Mateus 27, 45-56 Jesus morre na cruz

146

PRECISO MUITO TE AJUDA !
Divida desse mês é de R$ 514,00 (referente a mensalidade do servidor do site) Data para acertar o pagamento: 17/06
Valor arrecadado: R$ 104,89
FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR
PIX CHAVE EMAIL: doacao@catequizar.com.br
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Leitura do Evangelho: Mateus 27, 45-56 Jesus morre na cruz. “E Jesus voltou a gritar com grande voz e entregou o seu espírito 

45 Desde a hora sexta houve trevas em toda a terra até a hora nona. 46 E por volta da hora nona Jesus clamou em alta voz: “Eli, Eli, la’ma sabach-tha’ni?” isto é, “Meu Deus, meu Deus, por que me desamparaste?” 47 E alguns dos espectadores ouvindo isto disseram: “Este homem está chamando Eli’jah”. 48 E um deles imediatamente correu e pegou uma esponja, encheu-a com vinagre, e colocou-a sobre uma cana e deu a ele de beber. 49 Mas os outros disseram: “Espere, vamos ver se Elias virá salvá-lo.” 50 E Jesus tornou a clamar em alta voz e entregou o seu espírito. 

51 E eis que a cortina do templo se rasgou em duas, de alto a baixo; e a terra estremeceu e as rochas se partiram; 52 os túmulos também foram abertos, e muitos corpos de santos que haviam adormecido foram ressuscitados, 53 e saindo dos túmulos depois de sua ressurreição, eles foram para a cidade santa e apareceram a muitos. 54 Quando o centurião e os que estavam com ele, vigiando Jesus, viram o terremoto e o que acontecia, ficaram maravilhados e disseram: “Verdadeiramente este era o Filho de Deus!” 

55 Havia também ali muitas mulheres, olhando de longe, que haviam seguido Jesus desde a Galiléia, servindo-o; 56 entre as quais estavam Maria Madalena, Maria, a mãe de Tiago e José, e a mãe dos filhos de Zebedeu. ficaram maravilhados e disseram: “Verdadeiramente este era o Filho de Deus!” 55 Havia também ali muitas mulheres, olhando de longe, que haviam seguido Jesus desde a Galiléia, servindo-o; 

56 entre as quais estavam Maria Madalena, Maria, a mãe de Tiago e José, e a mãe dos filhos de Zebedeu. ficaram maravilhados e disseram: “Verdadeiramente este era o Filho de Deus!” 55 Havia também ali muitas mulheres, olhando de longe, que haviam seguido Jesus desde a Galiléia, servindo-o; 56 entre as quais estavam Maria Madalena, Maria, a mãe de Tiago e José, e a mãe dos filhos de Zebedeu.

Meditação:  A cruz nos coloca face a face com o sofrimento de Jesus. Ele estava sozinho – todos os seus discípulos o haviam abandonado, exceto sua mãe e três mulheres junto com João, o discípulo amado. E sua morte foi agonizante e humilhante. Normalmente um homem crucificado pode durar vários dias na cruz. Jesus já havia sido açoitado, espancado com varas e uma coroa de espinhos cravada em seu crânio. Não é de admirar que ele tenha morrido no meio da tarde. Marcos descreve graficamente o fim como uma “escuridão sobre toda a terra” (15:33). Esta foi a hora de Satanás quando ele viu o Filho de Deus morrendo na cruz. Mas essa morte também foi sua ruína. Por meio de sua obediência até a morte, Jesus reverteu a maldição da desobediência de Adão e conquistou a liberdade e o perdão para nós.  (1 Pedro 2,24).

Uma das grandes consequências do pecado é que ele nos separa de Deus. Visto que Jesus carregou o peso de nossos pecados sobre si mesmo, ele experimentou em sua agonia na cruz como foi aquela separação. É por isso que ele orou as palavras do Salmo 22: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Este é um salmo messiânico que prediz o sofrimento que Jesus sofreu: “traspassaram-me as mãos e os pés – posso contar todos os meus ossos – me olham e se alegram; repartem entre si as minhas vestes” (22: 16- 18). E termina com uma nota de triunfo e justificativa: “A posteridade o servirá; os homens anunciarão o Senhor à geração vindoura, e reivindicarão sua libertação a um povo ainda não nascido, de que ele o fez” (22,31).

