Oração diária Jesus Cristo Rei do universo

34ª Domingo do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

11 de novembro de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Espírito de fidelidade ao Pai, faze o Reino acontecer na minha vida, como aconteceu com Jesus, levando-me a viver na absoluta submissão ao querer do Pai.

PRIMEIRA LEITURA: 2Sm 5,1-3

Leitura do Segundo Livro de Samuel

Naqueles dias, 1todas as tribos de Israel vieram encontrar-se com Davi em Hebron e disseram-lhe: “Aqui estamos. Somos teus ossos e tua carne. 2Tempos atrás, quando Saul era nosso rei, eras tu que dirigias os negócios de Israel. E o Senhor te disse: ‘Tu apascentarás o meu povo Israel e serás o seu chefe’”.
3Vieram, pois, todos os anciãos de Israel até ao rei em Hebron. O rei Davi fez com eles uma aliança em Hebron, na presença do Senhor, e eles o ungiram rei de Israel.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 121(122)

— Quanta alegria e felicidade: vamos à casa do Senhor!
— Quanta alegria e felicidade: vamos à casa do Senhor!

— Que alegria, quando ouvi que me disseram:/ “Vamos à casa do Senhor!”/ E agora nossos pés já se detêm, Jerusalém, em tuas portas.
— Para lá sobem as tribos de Israel, as tribos do Senhor./ Para louvar, segundo a lei de Israel, o nome do Senhor. A sede da justiça lá está e o trono de Davi.

SEGUNDA LEITURA: Cl 1,12-20

Leitura da Carta de São Paulo aos Colossenses

Irmãos: 12Com alegria dai graças ao Pai, que vos tornou capazes de participar da luz, que é a herança dos santos. 13Ele nos libertou do poder das trevas e nos recebeu no reino de seu Filho amado, 14por quem temos a redenção, o perdão dos pecados. 15Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação, 16pois por causa dele foram criadas todas as coisas no céu e na terra, as visíveis e as invisíveis, tronos e dominações, soberanias e poderes. Tudo foi criado por meio dele e para ele.
17Ele existe antes de todas as coisas e todas têm nele a sua consistência. 18Ele é a Cabeça do Corpo, isto é, da Igreja. Ele é o princípio, o Primogênito dentre os mortos; de sorte que em tudo ele tem a primazia, 19porque Deus quis habitar nele com toda a sua plenitude 20e por ele reconciliar consigo todos os seres, os que estão na terra e no céu, realizando a paz pelo sangue da sua cruz.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 23,35-43

– O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 35os chefes zombavam de Jesus dizendo: “A outros ele salvou. Salve-se a si mesmo, se, de fato, é o Cristo de Deus, o Escolhido!”
36Os soldados também caçoavam dele; aproximavam-se, ofereciam-lhe vinagre, 37e diziam: “Se és o rei dos judeus, salva-te a ti mesmo!”
38Acima dele havia um letreiro: “Este é o Rei dos Judeus”.
39Um dos malfeitores crucificados o insultava, dizendo: “Tu não és o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós!”
40Mas o outro o repreendeu, dizendo: “Nem sequer temes a Deus, tu que sofres a mesma condenação? 41Para nós, é justo, porque estamos recebendo o que merecemos; mas ele não fez nada de mal”. 42E acrescentou: “Jesus, lembra-te de mim, quando entrares no teu reinado”.
43Jesus lhe respondeu: “Em verdade eu te digo: ainda hoje estarás comigo no Paraíso”.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

[apss_share]

