Quem e quantos eram os Magos?

reis magos e a epifania do senhor

Originário da mídia (hoje Irã) onde constituíam uma classe sacerdotal, os magos haviam adquirido grande influência na Babilônia (hoje Iraque). Eles se distinguiam pelo gosto pelo estudo da Astronomia, ou melhor, da Astrologia, que era – e ainda é – uma ciência divinatória baseada no princípio de que a vida dos homens se desenvolve sob a influência das estrelas.

Ao lidar com os judeus, que espalharam suas esperanças messiânicas por todo o Ocidente, eles tiveram conhecimento do esperado Messias, Rei dos Judeus, que, como todos os grandes personagens, deve ter uma estrela que predisse seu destino. A natureza desta estrela é muito misteriosa.

Na história de São Mateus, a estrela desempenha um papel importante. É uma estrela que os Magos viram no Oriente, mas que mais tarde a perderam de vista ao deixar Jerusalém a caminho de Belém, onde se move na frente deles na direção norte-sul, finalmente parando sobre a casa onde a criança era. Os sábios dizem que a conheceram como a estrela de Jesus. «Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo» (Mt 2,2).

Uma das tradições sobre os Magos do Oriente diz que havia três Magos que, além disso, eram reis. Os Três Reis do Oriente:

Melchior, um velho com uma longa barba que presenteia o Senhor com ouro como convém a um rei. 

Gaspar, um jovem careca que lhe dá incenso (é um perfume à base de resina de árvore que foi queimado no templo) em homenagem à sua Divindade. 

Balthazar, uma raça negra, que dá mirra (pó perfumado que é misturado com óleo para consagrar sacerdotes, ou misturado com vinho para ajudar a acalmar a dor) ao homem Jesus como uma profecia de sua morte e sofrimento.

Ricamente vestidos e montados em um camelo, cavalo e elefante, eles partiram na jornada para adorar a Criança.

Quantos magos havia?

Quanto ao número, os monumentos arqueológicos variam consideravelmente, um afresco do cemitério de São Pedro e São Marcelino em Roma representa dois; um sarcófago preservado no museu de Latrão mostra três; quando aparecem no cemitério de Santa Domitila e até oito em vidro no museu Kircheniano. Nas tradições orais, síria e armênia, existem doze.

Porém, o número de três tem prevalecido, talvez com a correlação com os três presentes que eles ofereciam: ouro, incenso e mirra, ou porque se acreditava serem representantes das três raças: Ariana, Amarela e Negra (Shem, Ham e Jafé , os filhos de Noé que deram origem a essas raças).

O número definitivo é proclamado no Ocidente pelo Papa São Leão I no século V; Além disso, este Papa também fixa suas idades em 20, 40 e 60 anos; e suas raças como branca, negra e amarela, que são as únicas admitidas na antiguidade.

Quanto aos seus nomes, Beda o Venerável, um teólogo inglês do início do século VIII, foi um dos primeiros a usar os nomes que hoje nos são familiares: Melchior, Gaspar e Baltazar. No final do século 7 e no século 9, um manuscrito anônimo aparece em Paris e na Itália, respectivamente, no qual aparecem os nomes de Bisthisares, Melechior e Guthaspa.

Em escritos de outros autores e diferentes regiões, eles são conhecidos pelos nomes de nobres persas.

Eram os Magos dos Reis do Leste?

Sua condição de reis carece de fundamento histórico, parece que isso é deduzido de um salmo que diz: “os reis de Tarsis e das ilhas vão oferecer seus presentes; os reis da Arábia, Saba, trarão presentes”.

Nunca nas antigas representações da arte cristã eles aparecem com atributos reais, mas simplesmente com o gorro frígio e os hábitos dos nobres persas.

De onde vieram os Magos do Oriente?

Os documentos antigos também divergem quanto ao local de origem, alguns os fazem vir da Pérsia, outros da Babilônia ou da Arábia e outros do Egito ou da Etiópia. No entanto, um dado arqueológico da época de Constantino mostra a antiguidade da tradição que parece interpretar melhor a intenção do evangelista, tornando-os nativos da Pérsia. 

