Nesta Vigília de Pentecostes, somos motivados a acolher o grande dom do Espírito. Ele, que vem em socorro de nossa fraqueza e reúne o que está disperso, acenda em nós o amor e a alegria de sermos a assembleia amada de Deus.

A Palavra de Deus gera e renova em nós o frutos do Espírito, para superar as divisões e saciar nossa sede de vida e dignidade.

Quando chegou o dia de Pentecostes, estavam todos juntos num mesmo lugar. E sobreveio de repente um ruído do céu, como de um vento impetuoso, que encheu toda a casa em que se encontravam. O Espírito Santo manifestou-se por meio dos elementos que costumavam acompanhar a presença de Deus no Antigo Testamento: o vento e o fogo – Voltamos a encontrar os elementos do vento e do fogo no Pentecostes do Novo Testamento, mas sem ressonâncias de medo. Em particular, o fogo adquire a forma de línguas que se pousam sobre cada um dos discípulos, que “ficaram todos cheios de Espírito Santo” e, em virtude de tal efusão, “começaram a falar outras línguas” (At 2, 4). (SS Bento XVI, Hom. Pentecostes, 11-V-2008).

A Primeira Leitura – Gn 11,1-9 – mostra que o desejo de chegar ao céu contrasta com a decisão de Deus de descer ao solo humano. Quando o orgulho e a arrogância intentam dispensar Deus do cotidiano da vida, a confusão toma conta da sociedade. O que impede a comunicação e o entendimento entre as pessoas não é a diversidade de línguas e culturas, mas a arrogância, que transforma a diversidade em discriminação e barreiras.

A

Segunda Leitura – Rm 8,22-27 – mostra que toda obra criada geme e sofre enquanto não houver libertação de tudo aquilo que impede viver em plenitude. A natureza e a humanidade, cada vez mais, gemem e sofrem diante da degradação a que são submetidas pelo capricho de gananciosos. Com a degradação da natureza, é o próprio ser humano que sofre.

Uma vez mais, Jesus sobe a Jerusalém, sempre acompanhado por uma multidão de pessoas, pois sua fama já se espalhara por toda a parte. Sua pessoa perturbava os judeus e os gregos pelo fato de Ele perdoar os pecadores, como só Deus é capaz de perdoar, provocando as mais diversas reações. Eles se sentem confusos, ao ouvi-lo dizer que “o filho do homem não veio à terra para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em ‘resgate’ de muitos”. Assim como outrora Deus salvou o seu povo, agora o Senhor resgata os seus seguidores, conduzindo-os para o “novo céu e a nova terra”. Jesus não está à procura de servos, mas sim de irmãos que o sigam com um amor desinteressado e dadivoso.

No

Evangelho – Jo 7,37-39 – Jesus se apresenta como a fonte de onde jorra a água que sacia as necessidade mais profundas do ser humano, sedento de dignidade. Em Jesus está presente a vida em plenitude, a qual é oferecida a todos os que a desejarem. Convidando a beber, o Mestre propõe-se a aplacar a sede de quem a sente. O satisfeito, o acomodado e o orgulhoso não se aproximam dele, porque se consideram saciados. Jesus diz hoje a mim e a você: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba” (João 7, 37).  Jesus é aquele que sacia a nossa sede. E de que forma o Senhor a sacia? Ele nos faz ficar inebriados nas fontes de água viva, a qual jorra para a eternidade. Jesus nos mergulha no Seu Espírito, Jesus nos deixa inebriados com Seu Santo Espírito e nos faz plenos e repletos d’Ele [Espírito Santo]. E como nós precisamos deste Espírito, precisamos d’Ele para continuar vencendo, para continuar lutando, para continuarmos em pé no seguimento de Jesus Cristo e não desanimarmos!

E

uma vez que esse mesmo Espírito é derramado sobre nós, uma vez que nós nos encharcamos desse mesmo Espírito, rios de água viva jorram do nosso interior. E desses rios de água, que jorram de nós, brotam os frutos do Espírito que habitam em nós. O rio que jorra para todos os lados, esparrama água, esparrama o frescor e o vigor que vem dessa água pura, límpida que renova e faz novas todas as coisas!

