O oposto da perversão é a conversão

conversão, crucifixo, pecado
aqui

Jesus Cristo descreve as pessoas do seu tempo de forma muito dura e diz que são uma geração perversa. Perversos porque têm um sinal e não estão dispostos a aceitar o sinal que Deus lhes dá. O sinal que Cristo dará será a sua Ressurreição. Mas o próprio Cristo está consciente de que não basta que Deus dê sinais aos homens; Cristo está consciente de que é necessário que os homens aceitem os sinais que Deus nos dá, estejam dispostos a abrir o coração aos sinais; Caso contrário, nosso coração será um coração perverso.

O que significa isto? Isso significa que nosso coração pode estar caminhando por um caminho distante de Deus Nosso Senhor, vivendo de forma tortuosa, porque não está aceitando a forma concreta como Deus entra em nossas vidas. Todo este caminho que é a nossa existência está repleto de sinais de Deus. É de uma forma ou de outra, com a presença constante de um Deus que nos aponta, indica, nos empresta, como uma luz que pisca em cada momento da nossa vida. Este é Deus em nossos corações, com todos os sinais que ele nos marca constantemente.

Sinais que às vezes podem nos parecer estranhos, como “a rainha do Sul vai ver Salomão”. O que a rainha do Sul fez para ir ver Salomão? Eu simplesmente tinha ouvido falar de sua sabedoria. O que Jonas pregou aos cidadãos de Nínive? Simplesmente o fato de que Nínive será destruída. A rainha do Sul muda de vida e consegue ir a Israel para ver Salomão e os ninivitas mudarem de vida e se converterem. Ou seja, não é um problema como Deus Nosso Senhor nos envia um determinado sinal para que possamos mudar de vida, o problema é se o nosso coração está abrindo os olhos para esses sinais, se está sempre disposto a ouvir para o que Deus quer.

E aqui onde Jesus Cristo nos põe em guarda: tenha cuidado, porque nenhum outro sinal lhe será dado além do sinal do profeta Jonas, a Ressurreição de Cristo. Este sinal nos é apresentado na vida de uma forma que temos que aceitá-lo, arriscando a vida. Quando Cristo aparece na nossa vida, não nos dá muita segurança, pelo contrário, coloca-nos em maior risco. Cristo, quando entra em nossa existência, nos faz correr mais riscos. A rainha do Sul poderia ter dito: “Como vou lá ouvir um rei que se diz ser muito sábio?” O povo de Nínive poderia ter dito “ Este homem está errado! Por que ele terá que destruir nossa cidade dentro de três dias se não mudarmos nossa existência? E a rainha do Sul teria ficado sem conhecer a sabedoria e os habitantes de Nínive teriam ficado sem conhecer a Misericórdia de Deus. Não terão conseguido captar o sinal com que Deus, naquele momento, passava pelas suas vidas. Eles não teriam conseguido captar a luz com a qual Deus, naquele momento, queria iluminar a sua existência.

Quando olhamos para a nossa própria existência e começamos a ver a quantidade de sinais que não captamos e a quantidade de vezes que a luz não brilhou em nossos corações, podemos nos perguntar: o que faço agora se me resta muitos sinais, muitas luzes? de Deus?

Não será um passo gigante para minha alma? Serei capaz de voltar atrás? Será que a rainha do Sul teria a oportunidade de reencontrar Salomão? Será que os habitantes de Nínive teriam tido a possibilidade de voltar a ouvir Jonas novamente? Não sabemos. Sabemos de uma coisa como dissemos no Salmo “Um coração contrito. Deus não o despreza.” Que se dentro de nós existe o anseio e o desejo de voltar para Deus, Ele estará sempre pronto para nos dar novamente a Sua luz. Deus estará sempre pronto para aparecer novamente em nossas vidas.

Como Deus nos envia sinais? Deus os envia para nós fundamentalmente através da nossa consciência. Uma consciência que deve estar constantemente à procura de Deus; uma consciência que nunca deve parar apesar das barreiras dos muros que existem na própria alma.

O oposto da perversão é a conversão. Se a nossa alma estiver constantemente se convertendo a Deus, mesmo que a sua vida encontre mil defeitos, mil problemas, mil relutâncias, mil medos, você encontrará o Senhor. Foi a mesma coisa que aconteceu com os habitantes de Nínive. É a frase final, com a qual o rei de Nínive termina o seu mandato: “Talvez Deus se arrependa e nos perdoe, apazigue o fogo da sua ira e assim não morreremos”. Embora encontre muros, dificuldades; Embora nós próprios sejamos os primeiros a sentir-nos um obstáculo ao regresso de Deus, não esqueçamos que Ele está sempre no caminho da conversão. Ele está sempre presente, pronto para nos dar a mão, para nos oferecer a possibilidade de voltar para Ele.

Por que ficar desanimados quando em nosso caminho de conversão encontramos algo que parece tremendamente difícil de superar? Somos maiores que a Misericórdia de Deus? O fato de uma mulher ir ouvir Salomão, ou de uma cidade inteira se converter à voz de um profeta, é mais milagroso do que a Ressurreição do Filho de Deus?

Nesta Quaresma temos que ver até que ponto estamos aceitando os sinais que Deus nos dá. Vendo como Deus fala comigo, que por trás disso como Deus fala comigo, às vezes eu gosto, com tristeza, às vezes com um tremendo quebrantamento de coração e às vezes com muita alegria na alma. Esses sinais de Deus têm um selo atrás deles que é a Ressurreição de Cristo e se os aceitarmos, não estaremos simplesmente aceitando um Deus que passa pela nossa vida, mas estaremos aceitando a garantia com a qual, Deus NS passa nossas vidas.

Façamos da nossa existência, do nosso caminho, do nosso encontro com Deus, uma aceitação constante do modo como Deus me falou, mesmo que eu não o compreenda. “Embora Salomão esteja muito longe.” Abramos os nossos olhos, abramos os nossos corações, as nossas vidas aos sinais de Deus e deixemos que o Senhor aponte, indicando para onde nos quer levar.

Se um dia não sabemos para onde Ele nos leva, preocupemo-nos apenas em não perder de vista os sinais de Deus. Não importa para onde Ele nos leve, esse é o problema Dele. Nosso verdadeiro problema é não perder de vista os sinais de Deus, porque onde quer que Ele nos leve, teremos sempre a certeza de que Ele está nos levando pelo caminho sempre correto, pois aquele Nós precisamos ir.

Que esta seja a nossa oração e o fruto mais profundo desta Quaresma: sermos tão autênticos conosco próprios que possamos ver a autenticidade com que Deus nos fala. Que a autenticidade de Deus nunca entre em conflito com a inautenticidade da nossa vida. Que a autenticidade com que Ele se manifesta na nossa existência, através dos Seus sinais, encontre sempre como eco o coração aberto, disposto, autêntico, que recebe todos os sinais que o Senhor lhe dá.

P. Cipriano Sánchez