O remédio para o ressentimento e a inveja

ressentimento e a inveja
aqui

Ressentimento e inveja, obstáculos à felicidade

A pessoa humana tem uma forte inclinação a girar em torno de si mesma, a fazer de si o centro de seus pensamentos e o ponto de referência de suas ações. Esta inclinação chama-se egocentrismo e é a antítese, o pólo oposto, do esquecimento de si, de viver fora de si, para com os outros. É um fato da experiência que o egocentrismo gera tristeza, infelicidade. Não é difícil verificá-lo; Basta começar a pensar em si mesmo, com foco egoísta, para sentir a decadência interior. Quem vive excessivamente consciente de si, centrado em si mesmo, costuma perder a visão objetiva das coisas e torna-se hipersensível e vulnerável. Tudo o afeta muito mais do que o bem que a vida lhe oferece. “Uma das coisas que mais entristece o homem é a egomania, muitas vezes fonte de sofrimentos inúteis.

O egocentrismo se manifesta de várias maneiras. Dois deles constituem grandes obstáculos à felicidade e merecem ser tratados com algum detalhe para os compreender, detetar na vida pessoal e resolvê-los atempadamente. É, especificamente, ressentimento e inveja.

O veneno do ressentimento

O ressentimento costuma ser o principal obstáculo para ser feliz (71), porque torna a vida amarga. Para Max Scheler “o ressentimento é uma autointoxicação psíquica” (72) um envenenamento de dentro, que depende de nós mesmos e que costuma aparecer como reação a um estímulo negativo na forma de ofensa ou agressão. Obviamente, nem toda ofensa produz ressentimento, mas todo ressentimento é precedido por uma ofensa.

A ofensa que causa ressentimento pode ser apresentada como ação de alguém contra mim, pode ser captada na forma de omissão, ou como atribuível a circunstâncias (situação socioeconômica pessoal, algum defeito físico, doenças sofridas e não aceitas, etc. ). De qualquer forma, o estímulo que causa a reação de ressentimento pode ser julgado objetivamente, com exagero, ou mesmo ser produto da imaginação. Essas variantes mostram até que ponto o ressentimento depende da maneira como as ofensas recebidas são julgadas —objetiva, exagerada ou imaginária— e explicam por que
muitos ressentimentos são gratuitos, porque dependem da própria subjetividade que os separa da realidade, exagerando ou imaginando situações ou acontecimentos que não ocorreram ou não foram destinados a partir de ninguém.

A resposta pessoal

O ressentimento é um efeito reativo diante da agressão, com tom negativo. Consiste na resposta à ofensa. Esta resposta depende de cada pessoa, porque a liberdade nos dá o poder de orientar as nossas reações. Covey adverte que “não é o que os outros fazem ou nossos próprios erros que mais nos machuca, é a nossa resposta. Se formos atrás da cobra venenosa que nos picou, apenas faremos com que o veneno se espalhe por nossas vidas”. corpo. É muito melhor tomar medidas imediatas para extrair o veneno.” (73) Esta alternativa se apresenta a cada agressão: ou nos concentramos na pessoa que nos ofendeu (e então o veneno continuará agindo) ou a eliminamos com uma resposta adequada, sem permitir que permaneça dentro de nós.

A dificuldade em configurar a resposta adequada reside no fato de que o ressentimento se localiza no nível emocional da personalidade, pois em essência é um sentimento, uma paixão, um movimento que se vivencia de forma sensata. Quem está ressentido sente-se magoado ou ofendido por alguém ou algo que influencie contra ele. E é sabido que administrar os sentimentos não é uma tarefa fácil. Às vezes não temos consciência deles —então eles podem estar agindo dentro de nós sem que percebamos.