Comentário do Evangelho

Todos os anos encerramos o ano litúrgico com a solenidade de Cristo, Rei do universo. Muitos o veem apenas como um crucificado. Nós o vemos como o Senhor da História. Não o vemos como um senhor que domina. Nós o vemos como o bom pastor, preocupado com o bem-estar de suas ovelhas. No entanto, sabemos que um dia ele separará as ovelhas dos cabritos, para que sua bondade faça justiça. Pedimos a ele que dê aos cabritos a graça de se converterem em ovelhas antes do julgamento final, para que todos possam participar do banquete do Reino. Todos nos colocamos diante do trono de Deus e prestamos contas da nossa vida com a firme esperança de receber a coroa da glória. Na cruz, acima da cabeça de Jesus, havia um letreiro “Este é o rei dos judeus”. O letreiro fazia parte da zombaria dos soldados que gritavam: “Se és o rei dos judeus, salva-te a ti mesmo”, como se Jesus precisasse de salvação! Mais verdadeiro foi o malfeitor, com ele crucificado, quando disse “Salva-te a ti e a nós!”. Nós, sim, precisamos de salvação!
No Evangelho de Lucas, Jesus crucificado é apresentado como o “rei dos judeus”. Na verdade, Jesus ultrapassava o mundo dos judeus e se expandia sobre a humanidade como o rei do universo. Aparentemente, na cruz estava um condenado comum. Na realidade, por trás e acima das aparências, o condenado comum é “a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação”. Tudo o que existe “foi criado por meio dele e para ele”. Assim Jesus é apresentado por Paulo aos colossenses: “Em tudo ele tem a primazia”. O letreiro de zombaria acaba sendo verdadeiro, não apenas em relação aos judeus, mas em relação ao mundo inteiro. Ele, Jesus, é o Senhor do Universo, o Senhor da História. Ele é Cristo Rei. Seu reinado, porém, não é de ostentação e dominação. Em seu trono de cruz ele “reconcilia consigo todos os seres, os que estão na terra e no céu, realizando a paz”. Seu reino, eterno e universal, é reino da verdade e da vida, da santidade e da graça, da justiça, do amor e da paz, como é proclamado no Prefácio da festa de Cristo Rei. Seu reinado não é de superioridade e desprezo. Ao contrário, na cruz, ele entra em diálogo com o malfeitor crucificado e lhe promete o paraíso. Jesus, nosso rei messiânico, realiza plenamente toda a esperança de Israel. Ele é o descendente de Davi, o pastor do povo, ungido rei de Israel na presença do Senhor. Não será, porém, apenas descendente de Davi. Seu reinado não é deste mundo e sua função não é aumentar território ou conquistar hegemonia sobre os demais povos. Seu trono é a cruz. Nela ele derruba os muros que separam os povos e mata em seu próprio corpo a inimizade radical que existe entre as pessoas. Seu reino é diferente e nós somos os militantes desse reino. Ele estabelece para sempre a sede da justiça no trono de Davi. Nossa natureza, inclinada ao poder e à vaidade, gosta de se sentar ao lado do trono de quem domina. O trono de Jesus é a cruz, que nossas igrejas têm encimada sobre o altar para nos livrar da tentação da prosperidade da glória deste mundo.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Neste último domingo que antecede o início do Advento, celebramos a Solenidade de Cristo Rei, festa litúrgica instituída em 1925 pelo papa Pio XI. Que possamos, ao longo do dia, aprofundar a nossa fé na realeza de Cristo e nos dispor a colaborar para que o Reino de amor, justiça, paz e fraternidade que Jesus veio implantar se realize entre nós.
Oração: “Senhor Jesus Cristo, envia sobre nós, como prometeste, teu Espírito Santo. Que Ele nos conceda a vida e nos ensine a verdade. Que nele encontremos salvação, felicidade e plenitude de amor. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Leia-o atentamente. Qual é o contexto da narrativa? Quais personagens estão presentes? O que Jesus comunica aos seus discípulos e a nós? Quais palavras mais chamaram sua atenção durante a leitura? Quais expressões se repetem?
“Há nos evangelhos um único texto em que Jesus assume o título de rei: “O sumo sacerdote o interrogou de novo: ‘És tu o Messias, o Filho do Deus Bendito?’ Jesus respondeu: ‘Eu sou’” (Mc 14,61-62). De resto, Jesus rejeita para si o título de rei que pudesse identificá-lo com a esperança de restaurar a monarquia davídica e a libertação do país da dominação estrangeira. Jesus rejeita todos os títulos que poderiam fazer pensar no desejo de poder (Mc 1,25.34.44; 3,12; 5,43; 7,36; 8,26.30). O poder observado no mundo não é o vivido por Jesus e proposto aos seus discípulos: ‘Para vós, não será assim’ (Lc 22,24-27). Jesus se distancia de toda forma de poder e distingue a concepção de poder da comunidade dos discípulos com a comunidade dos ‘grandes deste mundo’. O que deve ser buscado por toda a Igreja é a prioridade do serviço: ‘O maior é aquele que serve’ (Lc 22,27)” (Reflexão de Pe. Carlos Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você? De que forma ele fortalece sua caminhada de fé? Qual é o “poder” vivido por Jesus, proposto aos seus discípulos e a nós? Recolha outros elementos do texto e permita, por alguns instantes, que a Palavra de Deus encontre espaço fecundo em sua mente, coração e ações.

Oração (Vida)
Agradeça tudo o que a Palavra lhe permitiu compreender e experimentar do mistério de Cristo. Apresente ainda ao Senhor a oração que brotou em seu coração durante a leitura orante. Conclua com a oração ao Espírito Santo, do papa Paulo VI: “Ó Espírito Santo! Dai-me um coração grande, aberto à vossa silenciosa e forte palavra inspiradora; fechado a todas as ambições mesquinhas, alheio a qualquer desprezível competição humana, compenetrado do sentido da Santa Igreja! Um coração grande, desejoso de se tornar semelhante ao Coração do Senhor Jesus. Um coração grande e forte, para amar a todos, para servir a todos, para sofrer por todos. Um coração grande e forte, para superar todas as provações, todo tédio, todo cansaço, toda ofensa, toda desilusão. Um coração grande e forte e constante até o sacrifício, quando for necessário. Um coração cuja felicidade é palpitar com o coração de Cristo e cumprir humilde e fielmente a vontade do Pai. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)
De que forma a Palavra de Deus está presente no seu dia, na sua vida?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

[apss_share]