O homem humilde não é nervoso

A humildade nos une a Deus
aqui

Uma atitude que nos ajuda a superar os limites e fraquezas de nossas vidas é a humildade. O que é humildade? O Padre Kentenich, fundador do Movimento Apostólico de Schoenstatt, diz: A humildade é a virtude moral pela qual o homem se sente totalmente fraco, quando está separado de Deus, e totalmente forte quando está imerso em Deus.

Humildade é algo muito diferente de sentimentos ou complexos de inferioridade: são expressões de desânimo ou depressão. Em nosso tempo, muitos sofrem desses complexos e sentimentos, especialmente pessoas com temperamento melancólico.

Humildade como pequenez e grandeza
A humildade contém dois sentimentos de vida aparentemente opostos: pequenez e grandeza. Aqueles que apenas experimentam sua pequenez acabarão caindo em complexos de inferioridade. Por outro lado, aqueles que apenas experimentam a grandeza se tornarão orgulhosos e presunçosos. Em Maria, o ser humano por excelência, há o equilíbrio perfeito: em si mesma ela se sente pequena, mas ao mesmo tempo se sente amada e engrandecida por Deus.

Humildade como grandeza
É, então, saber-me aceito, valorizado e amado pelo Pai. É o descanso em um você que me dá segurança. É essa experiência que acalma meu coração e me permite aceitar a pequenez e as limitações sem angústia. E posso me sentir amado e, portanto, grande e importante aos olhos de Deus.

Humildade como pequenez
É aceitar-me como criatura limitada e pecadora diante do Deus perfeito e santo. Portanto, Santa Teresa pode dizer que a humildade é verdadeira. O homem autêntico está bem quando é verdadeiro: é a espontaneidade de quem não tem nada a esconder, é a espontaneidade da criança.

Humildade, portanto, não é esconder talentos. O ideal bíblico de mansidão não é o mesmo que falta de caráter; paciência não é covardia e passividade; pequenez e simplicidade não é mediocridade. Quando Jesus fala dos aflitos e sobrecarregados, ele não está se referindo a uma melancolia doentia…

Se isso não funcionar para nós, nunca seremos livres. Pelo contrário, facilmente se traduz em problemas psicológicos e até fisiológicos.

Nervos
É por isso que o Padre Kentenich também diz: Em geral, o homem humilde não está nervoso. Ou dito de outra forma: se estamos nervosos – não quando temos nervos fracos, mas quando estamos realmente nervosos – temos que analisar se não é porque em nossas vidas vemos uma grande falta de humildade.

Nesse sentido, a pequenez é para o Pe. Kentenich não dar importância a mim mesmo. Nem minha pessoa é importante, nem minha saúde, nem minha honra, nem meu trabalho, nem meu amor, nem minha miséria. Tudo o que se refere ao meu próprio eu, não importa. Eu sou apenas um instrumento.

Então quem é importante? Só Deus Pai, só a Ele devemos dar importância. Ele é a pessoa mais transcendental em nosso mundo. Só dou importância à obra de Deus, o Reino do Pai. Ele faz tudo, eu só o ajudo um pouco. A honra do que estou fazendo não é para mim, mas para Deus. Não eu, mas Deus. Eu devo diminuir e ele deve crescer (Jo 3,30), disse São João Batista.

Se assim não dou importância a mim mesmo, mas somente a Deus Pai e sua obra, então Ele dá importância a mim. Quanto menos importância me dou, tanto mais importo para Ele. É o mistério da autêntica filial: porque sou pequeno, Deus Pai me agrada; porque sou pequeno, por isso sou grande.

E aqui entendemos aquela outra palavra do Padre Kentenich: Tu és aquele que faz as maiores obras somente no menor e através do menor.

Perguntas para reflexão

1. Considero-me uma pessoa nervosa?
2. Como relaciono meus nervos e minha falta de humildade?
3. O que a frase não dar importância a mim mesmo me diz?

Padre Nicholas Schwizer