Aquele que é cheio do Espírito está derramando o Seu Espírito, está jorrando para quem está do Seu lado e os frutos d’Ele: a alegria, a paz, o amor, a bondade, a generosidade, a afabilidade, a caridade, a temperança e tudo aquilo que nós conhecemos da vida nova que o Espírito faz brotar em nós.

Jesus se refere à água viva, ou seja, à água da vida eterna, profetizada por Zacarias, que descreve a vinda do Messias como águas vivificantes saindo de Jerusalém: “Naquele dia, águas vivas sairão de Jerusalém”. Jesus é o novo Moisés, que proporciona vida “em abundância”, pois dele correrão rios de água viva, que são os dons messiânicos, comunicados por Ele na doação de sua vida e na manifestação do seu amor, para todos os tempos. O modo de beber desta água é crer nele, pois “quem crê em mim, diz o Senhor, de seu seio jorrarão rios de água viva”. “Ele falava do Espírito que deviam receber os que nele cressem”, sinal da era messiânica, que seria reconhecida pela superabundância da comunicação do Espírito, segundo a profecia de Joel, citada por S. Pedro ao explicar o Dom de Pentecostes. 

Pentecostes é a coroação da Páscoa de Cristo. Nele, acontece a plenificação da Páscoa, pois a vinda do Espírito sobre os discípulos manifesta a riqueza da vida nova do Ressuscitado no coração, na vida e na missão dos discípulos. Ressalta-se a importância de Pentecostes nas palavras do Patriarca Atenágoras (1948-1972): “Sem o Espírito Santo, Deus está distante, o Cristo permanece no passado, o evangelho uma letra morta, a Igreja uma simples organização, a autoridade um poder, a missão uma propaganda, o culto um arcaísmo, e a ação moral uma ação de escravos”. O Espírito traz presente o Ressuscitado à sua Igreja e lhe garante a vida e a eficácia da missão.

Dada sua importância, a celebração do Domingo de Pentecostes inicia-se com uma vigília, no sábado. É a preparação para a vinda do Espírito Santo, que comunica seus dons à Igreja nascente.

O Pentecostes é, portanto, a celebração da efusão do Espírito Santo. Os sinais externos, descritos no livro dos Atos dos Apóstolos, são uma confirmação da descida do Espírito: ruídos vindos do céu, vento forte e chamas de fogo. Para os cristãos, o Pentecostes marca o nascimento da Igreja e sua vocação para a missão universal.

Vem Espírito Santo, vem! Vivamos intensamente esta Vigília de Pentecostes! O Espírito Santo não cessa de atuar na Igreja, fazendo surgir por toda a parte novos desejos de santidade, novos filhos e, ao mesmo tempo, melhores filhos de Deus, que têm em Jesus Cristo o Modelo perfeito, pois Ele é o primogênito de muitos irmãos. E Nossa Senhora, pela sua colaboração ativa com o Espírito Santo nas almas, exerce a sua maternidade sobre todos os seus filhos. Por isso é proclamada Mãe da Igreja, quer dizer, Mãe de todo o Povo de Deus, tanto dos fiéis como dos Pastores, que a chamam Mãe amorosa. Queremos  proclamava São Paulo VI  que de agora em diante seja honrada e invocada por todo o povo cristão com esse título gratíssima. Santa Maria, Mãe da Igreja, rogai por nós e ajudai-nos a preparar a vinda do Paráclito às nossas almas.

Padre Wagner Augusto Portugal.

AJUDE A MANTER O SITE NO AR !

Nosso site tem uma divida mensal e a cada dia está mais difícil manter o site no ar. Doe qualquer valor e você ira muito ajudar na manutenção e permanência do site no ar ! O seu gesto de amor ajudara muitos catequistas que visitam nosso site

FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR

PIX CHAVE CPF: 16800472808
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

ou

PIX CHAVE EMAIL: [email protected]
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Deus te abençoe !