“Sereis minhas testemunhas” (At 1, 8)

Sereis minhas testemunhas. Dia mundial das missões
aqui

Celebramos no último domingo, dia 23 de Outubro, o Dia Mundial das Missões. O Papa Francisco escolheu como tema: “Sereis minhas testemunhas”(At 1,8). São palavras que se encontram no último colóquio de Jesus ressuscitado com os seus discípulos, antes de subir ao Céu, como se descreve nos Atos dos Apóstolos e que, como sempre, nos ajuda a viver o fato de a Igreja ser, por sua natureza, missionária.

Para ilustrar o tema o Papa se detêm em três expressões-chave que resumem os três alicerces da vida e da missão dos discípulos: “Sereis minhas testemunhas”, “até aos confins do mundo” e “recebereis a força do Espírito Santo”.

Primeiro ponto da mensagem pontifícia: Todos nós somos chamados a testemunhar Cristo. Este é o ponto central, o coração do ensinamento de Jesus aos discípulos em ordem à sua missão no mundo. “Todos os discípulos serão testemunhas de Jesus, graças ao Espírito Santo que vão receber: será a graça a constituí-los como tais, por todo o lado aonde forem, onde quer que estejam. Tal como Cristo é o primeiro enviado, ou seja, missionário do Pai (cf. Jo 20, 21) e, enquanto tal, a sua “Testemunha fiel” (Ap 1, 5), assim também todo o cristão é chamado a ser missionário e testemunha de Cristo. E a Igreja, comunidade dos discípulos de Cristo, não tem outra missão senão a de evangelizar o mundo, dando testemunho de Cristo. A identidade da Igreja é evangelizar”.

Segundo ponto da mensagem pontifícia: “Até aos confins do mundo” – A atualidade perene duma missão de evangelização universal, o Papa Francisco explica, “ao exortar os discípulos a serem as suas testemunhas, o Senhor ressuscitado anuncia aonde são enviados. Aqui emerge muito claramente o caráter universal da missão dos discípulos. Coloca-se em destaque o movimento geográfico ‘centrífugo’, quase em círculos concêntricos, desde Jerusalém – considerada pela tradição judaica como centro do mundo – à Judeia e Samaria, e até aos extremos ‘confins do mundo’. Não são enviados para fazer proselitismo, mas para anunciar; o cristão não faz proselitismo”.

Terceiro ponto da mensagem pontifícia: “Recebereis a força do Espírito Santo” – Deixar-se sempre fortalecer e guiar pelo Espírito. “Ao anunciar aos discípulos a missão de serem suas testemunhas, Cristo ressuscitado prometeu também a graça para uma tão grande responsabilidade: “Recebereis a força do Espírito Santo e sereis minhas testemunhas” (At 1, 8). Com efeito, segundo a narração dos Atos, foi precisamente a seguir à descida do Espírito Santo sobre os discípulos de Jesus que teve lugar a primeira ação de testemunhar Cristo, morto e ressuscitado, com um anúncio querigmático: o chamado discurso missionário de São Pedro aos habitantes de Jerusalém. Assim começa a era da evangelização do mundo por parte dos discípulos de Jesus, que antes apareciam fracos, medrosos, fechados. O Espírito Santo fortaleceu-os, deu-lhes coragem e sabedoria para testemunhar Cristo diante de todos”.

Nosso testemunho de Cristo nos dias de hoje é pela fé na sua obra e na sua Palavra testemunhada e atestada pelos apóstolos, pelos evangelistas e pela primeira comunidade cristã. Os apóstolos conviveram com Jesus. O que eles viram e ouviram de Jesus, e depois proclamaram, continua verdadeiro até hoje.

Testemunhar Jesus hoje é tarefa nossa, está em nossas mãos. Precisamos aprender com os discípulos e apóstolos que foram as primeiras testemunhas de Jesus. Se não temos conhecimento de causa, não podemos testemunhar. Testemunhar Jesus não se trata, em primeiro lugar, de anunciar e proclamar do púlpito ou da tribuna o evangelho, mas, antes de tudo, fazer a experiência da convivência, fazer a experiência da escuta e do aprendizado com o mestre Jesus, e depois, anunciar, proclamar as obras de Jesus feitas quando andava no mundo e também anunciar e proclamar as obras e as maravilhas que Deus opera em nosso favor hoje. Se a nossa vida cristã não está sendo testemunho, ela precisa ser remodelada. Falta alguma coisa, ou quem sabe, muita coisa.

Caro irmão e querida irmã: por meio de sua vida e de seu testemunho devemos ecoar a verdadeira força do Evangelho, a força transformadora. Em meio a inúmeros conflitos, crises religiosas, crises de valores, vamos investir no diálogo, na tolerância, na humildade, na compreensão, e sobretudo, na oração para transformar a Igreja e a espiritualidade de hoje!

O primeiro empenho de todos nós deve ser na oração pelos missionários e na colaboração pela manutenção das missões! Isto é o centro da pertença cristã!

Testemunhas do Evangelho é o chamado de Cristo, da Igreja e do Papa Francisco. Sejamos pelo testemunho de vida e pelo anúncio do Evangelho a todas as gentes testemunhas de Cristo e sinais do Reino de Deus na sociedade e no mundo.

+ Eurico dos Santos Veloso

Arcebispo Emérito de Juiz de Fora, MG