Transmita a fé (Parte 1)

mae e filha rezando transmitir a fé aos filhos
aqui

Cada filho é sinal da confiança de Deus para com os pais, que lhes confia o cuidado e a orientação de uma criatura chamada à felicidade eterna. A fé é o melhor legado que pode ser passado para eles; além disso: é a única coisa verdadeiramente importante, pois é o que dá sentido último à existência. Além disso, Deus nunca comissiona uma missão sem dar os meios necessários para realizá-la; e, portanto, nenhuma comunidade humana é tão bem dotada como a família para permitir que a fé crie raízes nos corações.

Testemunho pessoal

A educação da fé não é um mero ensino, mas a transmissão de uma mensagem de vida. Embora a palavra de Deus seja eficaz em si mesma, para difundi-la o Senhor quis usar o testemunho e a mediação dos homens: o Evangelho convence quando está encarnado.

Isso é particularmente verdadeiro quando nos referimos a crianças, que têm dificuldade em distinguir entre o que está sendo dito e quem está dizendo; y adquiere aún más fuerza cuando pensamos en los propios hijos, pues no diferencian claramente entre la madre o el padre que reza y la oración misma: más aún, la oración tiene valor especial, es amable y significativa, porque quien reza es su madre o seu pai.

Isso significa que os pais têm tudo a seu favor para comunicar a fé aos filhos: o que Deus espera deles, mais do que palavras, é que sejam piedosos, coerentes. Seu testemunho pessoal deve estar presente diante das crianças em todos os momentos, naturalmente, sem tentar dar aulas constantemente.

Às vezes, é suficiente que os filhos vejam a alegria dos pais quando se confessam, para que sua fé se fortaleça em seus corações. O discernimento das crianças não pode ser subestimado, mesmo que pareçam ingênuas: na verdade, elas conhecem seus pais, no bem e no menos bom, e tudo o que fazem – ou omitem – é para elas uma mensagem que ajuda a moldar ou formá-los, isso os deforma.

Bento XVI explicou muitas vezes que mudanças profundas nas instituições e nas pessoas geralmente são promovidas pelos santos, não por aqueles que são mais sábios ou mais poderosos: “Nas vicissitudes da história, [os santos] foram os verdadeiros reformadores que tantas vezes eles levantaram a humanidade dos vales escuros para os quais está sempre em perigo de precipitar; sempre o iluminaram de novo »[1].

Algo semelhante acontece na família. Sem dúvida, é preciso pensar na forma mais pedagógica de transmitir a fé e formar para ser bons educadores; mas o decisivo é a determinação dos pais de quererem ser santos. É a santidade pessoal que permitirá o sucesso da melhor pedagogia.

“Em todos os ambientes cristãos se sabe, por experiência, que bons resultados dá esta iniciação natural e sobrenatural à vida de piedade, feita no calor do lar. A criança aprende a colocar o Senhor na linha dos primeiros e afetos mais fundamentais; aprende a tratar Deus como Pai e a Virgem como Mãe; aprende a rezar, seguindo o exemplo de seus pais. Quando isso é compreendido, se vê a grande tarefa apostólica que os pais podem cumprir e como são obrigados a ser sinceramente piedosos, para transmitir – mais do que ensinar – essa piedade aos filhos »[2].

Ambiente de confiança e amizade

Por outro lado, vemos que muitos meninos e meninas –especialmente na juventude e na adolescência– acabam enfraquecendo a fé que receberam ao passar por algum tipo de prova. A origem dessas crises pode ser muito diversa – a pressão de um ambiente paganizado, amigos que ridicularizam as convicções religiosas, um professor que dá aulas de uma perspectiva ateísta ou que coloca Deus entre parênteses – mas essas crises só ganham força quando quem sofre eles falham em dizer às pessoas certas o que está acontecendo com eles.

É importante facilitar a confiança dos filhos, e que eles sempre encontrem os pais disponíveis para dedicar tempo a eles. Os meninos – mesmo aqueles que parecem os mais indisciplinados e distantes – sempre desejam aquela proximidade, aquela fraternidade com seus pais. A chave costuma ser a confiança: que os pais saibam educar em um clima de familiaridade, que nunca dêem a impressão de desconfiar, que dêem a liberdade e que ensinem a administrá-la com responsabilidade pessoal. É preferível que se deixem enganar em algum momento: a confiança que se deposita nos filhos os envergonha de ter abusado, e eles se corrigem; Por outro lado, se não tiverem liberdade, se virem que não são confiáveis, se sentirão movidos a enganar [3]. Não espere até a adolescência para colocar em prática essas dicas: pode ser promovido desde muito cedo.

Falar com as crianças é uma das coisas mais agradáveis ​​que existem e a porta mais direta para estabelecer uma amizade profunda com elas. Quando uma pessoa ganha a confiança de outra, uma ponte de satisfação mútua é estabelecida, e eles raramente perderão a oportunidade de falar sobre suas preocupações e sentimentos; que é, por outro lado, uma forma de se conhecer melhor. Embora existam idades mais difíceis do que outras de conseguir essa proximidade, os pais não devem desistir da ilusão de se tornarem amigos dos filhos: amigos a quem são confiadas preocupações, a quem se consultam os problemas, a quem se espera uma ajuda eficaz e amável. [4].

Nesse clima de amizade, as crianças ouvem sobre Deus de maneira agradável e atraente. Tudo isso exige que os pais encontrem tempo para ficar com os filhos, tempo que seja de “qualidade”: a criança deve perceber que suas coisas nos interessam mais do que o resto de nossas ocupações. Isso implica ações concretas, cujas circunstâncias não podem nos levar a omitir ou atrasar repetidas vezes: desligar a televisão ou o computador – ou claramente deixar de prestar atenção nisso – quando a menina ou o menino nos pede e mostra que eles querem falar; reduzir a dedicação ao trabalho; procure formas de recreação e entretenimento que facilitem a conversa e a vida familiar, etc.

