Liturgia diária, São Pedro e São Paulo - Mt 16,13-19

PRECISO MUITO TE AJUDA !
Divida desse mês é de R$ 514,00 (referente a mensalidade do servidor do site) Data para acertar o pagamento: 17/06
Valor arrecadado: R$ 104,89
FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR
PIX CHAVE EMAIL: doacao@catequizar.com.br
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

São Pedro e São Paulo, Apóstolos, Solenidade – Ano Litúrgico A

02 de julho de 2017

ORAÇÃO DO DIA

Pai, consolida minha fé, a exemplo do apóstolo Pedro que, em meio às provações, soube dar, com o seu martírio, testemunho consumado de adesão a Jesus.

PRIMEIRA LEITURA:  At 12,1-11

Leitura dos Atos dos Apóstolos –

Naqueles dias, 1o rei Herodes prendeu alguns membros da Igreja para torturá-los. 2Mandou matar à espada Tiago, irmão de João. 3E, vendo que isso agradava aos judeus, mandou também prender a Pedro. Eram os dias dos Pães ázimos.
4“Depois de prender Pedro, Herodes colocou-o na prisão, guardado por quatro grupos de soldados, com quatro soldados cada um. Herodes tinha a intenção de apresentá-lo ao povo, depois da festa da Páscoa.
5Enquanto Pedro era mantido na prisão, a Igreja rezava continuamente a Deus por ele.
6Herodes estava para apresentá-lo. Naquela mesma noite, Pedro dormia entre dois soldados, preso com duas correntes; e os guardas vigiavam a porta da prisão.
7Eis que apareceu o anjo do Senhor e uma luz iluminou a cela. O anjo tocou o ombro de Pedro, acordou-o e disse: “Levanta-te depressa!” As correntes caíram-lhe das mãos.
8O anjo continuou: “Coloca o cinto e calça tuas sandálias!” Pedro obedeceu e

o anjo lhe disse: “Põe tua capa e vem comigo!”
9Pedro acompanhou-o, e não sabia que era realidade o que estava acontecendo por meio do anjo, pois pensava que aquilo era uma visão.
10Depois de passarem pela primeira e segunda guarda, chegaram ao portão de ferro que dava para a cidade. O portão abriu-se sozinho. Eles saíram, caminharam por uma rua e logo depois o anjo o deixou.
11Então Pedro caiu em si e disse: “Agora sei, de fato, que o Senhor enviou o seu anjo para me libertar do poder de Herodes e de tudo o que o povo judeu esperava!”

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 33

          — De todos os temores me livrou o Senhor Deus.
— De todos os temores me livrou o Senhor Deus.

— Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo,/ seu louvor estará sempre em minha boca./ Minha alma se gloria no Senhor;/ que ouçam os humildes e se alegrem!

— Comigo engrandecei ao Senhor Deus,/ exaltemos todos juntos o seu nome!/ Todas as vezes que o busquei, ele

me ouviu,/ e de todos os temores me livrou.

— Contemplai a sua face e alegrai-vos,/ e vosso rosto não se cubra de vergonha!/ Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido,/ e o Senhor o libertou de toda angústia.

— O anjo do Senhor vem acampar/ ao redor dos que o temem, e os salva./ Provai e vede quão suave é o Senhor!/ Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!

SEGUNDA LEITURA:  2Tm 4,6-8.17-18

Leitura da Segunda Carta de São Paulo a Timóteo

Caríssimo, 6quanto a mim, eu já estou para ser derramado em sacrifício; aproxima-se o momento de minha partida. 7Combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé. 8Agora está reservada para mim a coroa da justiça, que o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que esperam com amor a sua manifestação gloriosa.
17Mas o Senhor esteve a meu lado e me deu forças, ele fez com

que a mensagem fosse anunciada por mim integralmente, e ouvida por todas as nações; e eu fui libertado da boca do leão.
18O Senhor me libertará de todo mal e me salvará para o seu Reino celeste. A ele a glória, pelos séculos dos séculos! Amém.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO:  Mt 16,13-19

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

          Naquele tempo,
13Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?”
14Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”.
15Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?”
16Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”.
17Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la.
19Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

[apss_share]

Comentário do Evangelho

Jesus quer saber o que falam dele e pergunta a seus discípulos. Vêm as respostas, naturalmente diversificadas: uns dizem uma coisa, outros dizem outra; para uns Jesus é João Batista, outros acham que é Elias ou Jeremias, e assim por diante. Continuando a conversa, Jesus quer saber o que os discípulos pensam dele. Quem responde é Simão Pedro, não por acaso, mas em nome de todos: “O senhor é o Messias, o Filho do Deus vivo”. Jesus é o Messias esperado pelo povo de Israel, mas não como o povo esperava. Ele é muito mais. Ele é o Filho do Deus vivo.
Certamente Pedro não está se referindo a um filho como todo mundo é filho de Deus, mas ao Filho por excelência, o único da mesma natureza. Esta revelação, tanto para Pedro como para nós, não pode vir da inteligência humana. Só pode ser revelação do Pai que está no céu. E se o Pai assim revelou a Pedro, Pedro pode se considerar feliz. Ele recebeu de Deus a revelação que identifica a pessoa de Jesus. Daí a resposta de Jesus: “Eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la”.
Jesus fala da sólida construção da sua Igreja, que não poderá ser destruída por nenhum poder. Que esta Pedra é Pedro torna-se claro quando Jesus lhe dá o poder das chaves, para que ligue e desligue, abra e feche. Tal poder não poderia ter sido dado a um simples indivíduo. É dado a um indivíduo que exerce uma função, a de confirmar os seus irmãos na fé. Não é possível pensar que o poder das chaves foi dado somente durante a vida de Pedro e se encerrou com ele. A missão de Pedro tem de se prolongar ao longo da história da Igreja no ministério petrino, levado avante por seus sucessores. A Pedro foi dito “Confirma teus irmãos”. Irmãos e irmãs precisam de confirmação em todos os tempos. Não podem estar expostos a inspirações particulares, a entusiasmos passageiros, mesmo honestos, e menos ainda à exploração religiosa.
Desde o início houve sucessores de Pedro em Roma, reconhecidos pelas Igrejas espalhadas pelo mundo e presididas por pastores em comunhão com a sede de Pedro. A Igreja de Jesus não tem outro fundador a não ser o próprio Jesus Cristo e não tem outro fundamento visível a não ser a pedra que o mesmo Jesus colocou. Pedro e Paulo combateram o bom combate, coroado no dia de hoje com a glória do martírio.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Neste domingo solene da memória dos apóstolos São Pedro e São Paulo, rezemos pela Igreja e pelo papa, cujo dia celebramos hoje. Que a Palavra nos fortaleça no testemunho de nossa fé, a exemplo dos apóstolos Pedro e Paulo, que deram a vida por Cristo e pelo Evangelho.

