ciberespaço. Também é útil compartilhar com outras famílias que têm os mesmos valores e preocupações. Aqui, o dever fundamental dos pais é ajudar seus filhos a se tornarem usuários criteriosos e responsáveis da Internet, e não viciados nela, que se afastam do contato com seus pares e com a natureza.

Para crianças e jovens. A Internet é uma porta aberta para um mundo atraente e fascinante, com forte influência formativa; mas nem tudo do outro lado da porta é saudável, saudável e verdadeiro. “Crianças e jovens devem ser introduzidos na formação da mídia, evitando o caminho fácil de pouca passividade crítica, pressão dos pares e exploração comercial.” 51 Os jovens têm consigo mesmos, com seus pais, familiares e amigos, com seus pastores e professores e, finalmente, com Deus, o dever de usar a Internet corretamente.

A Internet disponibiliza aos jovens em uma idade extraordinariamente jovem uma imensa capacidade de fazer o bem ou o mal, para si e para os outros. Pode enriquecer suas vidas além dos sonhos das gerações anteriores, e capacitá-las a, por sua vez, enriquecer a vida dos outros. Também pode arrastá-los para o consumismo, pornografia, fantasias violentas e isolamento patológico.

Os jovens, como tem sido dito repetidamente, são o futuro da sociedade e da Igreja. O uso adequado da Internet pode ajudar a prepará-los para suas responsabilidades em ambos. Mas isso não acontecerá automaticamente. A Internet não é apenas um meio de entretenimento e gratificação do usuário. É um instrumento para fazer um trabalho útil, e os jovens devem aprender a vê-lo e usá-lo assim. No ciberespaço, pelo menos como em qualquer outro lugar, eles podem ser chamados a ir contra a maré, exercer a contracultura e até mesmo sofrer perseguição por serem a favor do verdadeiro e do bem.

12. A todas as pessoas de boa vontade. Por fim, queremos sugerir algumas virtudes que todos que querem fazer bom uso da Internet devem cultivar; sua prática deve ser baseada e guiada por uma avaliação realista de seu conteúdo.

A prudência é necessária para ver claramente as implicações — o potencial para o bem e o mal — desse novo meio e responder criativamente aos seus desafios e oportunidades.

A justiça é necessária, especialmente a justiça, no trabalho de ponte da divisão digital, da separação entre ricos e informações pobres no mundo de hoje. 52 Isso requer um compromisso com o bem comum internacional, bem como com a “globalização da solidariedade”. 53

É preciso força e coragem. Isso envolve defender a verdade contra o relativismo religioso e moral, o altruísmo e a generosidade contra o consumismo individualista e a decência contra a sensualidade e o pecado.

É preciso temperança, autodisciplina diante deste formidável instrumento tecnológico que é a Internet, para usá-la sabiamente e exclusivamente para o bem.

Ao refletirmos na Internet, como em todos os outros meios de comunicação social, lembramos que Cristo é “o a norma e o modelo da Igreja da abordagem da comunicação, bem como o conteúdo que deve comunicar. “Que os católicos engajados no mundo das comunicações sociais preguem dos telhados a verdade de Jesus com muito mais coragem e alegria, para que todos os homens e mulheres possam ouvir sobre o amor que é o centro da auto-comunicação de Deus em Jesus Cristo, o mesmo ontem, hoje e para sempre.” 

AJUDE A MANTER O SITE NO AR !

Nosso site tem uma divida mensal e a cada dia está mais difícil manter o site no ar. Doe qualquer valor e você ira muito ajudar na manutenção e permanência do site no ar ! O seu gesto de amor ajudara muitos catequistas que visitam nosso site

FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR

PIX CHAVE CPF: 16800472808
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

ou

PIX CHAVE EMAIL: [email protected]
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Deus te abençoe !