O mistério da liberdade

Quando a liberdade pessoal está envolvida, as pessoas nem sempre fazem o que é melhor para elas, ou o que pareceria previsível em virtude dos meios que colocamos em prática. Às vezes as coisas são bem feitas, mas dão errado – pelo menos, aparentemente – e é inútil culpar – ou culpar os outros – por esses resultados.

O mais sensato é pensar em como educar cada vez melhor e como ajudar os outros a fazer o mesmo; não existem fórmulas mágicas nesta área. Cada um tem seu jeito de ser, o que os leva a explicar e colocar as coisas de uma maneira diferente; E o mesmo pode ser dito de alunos que, embora vivam em um ambiente semelhante, têm interesses e sensibilidades diversos.

Essa variedade não é, no entanto, um obstáculo. Além disso, amplia os horizontes educacionais: por um lado, permite que a educação se enquadre, realmente, em uma relação única, livre de estereótipos; de outro, a relação com os temperamentos e o caráter das diversas crianças favorece a pluralidade das situações educacionais.

Por isso, embora o caminho da fé seja o mais pessoal que existe – porque se refere à parte mais íntima da pessoa, a sua relação com Deus -, podemos ajudar a percorrê-lo: isso é a educação. Se considerarmos lentamente em nossa oração pessoal o jeito de ser de cada pessoa, Deus nos dará luzes para estarmos certos.

Transmitir a fé não é tanto uma questão de estratégia ou programação, mas de tornar mais fácil para cada um descobrir o projeto de Deus para a sua vida. Ajude-o a ver por si mesmo o que ele deve melhorar e de que maneira, porque nós mesmos não mudamos ninguém: eles mudam porque querem.

Diversas áreas de atenção

Podem ser destacados vários aspectos que são de grande importância na transmissão da fé.

O primeiro talvez seja a vida de piedade em família, a proximidade de Deus na oração e nos sacramentos. Quando os pais não o “escondem” – às vezes involuntariamente – essa relação com Deus se manifesta em ações que a tornam presente na família, de forma natural e que respeita a autonomia dos filhos. Abençoar a mesa, orar orações matinais ou noturnas com crianças pequenas, ou ensiná-las a recorrer aos Anjos da Guarda ou a ter detalhes de afeto pela Virgem, são formas concretas de promover a virtude da piedade nas crianças, tantas vezes dando-lhes recursos que os acompanharão ao longo de suas vidas.

Outro meio é a doutrina: uma piedade sem doutrina é muito vulnerável ao assédio intelectual que as crianças sofrem ou irão sofrer ao longo da vida; eles precisam de um treinamento apologético profundo e, ao mesmo tempo, prático.

Logicamente, também neste campo é importante saber respeitar as peculiaridades de cada idade . Muitas vezes, falar de um assunto atual ou de um livro pode ser uma oportunidade de ensinar a doutrina aos filhos mais velhos (isto, quando não são eles que nos procuram para perguntar).

Com os mais pequenos, a formação catequética que podem receber na paróquia ou na escola é a ocasião ideal.Revendo com eles as lições que receberam ou ensinando de forma sugestiva aspectos do catecismo que porventura tenham sido omitidos, faça com que as crianças compreendam a importância de estudar a doutrina de Jesus, graças ao carinho que os pais demonstram por ela.

Outro aspecto relevante é a educação para as virtudes , porque se há piedade e há doutrina, mas pouca virtude, esses meninos ou meninas vão acabar pensando e sentindo como vivem, não como a razão iluminada por ditames da fé, ou a fé assumida porque pensava. Formar as virtudes exige destacar a importância da exigência pessoal, do compromisso com o trabalho, da generosidade e da temperança.

Educar nesses bens leva o homem acima dos desejos materiais; torna você mais lúcido, mais apto a compreender as realidades do espírito. Aqueles que educam seus filhos com pouca exigência – eles nunca lhes dizem “não” a nada e procuram satisfazer todos os seus desejos – cegam as portas do espírito.

É uma condescendência que pode nascer do afeto, mas também de querer poupar o esforço de educar melhor, limitar o apetite, ensinar a obedecer ou a esperar. E uma vez que a dinâmica do consumismo é insaciável em si mesma, cair nesse erro leva as pessoas a estilos de vida caprichosos e caprichosos, e as introduz em uma espiral de busca de conforto que sempre supõe um déficit de virtudes humanas e interesse pelos assuntos dos outros.

Crescer em um mundo no qual todos os caprichos são cumpridos é um fardo pesado para a vida espiritual, que incapacita a alma – quase na raiz – para a doação e o compromisso.

Outro aspecto que deve ser considerado é o meio ambiente, pois possui uma grande força persuasiva. Todos nós conhecemos crianças com educação piedosa que foram arrastadas para um ambiente que não estavam preparadas para superar. Por isso, é preciso estar atento para onde as crianças são educadas e criar ou buscar ambientes que facilitem o crescimento da fé e da virtude. É algo semelhante ao que acontece num jardim: não fazemos as plantas crescerem, mas podemos fornecer os meios – fertilizante, água, etc. – e o clima adequado para que cresçam.
Como aconselhou S. Josemaria a alguns pais: «procurem dar-lhes o bom exemplo, procurem não disfarçar a sua piedade, procurem ser puros na sua conduta: assim aprenderão e serão o coroamento da sua maturidade e da sua velhice. “[5].

Alfonso Aguiló