A intervenção da inteligência e da vontade

Essas dificuldades podem ser atenuadas se fizermos bom uso de nossa capacidade de pensar. O autoconhecimento e a reflexão nos permitem conectar as manifestações de nossos ressentimentos com suas causas e, nessa medida, nos encontramos em condições de canalizá-los. Se, ao analisar as queixas recebidas, nos esforçarmos para entender a forma de agir do ofensor e descobrir as atenuantes em seu modo de proceder, em muitos casos nossa reação negativa desaparecerá devido ao enfraquecimento do estímulo. Nossa inteligência pode assim influir, indiretamente —Aristóteles falava de um domínio político e não despótico do racional sobre o sensível—, a evitar ou eliminar ressentimentos, modificando as disposições afetivas.

Outro recurso de que dispomos para afastar de nós a ofensa, sem retê-la, mesmo em casos de ofensas reais, é a nossa vontade, pela sua capacidade de autodeterminação. Quando recebemos uma agressão que nos machuca, podemos decidir não contê-la para que não se transforme em ressentimento. Eleanor Roosevelt costumava dizer:

“Ninguém pode te machucar sem o seu consentimento.” Marañón advertia que “o homem forte reage com energia direta à agressão e automaticamente expulsa, como um corpo estranho, a mágoa de sua consciência. Essa elasticidade salvadora não existe no ressentido”(74). Se, por outro lado, a vontade é fraca, a ofensa é retida e o sentimento permanece dentro do sujeito, ele é vivenciado continuamente, mesmo que o tempo passe. É precisamente nisso que consiste o ressentimento: “é um reviver da própria emoção: um sentimento novamente, um ressentimento”.

A luta contra o ressentimento será muito mais eficaz se contar com a ajuda de Deus, que esclarece nossa inteligência, favorecendo a objetividade no conhecimento e a capacidade de compreensão; e isso fortalece nossa vontade e fortalece nosso caráter, para que não se dobre sob a pressão das queixas.

“Sentir” e ressentir

A forma de reagir aos estímulos costuma estar intimamente relacionada aos traços temperamentais. Por exemplo, a pessoa emocional sente mais agressão do que a pessoa não emocional; o secundário geralmente retém a reação ao estímulo ofensivo por mais tempo que o primário; Aquele que está ativo tem mais recursos para lidar com o impacto recebido pela infração do que aquele que não está ativo. Também a cultura e a educação, juntamente com o fator genético, influenciam a forma de reagir e, portanto, a forma como o ressentimento se origina e se manifesta.

Existe uma forma de reagir às ofensas caracterizada sobretudo pela sua passividade; Consiste simplesmente em se afastar ou se distanciar da pessoa que cometeu a agressão, às vezes até tirando a palavra. Nós, mexicanos, costumamos descrevê-lo com o verbo sentir. Peñalosa explica que “sentir é um verbo reflexivo que conjugamos o dia todo, e que não é fácil encontrar uma explicação filológica digna para ele, pela simples razão de que “sentir” é um verbo que registra mais a alma mexicana do que a gramática espanhola .É o mesmo que ficar magoado, triste, zangado por alguma ofensa que nos fizeram.

Muitas vezes real e, muitas mais, aparente” (76). Note-se que Cervantes, em Dom Quixote, usa esse verbo, com esse sentido “mexicano”, mais de uma vez (77).

Por outro lado, quando o sentimento de suscetibilidade que se guarda inclui o desejo de vingança, de vingança, então é propriamente um ressentimento, no sentido pleno do termo. O ressentido não só sente a ofensa que lhe foi infligida, mas também a guarda com um sentimento de ressentimento, de hostilidade para com as pessoas que causaram o dano, que o leva à vingança.
Alguém afirmou com razão que “o ressentimento é um veneno que eu tomo, esperando que faça mal ao outro”. E é que pode acontecer que aquele contra quem o rancor é dirigido nem mesmo descubra, enquanto aquele que o experimenta está corroendo por dentro. Um veneno tem efeitos destrutivos sobre o organismo e o que o ressentimento produz é frustração, tristeza, amargura na alma. É um dos piores inimigos da felicidade, porque impede uma abordagem positiva da vida e distancia-a de Deus e dos outros.

