Quem é o Espírito Santo?

espirito santo e o pentecostes

Santa Teresa chama a nossa alma de castelo interior, de palácio. Naquele castelo, palácio ou templo vive “O doce hóspede da alma”: o Espírito Santo.

Quem é o Espírito Santo? Jesus Cristo o chama de Consolador. O AMOR mora em nossa alma, vive lá permanentemente, veio à nossa alma para ficar. “Não sabeis que sois templos de Deus e que o Espírito Santo habita em vós?” São Paulo disse aos primeiros cristãos.

A sua permanência no castelo deve-se a uma tarefa que deve cumprir, foi-lhe comissionado para fazer de ti um santo ou um santo, um apóstolo. Desde o primeiro momento em que entrou em sua alma, no batismo, ele se dedicou ao trabalho à peça, trabalhou por muitos anos, teve muitas decepções, porque você tem que ver como nos comportamos com ele.

Ele possivelmente sofreu o exílio, quebramos sua obra-prima, como o bad boy que chuta para destruir o castelo que o bom menino constrói na praia. E sobre as ruínas de nós mesmos, ele colocou mais uma vez pedra sobre pedra, com tanta paciência e amor que só porque ele é Deus as tem. Ele não se desespera, ainda mais tem esperanças muito fortes de terminar sua obra-prima com você. Ele sabe que pode mesmo que você não seja mármore de Carrara, ele só precisa de alguma colaboração de sua parte ou pelo menos que você não o impeça.Os

meios: graça santificante, graças atuais, suas inspirações, dons e frutos.

Qual é a sua estratégia? É bem descrito por um hino dedicado ao Espírito Santo. Vou selecionar algumas partes deste hino.

Primeiro: O melhor consolador Consolador

, secando as lágrimas, arrancando os cardos e urtigas do desânimo, da tristeza e da amargura. Um de seus melhores trabalhos -ele sabe fazê-lo muito bem- é reconfortante, felizmente para nós que somos muito chorões e precisamos de algo mais do que lenços de papel para nossos momentos de tristeza. O melhor Dildo, nós já conhecemos. Quando chegarem os momentos mais dolorosos para chorar um pouco, quando a crise nos agarrar pelo pescoço e nos chutar, vá a quem quiser e puder nos confortar.

Podemos dizer que me surpreendo com a realidade mais radiante que nós cristãos vivemos e, portanto, não temos solidão, tristeza, lágrimas. Arranca a pior tristeza, a da separação de Deus, a da infidelidade. Alegrai-vos imensamente por termos sido feitos filhos de Deus, regozijai-vos porque os nossos nomes estão escritos no céu, vivam com alegria contagiante todos os dias, alegria na dor, na doença, alegria nos bons e maus momentos. Espírito Santo, faça-nos apóstolos da alegria, faça-nos viver um cristianismo alegre, que vivamos com ar de ressuscitado, e que façamos os outros viverem assim também.

Segundo: Doce convidado da alma

É um dos títulos mais bonitos. Nenhum convidado indesejado. Quantos convidados com quem não gostaríamos de encontrar, com quem nos voltamos. No caso do Espírito Santo, ele é um hóspede doce, aguardado ansiosamente, acolhido calorosamente, porque traz sempre boas novas, boas dádivas, dádivas; Ele mesmo é o dom por excelência.

Estou feliz por tê-lo sempre comigo, estou entristecendo-o com minha falta de amor, estou pedindo muitos dons espirituais? E o que lhe dou: meu amor, minha fidelidade? Eu escuto suavemente? O hino “Vem, Espírito Criador” é minha saudação matinal, são as manhãs o doce hóspede da minha alma? Eu já as cantei para você? Recordemos a frase de São Paulo; “Vocês não sabem que são templos do Espírito Santo? Ele ora conosco e por nós. Vivo, portanto, na presença do Espírito Santo, desfrutando minuto a minuto de sua companhia mais graciosa, e sua graça é sempre à minha disposição.

Terceiro: lanche doce

Quando o constrangimento piora e a língua seca como um tijolo e o suor encharca a roupa, uma simples coca gelada, um ventilador na hora, uma piscina, resolvem o problema. Mas há outras ondas de calor e calor interior que exigem outro lanche. Quando as paixões se enfurecem, quando o orgulho se agita como um leão ferido, quando a sensualidade com seu lodo venenoso quer manchar o coração e a alma, quando a febre do mundo (prazeres, dolce vita…) o Espírito Santo, para que nos dê seu doce refrigério e devolva as coisas ao seu lugar: O mundo lá e eu aqui.

