Os animais fazem concurso

198

Certa vez, os bichos fizeram uma assembleia, a fim de escolher um que fosse o representante de toda a bicharada.

Pediram ao macaco, que era sábio e conhecia todos os animais, que coordenasse a reunião. O macaco, para ser democrático, propôs um concurso: Aquele animal que preparasse o melhor banquete seria o escolhido.

O primeiro que se inscreveu foi o leão, depois o lobo e por fim o coelho. Ao ver o coelho se candidatar, os outros deram risada.

O primeiro banquete foi preparado pelo leão, que para isso matou um búfalo. A segunda festa foi preparada pelo lobo, que matou um cordeiro. Mas o coelho não aparecia. Mais tarde, ele chegou cansado, e disse para o macaco:

“Eu corri atrás de vários animais, mas não consegui pegar nem um. Por isso, eu renuncio a candidatura para o honroso cargo e ofereço a minha carne, para, com ela, vocês prepararem um banquete”. O macaco ficou comovido e declarou o coelho o representante de todos os animais.

A atitude do coelho foi parecida com a de Jesus, que ofereceu a sua própria carne para ser o nosso banquete. Banquete precioso, que nos alimenta para toda a eternidade.

Maria Santíssima colaborou no banquete eucarístico, pois o Pão sagrado que comemos foi gerado no seu seio. Por isso lhe somos eternamente gratos.