Algumas pessoas são especialmente propensas ao ressentimento: reagem exageradamente a estímulos menores ou guardam rancores infundados. A origem dessa inclinação costuma estar no egocentrismo, com sua tendência a girar em torno de si mesmo, a fazer de si o centro de seus pensamentos e o ponto de referência de todas as ações. As pessoas egocêntricas tornam-se muito vulneráveis ​​porque vivem centradas na sua própria subjetividade e “são inevitavelmente infelizes e miseráveis. céu” (78). O esquecimento de si mesmo é também o melhor antídoto contra o ressentimento.

O remédio do perdão

No Antigo Testamento, prevalecia a lei da retaliação, inspirada na estrita justiça: “olho por olho, dente por dente”. Jesus Cristo vem aperfeiçoar a Antiga Lei e introduz uma modificação fundamental que consiste em ligar a justiça à misericórdia, mais ainda, em subordinar a justiça ao amor, o que é tremendamente revolucionário. Dele devem ser perdoadas as ofensas recebidas, porque o perdão se torna parte essencial do amor.

A misericórdia que Jesus pratica e exige dos seus se choca, não só com o sentimento do seu tempo, mas com o de todos os tempos: «Ouvistes que foi dito: ama o teu próximo e odeia o teu inimigo. Por outro lado, digo-vos: amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam e rezai pelos que vos perseguem e caluniam (79). Quem tirar o teu manto, leve também a tua túnica”(80). tente o que eles querem. Ele está pedindo a eles: “Sede misericordiosos, como vosso Pai é misericordioso (81).

o que é perdoar

Ao contrário do ressentimento, o perdão não é um sentimento. Perdoar não é o mesmo que parar de sentir. Há quem se considere incapaz de perdoar certas mágoas porque não consegue eliminar seus efeitos: não consegue deixar de sentir a ferida, nem o ódio, nem o desejo de vingança. Disso surgem muitas vezes complicações no campo da consciência moral, sobretudo se se tiver em conta que Deus espera que perdoemos para nos perdoarmos a nós próprios. A curto prazo. Porém, se entendermos que o perdão se situa num nível diferente do ressentimento, ou seja, no nível da vontade, descobrir-se-á o caminho que aponta para a solução.

O perdão é um ato de vontade porque consiste em uma decisão. Ao perdoar, opto por cancelar a dívida moral que o outro contraiu comigo ao me ofender e, portanto, o libero como devedor. Obviamente, não se trata de suprimir o delito cometido e fazer com que ele nunca exista, porque nos falta esse poder. Somente Deus pode apagar a ação ofensiva e fazer com que o infrator volte à situação em que se encontrava antes de cometê-la. Mas nós, quando perdoamos de verdade, gostaríamos que o outro ficasse completamente isento do mal que cometeu. Por isso, como salienta Leonardo Polo, «perdoar implica pedir perdão a Deus, porque só assim a ofensa é aniquilada.(82)

Perdoar e esquecer

Embora o ato de perdoar consista em uma decisão, o ato de esquecer, por outro lado, ocorre no campo da memória, que não responde diretamente aos comandos da vontade. Posso decidir esquecer uma ofensa, mas não posso. O delito continua lá, no arquivo da memória, apesar do mandato voluntário. A primeira coisa que isso me diz é que esquecer não é o mesmo que perdoar. O perdão pode ser compatível com a memória da ofensa. Um sinal eloqüente de que foi perdoado, mesmo que não tenha sido possível esquecer, é que a lembrança da ofensa não afeta a maneira como nos comportamos com o perdoado, a quem tratamos como se tivéssemos esquecido. O verdadeiro perdão exige agir assim, porque o verdadeiro amor “não faz contas do mal”(83).

Por outro lado, a expressão “perdoo mas não esqueço” significa que, no fundo, não quero esquecer a ofensa, o que equivale a não querer perdoar. Porque? Quando perdoado, cancela-se a dívida do ofensor, o que é incompatível com a intenção de retê-la, de não querer esquecê-la. Conseqüentemente, embora não possamos identificar o perdão com o fato de esquecer o mal, podemos afirmar que perdoar é querer esquecer.

Por que perdoar

Quando perdoamos, nos libertamos da escravidão produzida pelo ódio e pelo ressentimento para recuperar a felicidade que havia sido bloqueada por esses sentimentos. Também faz muito sentido perdoar com base nos relacionamentos com os outros. Se não for perdoado, o amor esfria ou pode até se transformar em ódio; e a amizade pode ser perdida para sempre.

Além dessas razões humanas para perdoar, existem razões sobrenaturais que permitem perdoar certas situações extremas em que os argumentos humanos são insuficientes. Deus nos fez livres e, portanto, capazes de amá-lo ou ofendê-lo através do pecado. Se escolhermos ofendê-lo, ele nos oferece perdão se nos arrependermos, mas ele estabeleceu uma condição para isso: que primeiro perdoemos o próximo que nos ofendeu. Assim o repetimos na oração que Jesus Cristo nos ensinou: “Perdoa-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”. Alguém pode se perguntar por que Deus condiciona seu perdão a nós perdoando e, mais ainda, ele exige que perdoemos nossos inimigos incondicionalmente, isto é, mesmo que eles não queiram retificar.

Logicamente, Deus não pretende dificultar o nosso caminho e quer sempre o melhor para nós. Ele deseja profundamente nos perdoar, mas seu perdão não poderá penetrar em nós se não modificarmos nossa disposição. “Ao recusar perdoar os irmãos, o coração fecha-se, a sua dureza torna-o impermeável ao amor misericordioso do Pai (84).

Além daquela ocasião em que ensinou o Pai Nosso, Jesus insistiu muitas outras vezes no necessidade de perdão Quando Pedro lhe pergunta se deve perdoar até sete vezes, ele responde até setenta vezes sete (85) porque o perdão não tem limites, ele pediu para perdoar até os inimigos, (86) aqueles que retribuem o mal com o bem (87 ) Para o cristão, esses ensinamentos constituem um poderoso motivo a favor do perdão, pois são ditados pelo Mestre.

Mas Jesus, que é o modelo a seguir, não só pregou o perdão, mas também o praticou inúmeras vezes. Na sua vida encontramos abundantes acontecimentos em que se revela a sua capacidade de perdoar, que é provavelmente a nota que melhor exprime o amor que há no seu coração. Enquanto os escribas e fariseus acusam uma mulher apanhada em adultério, Jesus perdoa-lhe e diz-lhe para não pecar mais(88); quando Pedro o nega três vezes, apesar da advertência, Jesus olha para ele, o faz reagir(90). e ele não só o perdoa, mas também restaura toda a sua confiança, deixando-o à frente da Igreja. E o momento culminante do perdão de Jesus acontece na Cruz, quando ele eleva a sua oração por aqueles que o martirizam:

A consideração de que o pecado é uma ofensa a Deus, que a ofensa adquire dimensões infinitas porque Deus é o ofendido e que, apesar disso, Deus perdoa os nossos pecados quando fazemos o nosso melhor, permite-nos perceber a desproporção que existe entre esse perdão divino e perdão humano. Por isso, também aquelas ofensas que pareceriam imperdoáveis, pela sua magnitude, porque recaem sobre pessoas inocentes ou pelas consequências que delas derivam, devem ser perdoadas porque “não há limite nem medida neste perdão essencialmente divino”. (92). . Portanto, para perdoar radicalmente, é necessária a ajuda de Deus.

