Eu sou o pão que desceu do céu!

Deus em oferecer aos homens o “pão” da vida plena e definitiva Somos discípulos do Deus que se revela em Jesus.

Eu sou o pão que desceu do céu! O pão da vida

A liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum dá-nos conta, uma vez mais, da preocupação de Deus em oferecer aos homens o “pão” da vida plena e definitiva. Por outro lado, convida os homens a prescindirem do orgulho e da auto-suficiência e a acolherem, com reconhecimento e gratidão, os dons de Deus.

Neste domingo, no Brasil, rezamos por todos os nossos pais para que sejam homens fortalecidos por Deus para educar e conduzir seus filhos. Rezamos por todos os pais que estão desempregados, enfermos e pelos que estão nos cárceres, privados de suas famílias. Confiamos nas mãos do Senhor os pais, como o meu, que já estão na glória de Deus.

A primeira leitura(1Rs 19,4-8) mostra como Deus Se preocupa em oferecer aos seus filhos o alimento que dá vida. No “pão cozido sobre pedras quentes” e na “bilha de água” com que Deus retempera as forças do profeta Elias, manifesta-se o Deus da bondade e do amor, cheio de solicitude para com os seus filhos, que anima os seus profetas e lhes dá a força para testemunhar, mesmo nos momentos de dificuldade e de desânimo.

O profeta desanima-se ao longo de seu caminho com as constantes perseguições. A dor e o desafio, em sua jornada, parecem triunfar sobre ele. Deus, no entanto, prepara-lhe um tempo e ânimos novos.

Agora, com a força da Palavra de Deus e do pão, poderá prosseguir. Com Elias, aprendemos que, estando ao lado do Senhor, o caminho difícil torna-se uma estrada de paz, esperança e segurança. A missão confiada por Deus nunca vem sem o seu auxílio e a sua proteção.

O Evangelho (Jo 6,41-51) apresenta Jesus como o “pão” vivo que desceu do céu para dar a vida ao mundo. Para que esse “pão” sacie definitivamente a fome de vida que reside no coração de cada homem ou mulher, é preciso “acreditar’, isto é, aderir a Jesus, acolher as suas propostas, aceitar o seu projeto, segui-l’O no “sim” a Deus e no amor aos irmãos.

São João, no seu longo e belo discurso sobre o Pão da vida, Jesus afirma sua identidade e intimidade com o Pai. A sua ação no mundo enfrenta a incredulidade de seus oponentes e, também, o desânimo até daqueles que o seguem. Ele, contudo, segue anunciando sua mensagem de vida e testemunhando com palavras e ações a presença de Deus no meio da humanidade. Recorda o antigo maná e apresenta o novo pão que é a sua “carne dada para a vida do mundo”(Jo 6,51).

A segunda leitura (Ef 4,30-5,2) mostra-nos as consequências da adesão a Jesus, o “pão” da vida… Quando alguém acolhe Jesus como o “pão” que desceu do céu, torna-se um Homem Novo, que renuncia à vida velha do egoísmo e do pecado e que passa a viver no caridade, a exemplo de Cristo.

A leitura nos convida a abrir espaço para que o Espírito de Deus aja em nós. Ele nos ajuda a eliminar em nós tudo o que nos impede de viver como fiéis seguidores do Mestre.

 Sufocamos o Espírito quando damos liberdade aos vícios, que atrapalham a vivência comunitária. Se somos discípulos de Cristo, cabe-nos atender ao chamado para viver como ele viveu: amando e perdoando.

Se conhecer Jesus é ser “discípulo de Deus”, assimilar a vida que ele oferece ao mundo permanece um desafio. A comunhão da qual participamos na Eucaristia é o momento central de nossa missão, pois manifesta nossa identidade e um compromisso fundamental. Somos discípulos do Deus que se revela em Jesus.

 Nós o vamos conhecendo, dele vamos aprendendo e com ele vamos assumindo o compromisso de saciar a fome do mundo. Fome de pão, de vida mais digna; fome de atenção, de carinho e de amor.

Relembremos uma importante catequese do Papa Francisco sobre a importância do papel dos pais: “A primeira necessidade é essa: que o pai seja presente na família, próximo à mulher para partilhar tudo e que seja próximo aos filhos no seu crescimento (…) Pai presente sempre”.

O Pontífice ressaltou, porém, que “presente” não é o mesmo que ser “controlador”, porque os pais muito controladores acabam anulando os filhos, não os deixam crescer. Francisco mencionou ainda a parábola do filho pródigo, também conhecida como a parábola do pai misericordioso. Ele destacou a dignidade e a ternura do pai que está esperando o retorno do filho. “Os pais devem ser pacientes.

Tantas vezes não há nada a fazer que não esperar: rezar e esperar”. Segundo Francisco, um bom pai sabe esperar e perdoar do fundo do coração, mas também sabe corrigir com firmeza quando é preciso. E acrescentou que, sem a graça do Pai, os pais perdem a coragem.

Os filhos precisam de um pai à espera quando retornam de alguma situação de insucesso. “A Igreja é empenhada em apoiar a presença dos pais nas famílias, porque eles são protetores da fé na bondade, na justiça e na proteção de Deus, como São José”.( Papa explica a importância do pai na família (cancaonova.com), último acesso em 31-07-2021).

Confio a Deus todos os pais que não tiveram medo de ter muitos filhos e educa-los na fé católica. Precisamos de pais e casais que não tenham medo de ter filhos.

Peço que do céu os pais falecidos continuem intercedendo por nós, seus filhos, que ainda peregrinamos neste vale de lágrimas. Parabéns a todos os pais e recebam a minha bênção!

+ Eurico dos Santos Veloso

Arcebispo Emérito de Juiz de Fora, MG

AJUDE A MANTER O SITE NO AR !

Nosso site tem uma divida mensal e a cada dia está mais difícil manter o site no ar. Doe qualquer valor e você ira muito ajudar na manutenção e permanência do site no ar ! O seu gesto de amor ajudara muitos catequistas que visitam nosso site

FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR

PIX CHAVE CPF: 16800472808
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

ou

PIX CHAVE EMAIL: [email protected]
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Deus te abençoe !