Os riscos de usar água benta para superstições

agua benta
Material para catequese
Material para catequese

Ainda é comum ver na entrada das igrejas ou na saída das sacristias, principalmente nos templos antigos, uma pia de água benta onde os fiéis molhavam um dedo e traçavam com ele uma cruz na testa. Ao fazê-lo, até poucos anos atrás, as pessoas costumavam dizer: “Que esta água benta seja para mim saúde e vida.”

No entanto, hoje em dia é muito fácil desviar uma devoção legítima e transformá-la em um ato de superstição ou magia que, claro, ofende a Deus. E é que alguns fiéis vão às igrejas em busca de água benta em grandes quantidades, porque acreditam que é necessário banhar-se literalmente nela para se sentirem abençoados ou purificados, ou exigem que o padre “pulverize boa água benta” no final da missa por considerarem que não caíram o suficiente.

Há também “bruxas” que costumam pedir “água benta de sete igrejas de homens santos” e tem que ser justamente de templos dedicados à memória de algum homem santo, e não de algum santo ou da Virgem Maria. Isso é pura feitiçaria e seria ridículo se não fosse trágico para as pessoas que se apaixonam por ela.

O Catecismo da Igreja Católica ensina que, quando o padre benze a água, ele a transforma em um “sacramental”, ou seja, “em um sinal sagrado criado pela Igreja imitando de alguma forma os Sacramentos para expressar efeitos, sobretudo espirituais, obtido pela intercessão da Igreja. Por meio deles, os homens se preparam para receber o efeito principal dos Sacramentos e são santificadas as diversas circunstâncias da vida” *CEC nº 1667).

Por exemplo, o uso da água benta na bênção de um objeto de piedade nos faz descobrir que a estamos usando para aumentar nossa devoção cristã; a aspersão de água benta em algum lugar é acompanhada de orações em favor daqueles que ali vivem ou trabalham; a aspersão de outros objetos, como instrumentos de trabalho, também é uma súplica a Deus para que as atividades pessoais sejam realizadas corretamente.

Ao falar de “água benta”, devemos explicar também que a fonte e a origem de toda bênção é o próprio Deus, que fez todas as coisas boas para enchê-las de suas bênçãos e continuar a abençoá-las como sinal de sua misericórdia.

Deus nos concede que possamos bendizer seu nome em louvor e, em seu próprio nome, possamos encher as realidades de nossas vidas com as bênçãos divinas. Com o rito da bênção manifestamos a intenção de querer usar as coisas criadas para louvar a Deus e poder servir melhor aos nossos semelhantes. O uso correto da água benta é, portanto, responsabilidade de todo o povo de Deus.

Por: Alejandro Feregrino