Isso se deve ao que se refere a uma carta sinodal do Concílio de Jerusalém do ano 836, que em 614, quando os soldados persas de Cosroas II, destruíram todos os santuários da Palestina, respeitaram a Basílica Constantiniana da Natividade em Belém, porque ao ver o mosaico do frontispício que representava a adoração dos Magos, eles acreditaram por causa das roupas que eram seus compatriotas.

A estrela de Belém identificada pela astronomia

O evangelista Mateus (2, 2) relata o nascimento de Jesus em Belém com o aparecimento de uma estrela particularmente brilhante no céu da Palestina.

  • Johannes Kepler, 1603 , astrônomo e matemático da corte, observando a aproximação de Júpiter e Saturno na constelação de Peixes do Castelo de Praga, se perguntou pela primeira vez se o Evangelho não estava se referindo precisamente ao mesmo fenômeno. Ele fez cálculos até descobrir que tal conjunção ocorreu em 7 AC.
  • Encontro de um tablet . Em 1925, o estudioso alemão P. Schnabel decifrou as notações neobabilônicas em uma tábua de argila encontrada entre as ruínas de um antigo templo do sol, cem quilômetros ao norte da Babilônia. A tabuinha revela a existência de uma conjunção de Júpiter e Saturno na constelação de Peixes no ano 7 aC, em três ocasiões, durante alguns meses: de 29 de maio a 8 de junho; de 26 de setembro a 6 de outubro; de 5 a 15 de dezembro. De acordo com cálculos matemáticos, essa conjunção tripla foi vista com grande clareza na região do Mediterrâneo.
  • A tripla conjunção dos dois planetas também explica o aparecimento e desaparecimento da estrela , fato confirmado pelo Evangelho. A terceira conjunção de Júpiter e Saturno, unidos como se fosse uma grande estrela, ocorreu de 5 a 15 de dezembro. No crepúsculo, a luz intensa podia ser vista quando se olhava para o sul, de modo que os magos do leste, caminhando de Jerusalém a Belém, a tinham diante de si. A estrela parecia mover-se, como explica o Evangelho, “diante deles” (Mt 2, 9).

Então, a astrologia é válida?

Você tem que distinguir entre astrologia e astronomia. A segunda é uma ciência, enquanto a primeira tende a misturar o conhecimento das estrelas com a mitologia.  Deus se manifesta ao homem como ele pode entender . Os Magos (“magoi” em grego) eram uma casta de sacerdotes persas ou babilônios. Eles não conheceram a revelação divina como os judeus. Mas em seu desejo de buscar a Deus, eles estudaram as estrelas. Eles ergueram os olhos para o céu procurando orientação na luz das estrelas.  Deus é o Senhor das estrelas e as guiou dali para a verdadeira luz que é Cristo . 

Alguma religião importa?

NÃO. Deus se deu a conhecer ao longo dos séculos, alcançando a sua plenitude na revelação do seu Filho Jesus Cristo.  Os magos não estavam satisfeitos onde estavam . Eles foram à procura do Messias. Quando eles vieram a Jesus, eles o adoraram.

Os mágicos nos dão um grande exemplo em sua busca pela verdade . Eles estavam dispostos a correr grandes riscos. Homens em camelos, carregando tesouros pelo deserto, onde há gangues de ladrões.

Eles estavam procurando pelo Messias e nada e ninguém os impedia. Eles foram humildes, perguntaram aos outros como chegar lá e foi assim que obtiveram MAIOR RIQUEZA: conheceram Jesus.

AJUDE A MANTER O SITE NO AR !

Nosso site tem uma divida mensal e a cada dia está mais difícil manter o site no ar. Doe qualquer valor e você ira muito ajudar na manutenção e permanência do site no ar ! O seu gesto de amor ajudara muitos catequistas que visitam nosso site

FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR

PIX CHAVE CPF: 16800472808
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

ou

PIX CHAVE EMAIL: [email protected]
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Deus te abençoe !