Quarto: Trégua no trabalho duro

Oferecendo descanso na dura luta da vida. Uma manhã de domingo em casa com as crianças, um dia no escritório em que tudo deu errado, cansa, corrói, desgasta, não raramente produz frustração. Quando alguém está exausto, sobrecarregado de trabalho, problemas e preocupações, simplesmente vá para aquele que está descansando no trabalho, ó Espírito Santo, desperdiçado tantas vezes que gememos sob o peso do trabalho! OH trabalhadores que, tendo a fonte a poucos metros de distância, estão morrendo de sede! Deus é um abismo de amor, uma torrente de felicidade, o êxtase da vida, tê-lo tão perto e morrendo de fome, a fonte a poucos passos e morrendo de sede, a fogueira acendendo ao seu redor e morrendo de frio, amor perto ao coração. Apenas alguns passos tiveram que ser dados. Viva perto da luz e morra no túnel da escuridão.

Quinto: Brisa nas horas de fogo

Sendo frescura em meio ao calor. Um copo de água fria num dia de verão, a sombra de uma árvore no campo queimado, uma brisa fresca, uma fonte fria na estrada poeirenta, quanto são apreciados. Na vida não podemos ficar brigando o tempo todo, somos humanos e precisamos de uma pausa de vez em quando. O Espírito Santo é a água fria, é a sombra, a brisa fresca e nossa fonte de água viva ao longo do caminho da vida.

Sexto: Alegria que enxuga as lágrimas

Confortante na aflição. Sentimos muita falta dele: choramos como criancinhas por qualquer coisa. Chorar equivale a desanimar-se, perder o entusiasmo pela nossa vocação cristã e humana, querer voltar atrás. Para aqueles momentos ruins, em que podemos reagir como crianças caprichosas, vá para quem é o consolo na aflição.

O Espírito Santo é creditado com quase o trabalho de uma mãe. O sofrimento é encontrado na vida de todos. Quando é esperado e quando não é. Padre Maciel dizia: “Alguns de um jeito e outros de outro, todos eles carregam sua provação e vão por este caminho que o pecado original meditou. Lágrimas e sofrimentos se aninham no ser humano, no homem como homem, muito escondidos e vão embora quando não aguentam mais”. Por isso precisamos da presença do Espírito Santo”.

Mais tarde, o hino a que nos referimos acrescenta uma série de petições ao Espírito Santo.

Sétimo: Lave o que está manchado

Lava o que está manchado: minha alma cheia de rugas, meu coração manchado de afetos desordenados, meu pequeno mundo cheio de coisas humanas, terra, lama; minha mente e meus sentidos às vezes tão vazios de Deus e tão cheios de minhas paixões desordenadas. Lave acima de tudo a consciência de todo pecado e imperfeição, das manchas do mundo, das manchas das paixões, da lama dos maus pensamentos. Lavar e purificar nossa intenção em ação, que às vezes é manchada de hobbies negros: egoísmo, vaidade, respeito humano são manchas gordurosas que exigem um alvejante eficaz. Precisamos de você para limpar nossas virtudes.

Oitavo: Regue o deserto da alma

Somos a raiz da terra árida, uma árvore que cresce na estepe. Você já viu as árvores que crescem nas margens dos rios? Que diferenca! Estão sempre verdes. O poeta Antonio Machado disse estas belas palavras: “O velho olmo, fendido por um raio e apodrecido ao meio, com as chuvas de abril e o sol de maio, saíram algumas folhas verdes”

. fizeste florescer o deserto do Sinai. Tu podes, Espírito Santo, fazer florescer meu deserto, essa estepe em que mal crescem os cardos e as estevas. E então crescerão as virtudes, as boas obras crescerão em minha alma.

Nono: Cura o coração doente

Doutor de todas as doenças, médico das doenças que tive e que agora sofro, médico em casa.

Senhor, se quiseres, podes curar-me de lepra, câncer, AIDS, gangrena, paralisia espiritual, febre reumática, escorbuto. Qual é a minha doença? Ouçamos imediatamente a frase de comando: Levante-se e vá! Médico das almas, que conhece a doença e a medicina, qual é a minha doença e a minha doença? Diga-me!… E dê o remédio que Tu conheces e às vezes não quero aceitar; Cure-me antes que a doença me cause a morte, cure as feridas que meu orgulho, sensualidade e egoísmo me abrem diariamente, as feridas dos meus pecados antigos e os meus pecados hoje.

