O Senhor está perto da pessoa que o invoca

contemplar a Deus e viver as bem aventuranças
aqui

Celebramos neste domingo — o vigésimo quinto desse Tempo Comum — mais uma oportunidade que temos de nos reunir em torno da mesa para dialogarmos sobre a palavra e a Eucaristia. Mais uma oportunidade de escutarmos o que o Senhor tem a nos falar e de partilharmos esse momento. Lembrando sempre que, para recebermos e partilharmos a Eucaristia, é necessário estarmos em comunhão com o nosso irmão, pois este sacramento nos leva a isso.

Como ouvimos nos dois últimos domingos, se pedirmos o perdão de nossos pecados a Deus, devemos sempre perdoar aquele que nos ofende. Também não podemos comungar da Eucaristia se tivermos algo contra esse nosso irmão. Por isso, o ato penitencial no início da missa acontece antes da Eucaristia, pois é o momento de nos reconciliarmos com Deus e com nosso irmão, para podemos receber dignamente a Eucaristia.

Nesse domingo a Igreja celebra o Dia Nacional da Bíblia, pois no próximo sábado, 30 de setembro, celebramos a memória litúrgica de São Jerônimo e encerramos o mês da bíblia. São Jerônimo traduziu a bíblia do grego e hebraico para o latim. Encerra-se o mês da bíblia, mas não é por isso que deixamos de meditar diariamente sobre a palavra de Deus. A palavra de Deus deve ser o nosso alimento diário. Somos convidados, também, a anunciar a palavra de Deus a todas as pessoas. Temos que ser discípulos e missionários do Senhor.

Comemoramos também neste domingo o 109º Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, com a mensagem do Papa Francisco: “Livres de escolher se migrar ou ficar”. É uma nova data escolhida pelo Papa que unifica o dia do migrante e do refugiado. Aqui no Brasil estávamos acostumados a comemorar separadamente no mês de junho. Agora, unificado, esse dia mundial passou a ser comemorado mundialmente no último domingo de setembro.

A liturgia deste domingo nos convida a buscar o Senhor constantemente. Ele vem ao nosso encontro e basta dizermos o “sim”. Ele não fica olhando as nossas culpas do passado, mas nos acolhe com amor e misericórdia. É sempre tempo de buscar o Senhor. Ele está sempre a nossa espera. Nós que, por vezes, o abandonamos. Deus conta conosco e quer que sejamos propagadores do reino dos céus aqui na terra.

A primeira leitura da missa de hoje é do livro do profeta Isaías (Is 55, 6-9). O profeta faz um alerta para todos nós no início dessa leitura: “Buscai o Senhor enquanto pode ser achado”. Ele está perto de nós, abandonemos a vida de pecado e vamos ao encontro do Senhor. Não busquemos o Senhor somente quando aparece algum problema. Mas procuremos ir à missa todos os domingos encontrar o Senhor para ouvir o que Ele tem a nos falar e comungar da Eucaristia. Isaías ainda diz que Deus é generoso no perdão, mesmo quando estamos longe D’Ele. Ele, com amor e misericórdia, está sempre propenso a nos perdoar. Lembremos sempre: somos nós que nos afastamos do Senhor e não Ele que se afasta de nós.

O salmo responsorial é o 144 (145). Esse salmo diz em seu refrão: “O Senhor está perto da pessoa que o invoca”! O Senhor sempre está perto de nós, em todo o lugar que quisermos invocá-lo, Ele está conosco, não necessariamente na Igreja. Podemos rezar em casa, no carro, no ônibus ou no trabalho. Podemos rezar sempre que sentirmos necessidade e o Senhor estará conosco. Como dissemos, o Senhor não se esquece de nós, somos nós que nos esquecemos D’Ele.

A segunda leitura é da Carta de São Paulo aos Filipenses (Fl 1,20c-24.27a). Paulo diz à comunidade dos Filipenses que Cristo será glorificado em seu Corpo, seja por sua vida ou por sua morte. Paulo diz a comunidade dos Filipenses para viverem a altura do Evangelho de Cristo, ou seja, perdoando-se mutuamente e amando o próximo sem medidas. Se decidirmos viver segundo o Evangelho de Cristo, viveremos o perdão sem medidas e colocaremos tudo o que temos em comum. Se Cristo vive em nós, seremos uma comunidade perfeita.

O evangelho deste domingo é de Mateus (Mt 20,1-16a). Nesse trecho do evangelho, Jesus conta uma parábola aos discípulos a respeito do Reino dos Céus. Jesus diz que o Reino dos Céus é como um patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia e os mandou para a vinha. Depois, o patrão saiu mais três vezes para chamar mais trabalhadores para a vinha. O patrão pagou os últimos o mesmo valor que havia pago aos primeiros.

Os que foram contratados primeiro começaram a reclamar com o patrão pelo fato de ter pago o mesmo valor aos últimos, sendo que eles trabalharam duro o dia inteiro. O patrão disse que pagou certo a todos e aquilo que havia combinado e, ainda, que os últimos serão os primeiros e os primeiros poderão ser os últimos.

Podemos entender esse “patrão” sendo Deus e os empregados sendo cada um de nós. O chamado do Senhor é urgente, é agora. Todos os dias, Ele nos chama para edificarmos o “Reino de Deus” aqui na terra. Somos chamados a viver o Reino de Deus aqui na terra, para contemplá-lo de maneira definitiva no céu. Construindo o Reino de Deus aqui na terra seremos recompensados no céu com a vida eterna.

Celebremos com alegria esse XXV Domingo do Tempo Comum, e tenhamos a certeza de que o Senhor sempre nos chama e quer que edifiquemos o Reino de Deus aqui na terra. O Senhor retribuirá a cada um de acordo com a sua conduta. Estamos próximos de iniciar o mês missionário — sejamos missionários e missionarias do Senhor, vivendo o nosso batismo.

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.

Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