Dinheiro e felicidade

felicidade não se compra comdinheiro mas se é feliz amando

Quando comecei a falar sobre finanças com um sentido transcendente nas minhas aulas em uma escola de negócios, comecei a questionar muito seriamente quais despesas eram realmente boas e quais eram ruins.

Comecei a criar uma lista de despesas “boas e ruins”. Algum tempo depois, percebi que não posso rotular as despesas como “boas ou más”, pois como Jesus diz na escritura “Só Deus é bom” e só ele teria o poder de dizer quais ações podem ser classificadas como boas ou más. No entanto, ainda queria ser capaz de transmitir que existem maneiras de usar o dinheiro que são melhores do que outras, ou melhor, que contribuem em maior grau para a felicidade.

Foi aqui que encontrei o ponto-chave da minha reflexão. A forma como usamos o dinheiro pode contribuir para minha felicidade (na vida presente e na vida eterna) ou pode ser um obstáculo para ela. No mundo atual, muitas pessoas acreditam que a felicidade é diretamente proporcional ao dinheiro e embora se diga que o dinheiro “não compra felicidade”, a realidade é que passamos a vida procurando dinheiro e acreditamos que as vidas mais felizes são as daqueles quem Eles têm muito dinheiro.

Por um lado, encontramos pessoas extremamente ricas (a maior parte do show business) que morrem de overdose de drogas ou se suicidam porque não encontram sentido em sua vida terrena. Por outro lado, vemos irmãos lutando na miséria, sofrendo por falta do básico e nos perguntamos se pode haver verdadeira felicidade em tal situação.

Em primeiro lugar, devemos dizer que Deus não quer a pobreza material e exorta todos nós a ajudar nossos irmãos necessitados a sair dela, mas também não quer desperdício e superficialidade. Então, onde estamos neste ponto? Como posso saber se a forma como uso o dinheiro me deixa feliz? Em primeiro lugar, de acordo com um artigo de Francisco Ugarte publicado na revista Itsmo, existem três níveis diferentes de felicidade. O mais básico é o prazer e isso com certeza pode ser adquirido com dinheiro, mas este é o nível mais baixo, o segundo assento é a alegria e tem mais a ver com experiências. Para isso, o dinheiro não chega, mas também ajuda.Um dos problemas que os pais vivenciamos hoje é que gastamos mais com as coisas para os nossos filhos do que com as experiências com eles, o que, no fundo, constitui uma herança emocional que lhes dá mais chances de sucesso na vida do que um simples patrimônio material. Um terceiro nível de felicidade tem a ver com transcendência e também aí o dinheiro pode ajudar, mas não pode comprar esse nível de felicidade.

Muito bem. Já sei que posso usar o dinheiro à procura apenas de prazer, de alegria ou de transcendência, mas como faço para distinguir quando o seu uso contribui realmente para a minha felicidade. A resposta é oferecida por Tomas Melendo na seguinte frase “A felicidade é direta e exclusivamente proporcional ao amor real de cada pessoa … quem não ama, mesmo que tenha sucesso em outras áreas da vida, é infeliz.”

Portanto, se eu usar o meu dinheiro com amor comigo mesmo e com os outros, isso me levará à felicidade , mas com amor verdadeiro, pois apenas me dar prazer não é a maneira de realmente me dar amor com o uso do dinheiro.

Com isso em mente, podemos portanto dizer que ajudar um necessitado constitui um ato de amor e, portanto, uma forma de fazer um gasto que contribui para a minha felicidade, como é comprar uma peça pensando no benefício de quem a fabrica e vende. e não apenas no benefício de usá-lo ou possuí-lo. É uma despesa que contribui para a minha felicidade, investindo na minha formação para ser uma pessoa melhor, em aproveitar o tempo com a minha família, etc. Não contribui para a minha verdadeira felicidade gastar dinheiro em coisas que prejudicam a minha saúde (como álcool em excesso), drogas, etc.

Não aumenta minha verdadeira felicidade comprar coisas supérfluas apenas para me exibir ou tentar humilhar os outros. Claro que isso não pode ser absoluto. Uma mulher que compra um cosmético para se sentir melhor e melhorar sua autoestima pode estar gastando que contribui para sua felicidade e o mesmo cosmético usado para se exibir pode ser algo que não contribui para a verdadeira felicidade. Como você pode ver, isso não pode ser absoluto e é por isso que com toda a sabedoria Jesus diz “Não julgue e você não será julgado” e como só Deus conhece as intenções de cada pessoa, é só ele e a pessoa que sabe se essa despesa realmente contribui para sua verdadeira felicidade ou não.

Por esta razão, este artigo não pretende ser exaustivo nem pode nos dar uma lista de despesas que sustentam a verdadeira felicidade (isso só você e Deus sabe), mas finge que você pode tomar consciência de que será mais ou menos feliz dependendo da forma como você usa seu dinheiro e da intenção com que você faz cada uma de suas despesas.

Um ponto interessante aqui é o valor da privação. Estamos cada vez menos dispostos a fazer sacrifícios e nos abster de coisas. Muitos zombam do jejum cristão e o vêem como algo do século passado. No entanto, tem uma razão de estar além do domínio de nosso espírito. É o que se pode chamar de razão econômica: abster-se de coisas torna um bem escasso para você e, portanto, de acordo com um princípio básico da economia, um bem valioso, isto é, se eu me der todos os gostos que quero no final, algo que eu gostei muito acaba não me dando prazer. É por isso que São João da Cruz disse que “Para ter prazer em tudo não é necessário ter prazer em nada.” Ou seja, se você quiser ter mais felicidade no uso do seu dinheiro,
 

A felicidade não se compra com dinheiro, mas o dinheiro usado apropriadamente paga pela felicidade na terra e na vida eterna. E se você tem dúvidas se a maneira como você gasta ajuda na sua verdadeira felicidade, convido-o a refletir sobre as seguintes questões:
Fazer esse gasto me faz sentir bem por um momento e depois me deixa vazio ou me sentindo culpado?

Fazer esse gasto não me entristece na mesma proporção que faria alguém que precisa mais do que eu feliz? Para entender melhor esta questão, se eu parar de comprar um relógio de luxo, o sofrimento que acontece por não tê-lo provavelmente não será comparado com a alegria que poderia ser para uma pessoa pobre ter a mesma quantidade de dinheiro para satisfazer sua necessidade ou a quantidade de pessoas que podem
ajudar.Depois de ter este objeto, a felicidade que ele provoca passará rapidamente por mim e estarei procurando outro objeto novamente?

Gastar com isso ajudará meus filhos, minha esposa, meus familiares ou eu a ser uma pessoa melhor ou a ser realmente melhor e não apenas feliz por um tempo?

Se Jesus estivesse olhando para mim, Ele aprovaria meus gastos? Se Jesus estivesse na minha situação (ele era um pai ou mãe, cônjuge empregador, filho, etc.), ele faria essa despesa?

Carlos Alberto Ramirez Linares

AJUDE A MANTER O SITE NO AR !

Nosso site tem uma divida mensal e a cada dia está mais difícil manter o site no ar. Doe qualquer valor e você ira muito ajudar na manutenção e permanência do site no ar ! O seu gesto de amor ajudara muitos catequistas que visitam nosso site

FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR

PIX CHAVE CPF: 16800472808
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

ou

PIX CHAVE EMAIL: [email protected]
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Deus te abençoe !