Quando Jesus expirou, ele gritou um “grito alto”. Tanto Mateus quanto Lucas mencionam esse grito (Mateus 27,50 e Lucas 23,46). João nos diz que Jesus morreu com estas palavras em seus lábios: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!” (João 19,30). Essas palavras de despedida expressam triunfo em vez de derrota. Jesus baixou a cabeça e desistiu de seu espírito sabendo que a contenda havia acabado e a batalha ganha. Mesmo na cruz, Jesus conheceu a alegria da vitória. O que o Pai o enviou ao mundo para fazer agora foi cumprido. Cristo se ofereceu sem mancha a Deus e afastou o pecado pelo sacrifício de si mesmo (ver Hebreus 9, 24-26 ). Não podemos encontrar prova maior do amor de Deus por nós do que o sacrifício voluntário de seu Filho na cruz.“Ó morte, onde está a tua vitória? Ó morte, onde está o teu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e o poder do pecado é a lei. Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo. ” (1 Cor. 15, 55-57)

Agostinho, o grande padre da Igreja do século V, nos exorta a contemplar o amor de Deus encarnado na cruz: “Como eles estavam olhando , nós também contemplamos suas feridas enquanto ele está pendurado. Vemos seu sangue enquanto ele morre. o preço oferecido pelo redentor, toque as cicatrizes de sua ressurreição. Ele inclina a cabeça, como se fosse beijar você. Seu coração se abre, por assim dizer, apaixonado por você. Seus braços estão estendidos para que ele possa te abraçar . Todo o corpo dele é mostrado para a sua redenção. Reflita sobre como essas coisas são grandes. Deixe tudo isso ser corretamente pesado em sua mente: como uma vez ele foi fixado na cruz em todas as partes de seu corpo por você, agora ele pode ser consertado em cada parte da sua alma. ” [GMI 248]

Na cruz de Cristo, vemos o triunfo de Jesus sobre seus inimigos – pecado, Satanás e morte. Os escritores cristãos ao longo dos séculos cantaram os louvores da Cruz de Cristo. O apóstolo Paulo exclamou: “Longe de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo” (Gálatas 6,14). “Algumas gotas de sangue renovam o mundo inteiro!” Ouça o que Gregory Nazianzen, um pai da igreja do século 6, tem a dizer: “Muitos, de fato, são os acontecimentos maravilhosos daquela época: Deus pendurado em uma cruz, o sol escurecido e novamente flamejante; pois era apropriado que a criação chorasse seu criador.

O véu do templo rasgou-se, sangue e água fluindo de seu lado: um como de um homem, o outro como do que estava acima do homem; a terra tremeu, as rochas se despedaçaram por causa da rocha; os mortos ressuscitaram para testemunhar para a ressurreição final e universal dos mortos. Os acontecimentos no sepulcro e depois do sepulcro, quem pode recontá-los apropriadamente? No entanto, nenhum deles pode ser comparado ao milagre da minha salvação. Algumas gotas de sangue renovam o mundo inteiro , e fazer por todos os homens o que o coalho faz pelo leite: juntando-se a nós e nos unindo. [Na Santa Páscoa, Oração 45.1]

“A cruz de Cristo é a porta para o céu, a chave do paraíso, a queda do diabo, a elevação da humanidade, a consolação de nossa prisão, o prêmio de nossa liberdade . ”  A Cruz de Cristo é a salvaguarda da nossa fé, a certeza da nossa esperança e o trono do amor. É também o sinal da misericórdia de Deus e a prova do perdão. Por meio de sua cruz, Jesus redimiu nosso pecado e expiou nossa punição. O caminho para a paz, alegria e justiça no reino de Deus e o caminho para a vitória sobre o pecado, desespero e morte é por meio da cruz de Jesus Cristo. Você segue voluntariamente a Jesus em seu caminho da cruz com alegria, esperança e confiança?

“Senhor Jesus Cristo, por sua morte na cruz você ganhou perdão para nós e liberdade da tirania do pecado e da morte. Que eu possa viver na alegria e liberdade de sua vitória sobre o pecado e a morte.”