Perdoar é a manifestação mais elevada do amor e, consequentemente, é o que mais transforma o coração humano. Por isso, cada vez que perdoamos, realiza-se em nós uma conversão interior, uma verdadeira metamorfose, ao ponto que São João Crisóstomo chegou a exclamar que “nada se assemelha tanto a Deus como a vontade de perdoar” (93), assim pode concluir que perdoar é o principal remédio contra o ressentimo

problema da inveja

Tal como o ressentimento, a inveja “é um sério obstáculo à felicidade” (94) e inclui a circunstância agravante de ser difícil reconhecê-la em si mesmo: muito raramente ouvimos alguém dizer que é invejoso, quando não se importa em declarar-se antes outros como ambiciosos, desordenados, arrogantes ou intemperantes. Em um mundo competitivo como o nosso, a propensão à inveja é consideravelmente aguçada. Tomás de Aquino explica que a inveja tem como característica específica entristecer-se pelo bem dos outros, na medida em que é vista como um fator que diminui a própria excelência ou felicidade (95). Vamos analisar cada uma dessas noções.

A tristeza da inveja

A tristeza aparece como efeito imediato e direto da inveja. Se a alegria deriva da posse de um bem, a tristeza é causada pela relação com o mal. Quando alguém perde um ente querido, falha em um projeto profissional ou sofre de uma doença grave, fica triste com esses eventos adversos. Vivenciar a tristeza nestes casos é algo natural, pois é evidente a falta daquele bem para si, que é visto como um mal, embora haja a possibilidade de superá-la e, sem deixar de sentir a dor que a causa, canalizá-la. dando-lhe significado. Por outro lado, a inveja consiste em ficar triste com o bem dos outros. 

Encontramo-nos, então, diante de uma situação diferente e um tanto surpreendente: o que causa tristeza não é o mal, mas o bem. Isso não é mais natural porque o que o bem tende a causar naturalmente é a alegria. Se o resultado, por outro lado, for tristeza, é difícil ver como a reação pode ser justificada. Ainda mais: a anormalidade de tal resposta à bondade torna essa reação vergonhosa e instintivamente tenta escondê-la. Isso explica a dificuldade de alguém se reconhecer como invejoso: não é fácil justificar a tristeza diante do bem. E então você tenta esconder, mesmo que nem sempre consiga. 

As crianças, que não têm duplicidade, não conseguem escondê-la e tendem a manifestá-la com bastante naturalidade: todos nós testemunhamos a reação violenta do menino que arranca um brinquedo de outro, ou as lágrimas da menina diante do presente que sua irmã acaba de dar. recebido. 

A anormalidade de tal resposta à bondade torna essa reação vergonhosa e instintivamente tenta escondê-la. Isso explica a dificuldade de alguém se reconhecer como invejoso: não é fácil justificar a tristeza na presença do bem. E então você tenta esconder, mesmo que nem sempre consiga. As crianças, que não têm duplicidade, não conseguem escondê-la e tendem a manifestá-la com bastante naturalidade: todos nós testemunhamos a reação violenta do menino que arranca um brinquedo de outro, ou as lágrimas da menina diante do presente que sua irmã acaba de dar. recebido. 

A anormalidade de tal resposta à bondade torna essa reação vergonhosa e instintivamente tenta escondê-la. Isso explica a dificuldade de alguém se reconhecer como invejoso: não é fácil justificar a tristeza na presença do bem. E então você tenta esconder, mesmo que nem sempre consiga. As crianças, que não têm duplicidade, não conseguem escondê-la e tendem a manifestá-la com bastante naturalidade: todos nós testemunhamos a reação violenta do menino que arranca um brinquedo de outro, ou as lágrimas da menina diante do presente que sua irmã acaba de dar. recebido. embora nem sempre seja possível. 

As crianças, que não têm duplicidade, não conseguem escondê-la e tendem a manifestá-la com bastante naturalidade: todos nós testemunhamos a reação violenta do menino que arranca um brinquedo de outro, ou as lágrimas da menina diante do presente que sua irmã acaba de dar. recebido. embora nem sempre seja possível. As crianças, que não têm duplicidade, não conseguem escondê-la e tendem a manifestá-la com bastante naturalidade: todos nós testemunhamos a reação violenta do menino que arranca um brinquedo de outro, ou as lágrimas da menina diante do presente que sua irmã acaba de dar. recebido.

