Verdadeiramente, tu és o filho de Deus

Jesus anda sobre a agua do mar e segura na mão de Pedro para não afundar
aqui

Celebramos neste domingo o décimo nono desse tempo comum, após. A cor litúrgica verde desse tempo comum nos indica a esperança da chegada do Reino de Deus e que, cada um de nós, pode fazer acontecê-lo agora. O mundo pode começar a melhorar a partir de nossas atitudes, amando o nosso semelhante, praticando a justiça e a verdade e exercendo a caridade. São as nossas atitudes que mudam o ambiente em que vivemos.

O cristão católico não é aquele que fica esperando as coisas acontecerem ou melhorarem, mas é, antes de tudo, aquela pessoa que, com suas atitudes, busca transformar o mundo. O cristão católico é aquele que deve ser exemplo para os outros, sobretudo no cumprimento dos preceitos, como, por exemplo, participando da missa aos domingos. O cristão católico deve ser exemplo para a sua família, inclusive participando com a família da missa aos domingos.

A liturgia deste domingo nos convida a ter fé em Deus. Os momentos difíceis não são para sempre, eles passam, e, se termos fé e acreditarmos, tudo melhora. Não tenhamos medo de enfrentar as adversidades da vida, pois cada vez que passamos por um momento difícil, nos sentimos mais fortes. Lembremos sempre, também, de pedir e agradecer, pois, Deus sempre está conosco.

Neste domingo recordamos do Dia dos Pais. Todas as homenagens que fizermos nesse dia serão muito pouco, pelo muito que nossos pais fizeram por nós. Procure, nesse dia, estar com o seu pai, agradecê-lo por cuidar de você. Se não puder estar com ele, faça um telefonema ou faça uma videochamada para saudá-los. Se o seu pai já é falecido, reze a Deus por ele, colocando o nome dele nas intenções da Santa Missa. São aqueles que, como José, cuidam do filho de Deus.

A primeira leitura desse domingo é do primeiro livro dos Reis (1Rs 19,9a.13a). Observamos nessa leitura o poder da fé do profeta Elias. O Senhor fala com ele para se colocar a entrada da gruta, que Ele iria passar. Primeiro, vem um vento forte. Depois, um terremoto e, por fim, o fogo. O Senhor não estava em nenhum desses fenômenos. O Senhor não faz barulho para falar conosco, mas Ele fala conosco no silêncio. Elias sentiu uma leve brisa.

O profeta cobriu o rosto com um manto, saiu e pôs-se a entrada da gruta. O profeta teve a certeza de que o Senhor viria na brisa leve, pois Ele é assim, enquanto o mundo está um caos, Deus surge para tranquilizar tudo e Ele nos tira das turbulências do mundo e pede para confiarmos N’Ele sempre.

O salmo responsorial é o 84(85), que diz em seu refrão: “Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade e a vossa salvação nos concedei”. Nesse refrão, o salmista pede ao Senhor, com fé, que Ele mostre a sua bondade, o livre dos momentos turbulentos e o conceda a salvação. O Senhor tem o desejo de salvar todos nós. Cabe a cada um abrir-se à salvação que vem de Deus.

A segunda leitura desse domingo é da carta de São Paulo aos Romanos (Rm 9,1-5). Paulo afirma à comunidade romana que ele não está mentindo, mas que está dizendo a verdade, baseando-se em sua fé em Cristo, no testemunho do Espírito Santo e de sua própria consciência. Ele sente uma tristeza muito grande, sobretudo pelos israelitas, ou seja, os de sua raça, que não aceitam a pregação do Evangelho. Confiemos sempre no Senhor e peçamos a iluminação do Espírito Santo.

O Evangelho desse domingo é de Mateus (Mt 14,22-33). Após o episódio da multiplicação dos pães, Jesus pede aos discípulos para que entrassem na barca e seguissem a sua frente para o outro lado do mar, enquanto Ele se despedia das multidões.

Depois de se despedir da multidão, Jesus sobe ao monte para Orar. Jesus sempre fazia isso antes ou depois de realizar uma missão. O monte é o lugar do encontro do Senhor — o monte está mais próximo do céu. Observamos na primeira de leitura de hoje que Elias subiu ao monte atendendo ao chamado do Senhor para falar com Ele.

Jesus permaneceu até a noite no monte. Enquanto isso, os discípulos estavam na barca no meio do mar. De repente, as ondas começaram a agitar o barco, pois o vento era contrário. Pelas três horas da manhã, Jesus foi até os discípulos caminhando sobre a água. Os discípulos ficaram apavorados pensando que fosse um fantasma. Jesus grita com Eles e diz: “Coragem”, “Sou Eu”, Não Tenhais Medo! (Mt 14,27).

Simão Pedro, como o líder do grupo dos apóstolos, diz a Jesus: “Senhor, se és tu, manda-me ir ao teu encontro caminhando sobre a água”! E Jesus responde: “Vem”. Pedro imediatamente desce da barca e começa a andar indo ao encontro de Jesus. Mas, quando sentiu um vento mais forte, começou a afundar e grita a Jesus: “Senhor, salva-me” (Mt 14, 30).

Jesus segura Pedro pela mão e lhe diz: “Homem fraco na fé, por que duvidaste? (Mt 14,31). Logo que subiram no barco, o vento se acalmou e os outros discípulos que haviam ficado no barco diziam: “Verdadeiramente, tu és o filho de Deus” (Mt 14, 33).

A liturgia de hoje aborda o poder da fé. O Evangelho de hoje retrata justamente isso. Do mesmo modo que aconteceu com Pedro, o Senhor nos toma pela mão e nos levanta quando titubeamos na fé.

Algumas vezes aquilo que pedimos ao Senhor pode demorar um pouco para acontecer, pois o tempo D’Ele não é o mesmo nosso. Mas se esperarmos com fé e confiança, a graça acontecerá.

Algumas vezes podemos nos sentir como esse barco, em meio ao mar, sendo agitado pelas ondas. Nos sentiremos desesperados, mas confiemos em Deus, que se manifesta na calmaria e que tranquilizará as ondas do mar.

O mar significa as turbulências da vida, que quer afundar o barco que somos nós e, nesse momento, devemos ter fé e confiar em Deus, que esse momento de turbulência será passageiro.

Mais do que nunca, neste domingo dos pais, é dia de Santa Missa e dia de confraternização em nossas famílias. O dom da paternidade é graça de transmissão da vida e da fé católica! Iniciamos também a Semana Nacional da Família como tema “Família fonte de vocações”.

Procure se informar e participe em sua comunidade. Celebremos com alegria e cheios de fé este 19º Domingo do Tempo Comum e deixemos no passado, aquilo que aconteceu no passado e olhemos para frente, e vivamos o presente, que é o que importa. Amém.

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.

Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ)