O rapaz que entrou no atoleiro

aqui

Certa vez, dois amigos foram pescar. Um deles quis atravessar um brejo e, de repente, estava dentro de um atoleiro. Quanto mais se mexia, mais se afundava. E não havia nada firme perto, onde ele pudesse apoiar-se, apenas capim.

Então ele gritou para o colega. Este veio, mas não pôde fazer nada, pois, se entrasse no atoleiro para dar a mão ao amigo, afundar-se-ia também.

O jeito foi pedir para ele ficar quietinho, ir em casa e pegar uma corda. Aí sim, apoiado em terra firme, jogou a corda e arrastou para fora o amigo.

Após a desobediência de Adão e Eva, todos nós ficamos atolados no lamaçal do pecado. Não adianta alguém, atolado também, querer arrastar-nos para fora. Ele vai, junto conosco, atolar-se ainda mais.

Ao ver a situação, Deus Pai ficou com dó e nos mandou o seu Filho. Este sim, tendo os pés apoiados no Céu, pode arrastar-nos para fora, o que ele de fato fez.

A Igreja, una, santa, católica e apostólica, é a presença de Jesus entre nós, o Corpo Místico do Cristo. Apesar de pecadora, ela está fora do atoleiro e pode salvar-nos.

“O que nasceu da carne é carne; o que nasceu do Espírito é espírito… Ninguém subiu ao Céu senão aquele que desceu do Céu, o Filho do Homem” (Jo 3,6-13).Nós precisamos agarrar-nos no sobrenatural, em alguém que não é daqui, mas veio do Céu.

Não adianta alguém, que nasceu aqui no atoleiro, fundar uma religião. A religião é para nos religar com Deus, para levar-nos ao Céu. Como que alguém, que nasceu aqui na terra, e é pecador como nós, vai levar-nos para o Céu? Os seus seguidores podem dar as mãos à vontade, que todos vão afundar-se ainda mais.

Maria Santíssima, por um privilégio especial de Deus, não se atolou. Ela pode nos ajudar; pode e quer, pois é nossa Mãe. Mãe dos pecadores, rogai por nós.