Por que o bem do outro me deixa triste? A resposta não está no bem em si, mas na minha forma de percebê-lo ou julgá-lo: é algo que me falta e que, no fundo, não aceito. A não aceitação da minha falta me leva a olhar para o imóvel alheio com um olhar distorcido, o que se traduz em desacordo com quem o possui. Se eu aceitasse pacificamente as minhas limitações e me identificasse com o que sou e com o que tenho, o bem dos outros não me preocuparia, mais ainda, me faria feliz. E neste caso, ao me alegrar com os méritos dos outros, eu estaria agindo de acordo com a vontade de Deus (96).

Portanto, a origem da inveja está no egocentrismo, que se concretiza na forma de comparação(97). O próprio sujeito torna-se o termo de referência para os valores que descobre nos outros e, em vez de olhá-los objetivamente, como qualidades que os tornariam dignos de admiração, ele os vê em função de si mesmo e de forma negativa. , como algo do que lhe falta Esse desvio de abordagem, causado pela comparação, produz tristeza por seu efeito egocêntrico —a felicidade depende de nossa capacidade de sair de nós mesmos— e porque focaliza a atenção no negativo: a falta pessoal desses valores. Se fôssemos capazes de descobrir o bem nos outros, sem nos compararmos e com disposição generosa, abertos ao bem dos outros, não haveria reações de inveja.

Um defeito na forma de olhar

A inveja, como se vê, sofre de um defeito na forma de olhar o bem dos outros. A própria origem etimológica da palavra remete a essa forma errada de direcionar o olhar: vem do latim invidia, que significa olhar com olhos maus, ou seja, com um olhar torto que interpreta negativamente o positivo por excelência: o bom. E esse olhar torto para o bem alheio também pode consistir em olhar para ele mais do que o necessário, o que causa, além disso, um impedimento para valorizar o próprio bem. Sêneca dizia que “quem olha demais para as coisas dos outros não gosta das suas”. Por outro lado, quem sabe se contentar com o que tem ou, melhor ainda, saber agradecê-lo, pode desfrutá-lo sem se incomodar com o bem dos outros.

Se formos um passo além e nos perguntarmos por que o invejoso se sente afetado negativamente ao descobrir o bem dos outros, encontramos a resposta na última parte do que afirma Tomás de Aquino: porque ele vê esse bem como um fator que diminui sua própria excelência .ou felicidade. Isso é facilmente compreendido por quem vive se comparando com os outros e de alguma forma baseia seu valor pessoal em ser favorecido por essas comparações. Se valho porque sou melhor que o outro, porque tenho mais coisas que ele ou porque o supero em um aspecto ou outro, deixarei de valer assim que me vir superado. Cada elemento positivo que surgir no outro me diminuirá e, consequentemente, me deixará triste.

manifestações de inveja

Embora seja muito difícil reconhecer-se como invejoso e até tentar escondê-lo, existem algumas manifestações que revelam a inveja a quem é um bom observador. Todos eles tentam reduzir de alguma forma o bem dos outros, para compensar o efeito pejorativo que causa na inveja. Talvez a mais óbvia seja a crítica negativa, que busca destacar as deficiências que prejudicam a inveja. Também a difamação, que consiste em propagar fatos pejorativos que diminuem a fama do outro.De forma mais sutil, o silêncio ou a aparente indiferença aos méritos alheios podem revelar a inveja que se tenta esconder. 

Ou uma espécie de resistência ou bloqueio que nos impede de contemplar com abertura e visão positiva o que os outros fazem, suas conquistas, seu valor pessoal, também pode ser uma manifestação sutil desse problema. Outros recursos, como a zombaria ou a ironia das qualidades ou dos bons resultados do outro, muitas vezes têm a intenção de subestimar seus méritos e entorpecê-los, pela inveja que produzem. 