Décima: Dome o espírito indomável

Dobre meu orgulho, suavize minha cabeça dura e meu coração duro; se for de pedra, faça-o de carne; me faça baixar a cabeça antes da obediência e dê o braço para torcer. Faça-me duro comigo mesmo, que não aceite preguiça, meias medidas, hipocrisia, mas faça-me mole com os outros, como um pedaço de pão que dá de comer a todos os que cruzarem o meu caminho; fazei de mim, Senhor, um instrumento de paz, como vos pediu Francisco de Assis: “Onde há ódio, coloco o teu amor, onde há insultos, o perdão”.

Onze: Aquecer o frio

Às vezes somos icebergs flutuantes, corações na geladeira, que nos derretem com as grandes motivações do amor de Cristo, o zelo pela salvação das almas, a vocação para a missão. Peço-vos um amor apaixonado, uma paixão pela missão.

Doze: Endireitar o que está torto

Quantos critérios na minha vida são tortos? Corrija-os Corrija os maus hábitos, por exemplo, o hábito de pensar errado, o hábito arraigado de fofocar dos meus irmãos, o terrível hábito da ociosidade, de não fazer nada, o hábito que mata a oração, a rotina, o hábito da preguiça, o hábito que diminui minha força com pusilanimidade, timidez. Quero deixar-te o leme da minha vida, do meu barco, e quero remar com toda a força dos meus braços.

Para concluir, vamos rever os deveres que temos com este ilustre hóspede: Antes de tudo, levá-lo em consideração, ouvi-lo, não deixá-lo sozinho, ignorado, abandonado. Porque abandonamos o amor.

Segundo: Gratidão: devemos muito a ele. A ingratidão é um cardo que cresce nos corações, mas sobretudo nos corações dos cristãos, pelo simples facto de terem recebido demasiadas coisas de Deus.

Em terceiro lugar: Amor. Deveria ser fácil amar o AMOR, apaixonar-se por aquele que ama cada um de nós infinitamente. Antes de nos pedir para amá-lo com todo o nosso coração, com toda a nossa alma, com toda a nossa mente e com todas as nossas forças, antes que Ele nos dissesse: “Eu te amei com um amor eterno”.

Quarto: Docilidade e colaboração. Para sermos santos devemos nos deixar guiar e obedecer ao capitão do navio.

Em quinto lugar: pelo menos para não atrapalhar, deixe-o trabalhar em nós. “Hoje, se você ouvir a voz dele, não endureça seus corações.”

O HINO AO ESPÍRITO SANTO.

Vem Espírito Criador,
visita as almas dos teus fiéis,
Cheios de graça celestial
Os seios que criaste.

Eles te chamam Paráclito,
Dom de Deus Altíssimo,
Fonte Viva, fogo, amor
e unção espiritual.

Tu, dom setenário,
Dedo da mão direita do Pai,
Por] O prometido aos homens
Com palavras solenes.

Acenda a luz aos sentidos
Infunda amor nos corações,
E as fraquezas do nosso corpo
Transforme-as em força firme.

Mande embora o inimigo,
E nos dê paz incessantemente,
Para que com sua orientação
evitemos todo o mal.

Faça-nos conhecer o Pai,
Faça-nos conhecer o Filho
E a Ti, Espírito de ambos,
Vamos crer em todos os momentos.

Glória a Deus Pai, E ao Filho, Ressuscitado
dos mortos , e ao Paráclito, para todo o sempre. Um homem.

Histórinhas para Catequese!

Faça uma doação de qualquer valor e tenha acesso ao site missacomcriancas.com.br . São centenas de historinhas para teatros que podem ser usadas na missa ou encontros de catequese.

DOAR PELO MERCADO PAGO - VALOR R$ 10,00 : Clique aqui

DOAR PELO MERCADO PAGO - VALOR R$ 20,00 : Clique aqui

DOAR PELO MERCADO PAGO - VALOR R$ 50,00 : Clique aqui

Ou FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR

PIX CHAVE CPF: 16800472808
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Para ter o acesso só me chamar no WhatsApp 19 987634283
Deus te abençoe !