Quais são as suas angústias?

angustia e ansiedade
aqui

O tempo da Quaresma, de uma forma especial, exorta-nos a refletir sobre a nossa vida. Requer que cada um de nós alcance o centro de si mesmo e comece a ver qual é o caminho da nossa própria vida. Porque quando vemos a vida de outras pessoas que caminham ao nosso lado, pessoas como nós, com defeitos, fragilidades, necessitadas, e nas quais a graça do Senhor dá plenitude à sua existência, fecunda-a, faz de cada minuto da vida um momento de fecundidade espiritual, devemos interrogar-nos muito seriamente sobre o modo como a ação de Deus deve realizar-se em nós. É Deus quem realiza em nós o caminho da transformação e do crescimento; É Deus quem torna a graça eficaz em nós.

A ação de Deus realiza-se segundo a imagem do profeta Isaías: assim como a chuva e a neve descem ao céu, encharcam a terra e depois de terem tornado a terra fértil para poderem semear, sobem novamente ao céu.

A ação de Deus na Quaresma, de modo muito particular, desce sobre todos os homens para dar a cada um deles uma ajuda muito especial diante da fecundidade pessoal.

A semente que é plantada e o pão que se come é realmente o nosso trabalho, o que temos que fazer, mas precisa da graça de Deus. Esta é uma verdade que não devemos esquecer: é Deus quem faz a semente eficaz, a semente ou a terra não serviriam de nada se não fossem fecundadas, encharcadas pela graça de Deus.

Temos que entender isso e não olhar tanto para as sementes que temos, mas para a graça, a chuva que as fertiliza. Não devemos olhar para as sementes que temos nas mãos, mas para a fecundidade que vem de Deus Nosso Senhor. É uma lei fundamental da Quaresma aprender a receber no coração a graça de Deus, o esforço que Deus está fazendo com cada um de nós.

Jesus Cristo, no Evangelho, dá-nos também outro dinamismo muito importante da Quaresma, que é a resposta de cada um de nós à graça de Deus. A ação da graça não é suficiente, porque a ação da graça não substitui a nossa liberdade, não substitui o esforço que deve brotar de si mesmo. Cristo nos alerta contra a auto-suficiência, mas também contra a passividade. Diz-nos que temos que aprender a viver a recepção da graça em nós, sem auto-suficiência e passividade.

Contra a auto-suficiência o Senhor nos diz no Evangelho: “Não rezem como rezam os pagãos, que pensam que falando muito serão ouvidos”. Jesus nos diz: “você tem que deixar o seu coração se abrir, deixar que o seu coração seja aquele que fala com Deus Nosso Senhor. Porque Ele, antes de você pedir algo, já sabe do que você precisa.” Mas, ao mesmo tempo, devemos cuidar da passividade. Cabe a nós agir, fazer as coisas, cabe a nós lidar com as situações como Deus nos pede. Este é, talvez, um esforço muito difícil e muito sério, mas temos que agir imitando Deus Nosso Senhor. Do Nosso Pai que está nos Céus. Este caminho significa para todos nós a capacidade de trabalhar apoiados na oração.

Estávamos ouvindo o Salmo que nos fala de dois tipos de pessoas: “Os olhos do Senhor cuidam dos justos e o seu clamor está atento aos seus ouvidos; contra os ímpios, mas o Senhor está lá, para apagar a sua memória da terra”. Se aprendêssemos a ver desta forma todo o trabalho espiritual, do qual a Quaresma é um momento muito privilegiado. Se aprendêssemos a ver tudo isto como uma obra que Deus realiza na alma e que ao mesmo tempo produz em nós um dinamismo de transformação, de confiança, de escuta de Deus, de caminho de vida; um dinamismo de aproximação aos outros, de perdão, de abertura do coração. Se tivéssemos isso claro, também estaríamos fazendo o que diz o Salmo: “o Senhor livra o justo das suas angústias”.

Quantas vezes a angústia que existe na alma vem, sobretudo, do fato de querermos ser quem realiza as coisas e as situações e esquecermos que não somos nós, mas sim Deus? Mas quantas vezes a angústia chega à alma porque queremos deixar tudo nas mãos de Deus, quando cabe a nós fazer muito da nossa parte? Mesmo quando temos que fazer algo que nos coloca em risco, que nos compromete; algo que nos faz dizer: será assim ou não será assim?, e mesmo assim sei que tenho que fazer. É a semente que deve ser plantada.

Quando o semeador tem uma semente e a coloca no campo, não sabe o que acontecerá com ela. Ele confia na chuva e na neve que o farão fertilizar. Quantas vezes pode acontecer-nos que temos a semente mas preferimos não enterrá-la, preferimos não confiar na chuva, porque se ela falhar, o que fazemos?

Contudo, Deus repete novamente: “O Senhor livra o justo de todas as suas angústias”. Quais são as angústias? Autossuficiência? Da passividade? De medo? Aprendamos nesta Quaresma a deixar que o Senhor chegue ao nosso coração e encontre nele uma terra capaz de confiar plenamente em Deus, mas ao mesmo tempo, capaz de correr riscos por Deus Nosso Senhor.