O invejoso tem dificuldade em elogiar e, quando não tem outra escolha a não ser fazê-lo pela evidência dos fatos, sente-se compelido a acrescentar um complemento redutivo ao elogio: fulano é muito inteligente, mas não muito culto; mengano tem muito prestígio profissional, mas é egoísta; e assim por diante. 

Ou, no melhor dos casos, dirá: deve-se reconhecer que é um bom arquiteto ou um médico competente, se não houver outra saída senão aceitá-lo. O invejoso tem dificuldade em elogiar e, quando não tem escolha senão fazê-lo pela evidência dos fatos, sente-se obrigado a acrescentar um complemento redutor ao elogio: fulano é muito inteligente, mas não muito culto; mengano tem muito prestígio profissional, mas é egoísta; e assim por diante. Ou, no melhor dos casos, dirá: é preciso reconhecer que é um bom arquiteto ou um médico competente, se não houver outra saída senão aceitá-lo. 

O invejoso tem dificuldade em elogiar e, quando não tem outra escolha a não ser fazê-lo pela evidência dos fatos, sente-se compelido a acrescentar um complemento redutivo ao elogio: fulano é muito inteligente, mas não muito educado; mengano tem muito prestígio profissional, mas é egoísta; e assim por diante. Ou, no melhor dos casos, dirá: deve-se reconhecer que é um bom arquiteto ou um médico competente, se não houver outra saída senão aceitá-lo.

A inveja geralmente também tem manifestações corporais. Como o ser humano forma uma unidade, não só o físico impacta o psíquico —como a saúde no estado de espírito—, mas também o contrário: as emoções podem produzir efeitos fisiológicos. E assim como a vergonha deixa o rosto vermelho, o sentimento de inveja parece gerar uma redução na circulação sanguínea, o que se reflete na palidez do rosto. É por isso que falamos de inveja pálida ou inveja lívida.

Quevedo dizia que “a inveja é tão magra e amarela porque morde e não come”. Por fim, existe uma versão peculiar da inveja, que manifesta com muita clareza a sua maldade e consiste em alegrar-se com a desgraça alheia, desfrutando vagarosamente de cada uma das desgraças que acontecem ao outro.

inclinação especial para invejar

Embora qualquer pessoa possa sentir inveja, há quem tenha uma propensão especial. Tomás de Aquino diz que os ambiciosos de honra, os medrosos e os velhos tendem a ser invejosos98. Deixando de lado este último, cuja tendência à inveja pode ter origem na falta de aceitação das limitações impostas pela idade, vejamos os outros dois casos. O pusilânime, mesquinho, costuma sofrer de um sentimento de inferioridade que o leva a sentir-se atacado por tudo que lhe é superior e, nessa medida, considera-se diminuído. Esse sentimento geralmente está ligado à insegurança causada por diversos fatores, entre eles: falhas não resolvidas internamente, falta de resultados no cumprimento das obrigações ou nas metas propostas, algum defeito físico não assimilado, e assim por diante.

A solução neste momento é, por um lado, aceitar as próprias limitações e, por outro, tomar consciência dos próprios valores e capacidades, que geralmente são mais do que se admite, para se esforçar para obter o máximo deles, com base no desenvolvimento pessoal e no serviço ao próximo.

O ambicioso de honra também está especialmente exposto à inveja por seu egocentrismo e vaidade. Ele tem um desejo desmedido de se destacar em tudo e não suporta quando alguém o supera. Quando isso acontece, ele sente que um direito que considera exclusivo foi usurpado, e a reação de inveja não tarda a surgir. O efeito final é a tristeza, que pode se transformar em frustração ou mesmo ressentimento acompanhado de uma reação vingativa.

natureza da inveja

De acordo com a estrutura e constituição da pessoa humana, é possível distinguir várias dimensões na inveja. Em primeiro lugar, é um sentimento, uma paixão, como adverte García Hoz: “No panorama psicológico, a inveja ocupa um lugar entre os sentimentos superiores (…); é uma tendência de aversão contra a qual, pelo mero o fato de sua superioridade nos afeta de maneira desagradável; essa consciência da própria inferioridade é fundamental (99).

