Lutar pela vida

Deus se aproxima de nós mesmo diante das dificuldades
Material para catequese
Material para catequese

— Ser generoso no diálogo com Deus envolve uma luta constante ao longo da vida. Essa abordagem não é um pouco extenuante?

Todas as pessoas têm que lutar e se esforçar para serem melhores a cada dia. Aqueles que o fazem, alcançam muito mais satisfação e felicidade em suas vidas. Por outro lado, quem se abandona e evita a luta pessoal para melhorar, acaba tendo que lutar ainda mais para defender seus apegos e misérias, apesar de muitas vezes serem coisas mesquinhas que os envergonham. Nesse sentido, pode-se dizer que lutar é um descanso, pois, pelo menos a longo prazo, a virtude alivia e o vício, por outro lado, não satisfaz, mas é como uma droga, que cria vício, que cada vez exige mais e dá menos. Devemos contar com o esforço, com a luta, com a cruz do Senhor. Aquele que não conta com a cruz, encontra-a de qualquer maneira e, além disso, encontra o desespero na cruz. Por outro lado, quando contamos com ela, ainda que venham momentos difíceis,

Com isso quero dizer que não deve haver uma imagem negativa da luta ascética ou entrega a Deus. Estar em boa forma física exige um esforço, mas essa mesma boa forma significa que cada vez esses esforços são menores. E da mesma forma, pode-se dizer que cuidar do espírito torna cada vez menos difícil o caminho da virtude.

— Mas às vezes vem tempos ruins quando não é assim,

é verdade. Assim como podemos estar em boa forma física mas, em determinado momento, passar por uma fase pior, ou por causa de uma doença, ou de uma lesão. Mas isso não tira o que foi dito acima.

A vida tem momentos de euforia e outros de desânimo (às vezes, no mesmo dia), e devemos saber superar os efeitos negativos desses ciclos de humor. Esses momentos ruins podem advir do fato de que Deus permitiu um estágio de aridez interior, não por culpa nossa, por motivos que Ele bem conhece (purificando-nos, melhorando nossa retidão de intenção, tornando-nos participantes de sua cruz); ou podem vir de nosso descuido pessoal, porque estamos nos esquivando do esforço necessário para melhorar.

A esta última referia-se Santa Teresa, ao recordar uma longa fase de inquietação interior, provocada precisamente por evitar o que Deus lhe pedia: “Passei uma vida muito dura… Por um lado, Deus chamou-me; por outro, eu seguia o mundano. Eles me deram Eu estava muito contente com as coisas de Deus; as coisas mundanas me amarravam. Parece-me que ele queria arranjar esses dois opostos, tão inimigos um do outro, como a vida espiritual e o contentamento mundano e gostos e passatempos. (…) Passei quase vinte anos neste mar tempestuoso… Posso dizer que é uma das vidas mais dolorosas que penso que se possa imaginar: porque não gozei de Deus, nem fui contente com as coisas mundanas. , estava com tristeza; quando eu estava com Deus, as afeições mundanas me perturbavam. É uma guerra tão dolorosa,Não sei como aguentei isso por um mês, quanto mais por tantos anos.”

— Mas, mesmo que você decida ser mais generoso, virão aqueles dias ruins em que custará muito ser fiel à palavra dada a Deus.

Em nossas vidas teremos muitas ocasiões para não ser leais, mas nessas ocasiões é precisamente onde o nosso amor é testado bye bye. A lealdade, a fidelidade de uma pessoa, manifesta-se sobretudo nas situações difíceis, quando o bom está rodeado de inconvenientes e o mau atrai-nos muito. Honestidade é mostrada, por exemplo, quando alguém tenta suborná-lo e você realmente precisa daquele dinheiro, fidelidade conjugal quando um pedido é feito e coragem quando os outros estão com medo. A virtude é reconhecida quando é capaz de agir na adversidade.

— Isso soa um pouco como ter que ficar aborrecido porque você já deu sua palavra antes

Pode ser visto assim, como se fosse uma simples obrigação decorrente de um contrato, mas que é esvaziar de conteúdo um compromisso amoroso. Porque o compromisso vocacional é um compromisso de amor (assim como o casamento não é um simples contrato, ainda que haja contrato). Ser chamado por Deus é uma grande sorte. É estar naquele grupo de discípulos que seguia mais de perto o Senhor, porque Ele chamava todos à santidade, mas aqueles de modo especial.

E embora possa haver momentos em que a fidelidade é sustentada por um simples sentimento de fidelidade à palavra dada, isso não diminui o mérito –pelo contrário– nem a eficácia dessa fidelidade. Sabemos, por exemplo, que Santa Teresa, uma grande santa, passou muitos anos dizendo que lhe parecia que Deus não existia, mas foi guia e modelo para inúmeras pessoas, porque foi fiel a Deus. E Madre Teresa de Calcutá, como já comentamos, também viveu longos anos de escuridão interior, e sua fidelidade na escuridão encheu de luz milhões de almas.

— Então, o que você recomenda para mudanças de humor, para crises?

Nos períodos baixos, quando nosso mundo interior está frio e cinzento, qualquer pequena tentação tende a ocupar toda a mente e carrega um peso desproporcional. Portanto, é fácil ser enganado pensando que nossa conversão inicial ou entusiasmo vocacional sempre deveria ter sido mantido. Ou acreditamos que a aridez atual será uma situação igualmente permanente e amargará nossa existência. Se essa ideia estiver fixada na mente, deixamos o campo aberto para o desespero, ou para um voluntarismo que insiste em recuperar os antigos sentimentos de entusiasmo por pura força de vontade, que é sempre desgastante. Ou chegamos à convicção de que os primeiros entusiasmos foram um ingênuo acesso juvenil que o tempo vai colocando em seu lugar, e que na realidade tudo foi uma “fase” da vida que já passou.

— Mas é que algo disso pode ser verdade

Sem dúvida. Mas se você aplicar essa abordagem a qualquer objetivo ou conquista que uma pessoa estabeleceu para si mesma, e fizer isso quando ela estiver passando por um momento ruim, não há meta de longo prazo que possa ser alcançada, porque sempre há momentos ruins. , e perseverança e fidelidade dependem precisamente da capacidade de superá-los. “Para construir a própria vida – explicou Bento XVI – também o nosso futuro exige paciência e sofrimento. A Cruz não pode faltar na vida dos jovens, e fazer isso compreender não é fácil. O montanhista sabe que para fazer uma uma boa experiência de escalada terá que enfrentar sacrifícios e treinos, assim também o jovem tem que entender que na escalada para o futuro da vida é necessário exercitar uma vida interior”.

Por: Alfonso Aguiló