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Qual questionamento Jesus dirige aos discípulos? Quais afirmações são feitas a respeito de Jesus? Para Simão Pedro, quem é Jesus? Qual missão Jesus confia a Pedro?
“Os três evangelhos sinóticos, Marcos, Mateus e Lucas, narram esta controvertida passagem da ‘confissão de Pedro’, cada um deles imprimindo suas interpretações teológicas pessoais a suas narrativas. Nos evangelhos de Marcos e Lucas, a resposta de Pedro à pergunta de Jesus sobre sua identidade é breve: ‘Tu és o Cristo (messias)’, e merece a repreensão de Jesus. Pedro e os demais discípulos acreditavam que Jesus seria o messias político esperado, que daria ao povo judeu a glória e o poder sobre as demais nações, como um novo Davi, conforme a imagem elaborada pela tradição do Primeiro Testamento. Jesus censura Pedro por esta compreensão e procura demovê-la da mente dos discípulos.
Mateus modifica a narrativa original de Marcos e também adotada por Lucas. Ele dá um novo sentido à resposta de Pedro, à qual acrescenta a proclamação ‘Filho de Deus vivo’. Segue-se a fala de Jesus confirmando a profissão de seu messianismo celeste, ao elogiar a fala de Pedro, declarando-a como revelação divina. Com o acento sobre o caráter messiânico cristológico de Jesus, Mateus dá uma resposta às suas comunidades, oriundas do judaísmo. Ele escreve na década de 80, depois da destruição do Templo de Jerusalém, quando os cristãos inseridos na comunidade judaica estavam sendo expulsos das sinagogas, que até então frequentavam. Ele pretende convencê-los de que em Jesus se realizavam suas esperanças messiânicas moldadas sob a antiga tradição de Israel, de modo a não se intimidarem sob as ameaças e repressão da sinagoga e permanecerem na comunidade cristã.
Com a visão teológica de Mateus ficam estabelecidas duas identidades para Jesus: uma é ‘o filho do homem’, o simples Jesus de Nazaré, inserido na humanidade, na sua humildade, e presente entre ela até o fim dos tempos, porém, dignificando-o e divinizando-o; a outra é o ‘cristo’ ou ‘messias’ (cristo do grego, messias do hebraico, significando ‘ungido’), que é o Jesus ressuscitado, manifestado em glória nos céus, acima dos poderes celestiais, de onde virá para o julgamento final. Embora no Segundo Testamento se percebam conflitos entre Pedro e Paulo (cf., p. ex., Gl 2,11-14), a liturgia os reúne em uma só festa. Pedro é lembrado pelo seu testemunho corajoso diante da perseguição (At 12,1-11), e Paulo, por seu empenho missionário em territórios da diáspora judaica”

Meditação (Caminho)
“Pedro e Paulo, por caminhos e métodos diferentes, foram os maiores propagadores do Evangelho. Pedro, a rocha firme na qual a Igreja do Senhor foi edificada; Paulo, a ousadia de sair dos muros de Jerusalém e ir aos gentios. Hoje, celebramos seus martírios. O sangue desses dois apóstolos banhou a Cidade Eterna. Nesse sangue derramado, a prova da fidelidade ao Senhor Jesus. Quer pela cruz, quer pela espada, ambos testemunharam sua fé no Cristo. Celebrar essas duas colunas da Igreja é pensar na grandiosidade do amor de Deus na vida de quem se deixa conduzir pelo Espírito. Pedro, de pescador a líder maior da Igreja; Paulo, de perseguidor a ardoroso pregador do Evangelho”

Oração (Vida)
Celebrando a memória dos apóstolos Pedro e Paulo, supliquemos ao Senhor pela missão da Igreja; rezemos pelas intenções do papa de modo especial. Lembremos ainda todas as iniciativas da Igreja para a evangelização dos povos.

Contemplação (Vida e Missão)
Qual apelo a Palavra de Deus despertou em seu coração? O que você se propõe a viver hoje? Como pretende atingir esse propósito?

Bênção
– Abençoe-vos o Deus todo-poderoso, que vos deu por fundamento aquela fé proclamada pelo apóstolo Pedro e sobre a qual se edifica toda a Igreja.
– Ele, que vos instruiu pela incansável pregação de São Paulo, vos ensine a conquistar também novos irmãos para o Cristo.
– Que a autoridade de Pedro e a pregação de Paulo vos levem à pátria celeste, aonde chegaram gloriosamente um pela cruz e outro pela espada.
– Abençoe-nos, Deus todo-poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

[apss_share]