A paixão da inveja pode ir além do nível racional da pessoa, fazendo-a perder o controle de si mesma, e levá-la a reações violentas e descontroladas, como se vê em várias passagens da Sagrada Escritura: por inveja, Caim matou seu irmão Abel (100 ), Esaú odiava Jacó (101), José foi vendido por seus irmãos (102) Saul tentou matar Davi, (103) Jesus foi condenado à morte (104).

A inveja também é um ato da vontade, dotado – por ser voluntário – de liberdade e, por ir contra a ordem estabelecida por Deus, “a inveja é um pecado capital. Manifesta a tristeza vivida diante do bem do próximo e o desejo desordenado de possuí-lo, mesmo que seja é indevidamente (105). Do ponto de vista moral, é necessário diferenciar entre um ato livre da vontade e o mero sentimento como tendência emocional. Este último, se não for consentido – se a vontade o rejeitar e tentar neutralizar a má inclinação (106 ) – não é pecado. Finalmente, quando os atos livres são repetidos em ocasiões sucessivas, tendem a dar origem a hábitos que, se forem maus, são chamados de vícios. Assim, a inveja se torna um vício se o ato é repetido continuamente. Quando a paixão se junta ao vício, as consequências podem ser imprevisíveis.”A inveja é um vício e uma paixão; a primeira se opõe à virtude e a segunda recai sobre o plano afetivo, mas como algo que tanto arrebata, que tem tanta força devido ao seu conteúdo, que sendo algo emocional é capaz de ultrapassar o nível intelectual e causar nele uma cegueira de suas faculdades.107 Portanto, a inveja não só vai contra a felicidade do invejoso que dela sofre, mas em alguns casos também contra o invejado.mas em alguns casos também contra os invejados.mas em alguns casos também contra os invejados.

A emulação é o outro lado da inveja e, se possível, seu lado positivo. Emular é imitar, com sadia competitividade, triunfos e exemplos positivos observados em outras pessoas. Responde a um sentimento nobre e autêntico de melhoria. Não é contra a felicidade. Por isso, em linguagem coloquial costuma ser chamada de inveja saudável ou inveja boa: conduz a própria pessoa, graças a um esforço de sua vontade —estimulada pelo triunfo dos outros—, a empreendimentos humanos de alto nível. Na ordem sobrenatural é até possível falar de santa inveja (108).

Soluções de dar inveja

Depois de ver tão claramente a gravidade da inveja — “não há nada mais implacável e cruel do que a inveja (109), disse Schopenhauer — e o sério obstáculo que ela representa para a felicidade, que meios podem ajudar a superá-la? A solução ela estará em tudo que favorece a capacidade de “alegrar-se com o bem alheio”, que é justamente o oposto da inveja.

As disposições adequadas seriam as seguintes:

1) Aceitar-se, incluindo defeitos e qualidades, para aceitar os outros com seus valores e suas realizações
2) Não se compare egocentricamente com os outros, nem faça deles o seu julgamento sobre si mesmo, compare-se, ao contrário, positivamente, com a intenção de melhorar a si mesmo (emulação).
3) Cultivar o esquecimento de si mesmo e o serviço ao próximo, para ganhar humildade e valorizar quem nos rodeia.
4) Promover a magnanimidade, a grandeza de espírito, para erradicar todos os sentimentos de inferioridade.
5) Amar os outros, para que o seu progresso, as suas qualidades e os seus sucessos sejam vistos como motivo da sua própria alegria.
6) Saber-se amado por Deus, tendo em conta que a pessoa humana é “a única criatura na terra que Deus amou por si mesma (110)