Liturgia diária, Pois muitos são chamados, mas poucos são escolhidos - Mt 22,1-14
Faça uma doação de qualquer valor e ajude a manter o site no ar !

PIX CHAVE EMAIL: doacao@catequizar.com.br
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Na liturgia diária de hoje lemos o Evangelho: Mt 22,1-14

Jesus nos lembra de que todos são convidados a participar do Reino. Abramos o nosso coração para acolhermos os ensinamentos de Jesus para o nosso dia.

Façamos a oração do dia: Pai, tendo respondido ao teu convite para ser discípulo do Reino, desejo conformar toda a minha vida ao teu querer sendo fiel a ti.

28º Domingo do Tempo Comum – Ano Litúrgico A

Liturgia do dia 11 de outubro de 2020

PRIMEIRA LEITURA: Is 25,6-10a

Leitura do Livro do profeta Isaías – 6O Senhor dos exércitos dará neste monte, para todos os povos, um banquete de ricas iguarias, regado com vinho puro, servido de pratos deliciosos e dos mais finos vinhos.
7Ele removerá, neste monte, a ponta da cadeia que ligava todos os povos, a teia em que tinha envolvido todas as nações.
8 O Senhor Deus eliminará para sempre a morte e enxugará as lágrimas de todas as faces e acabará com a desonra do seu povo em toda a terra; o Senhor o disse.
9Naquele dia, se dirá: “Este é o nosso Deus, esperamos nele, até que nos salvou; este é o Senhor, nele temos confiado; vamos alegrar-nos e exultar por nos ter salvo”.
10aE a mão do Senhor repousará

sobre este monte.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO  23(22)

— Na casa do Senhor habitarei, eternamente.
— Na casa do Senhor habitarei, eternamente.

— O Senhor é o pastor que me conduz;/ não me falta coisa alguma./ Pelos prados e campinas verdejantes/ ele me leva a descansar./ Para as águas repousantes me encaminha,/ e restaura as minhas forças.

— Ele me guia no caminho mais seguro,/ pela honra do seu nome./ Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso,/ nenhum mal eu temerei; estais comigo com bastão e com cajado;/ eles me dão a segurança!

— Preparais à minha frente uma mesa,/ bem à vista do inimigo,/ e com óleo vós ungis minha cabeça;/ o meu cálice transborda.

— Felicidade e todo bem hão de seguir-me/ por toda a minha vida;/ e na casa do Senhor habitarei/ pelos tempos infinitos.

SEGUNDA LEITURA: Fl 4,12-14.19-20

Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses – Irmãos: 12Sei viver na miséria e sei viver na abundância. Eu aprendi o segredo de viver em toda e qualquer situação, estando farto ou passando fome, tendo de sobra ou passando necessidade. 13Tudo posso naquele que me dá

força. 14No entanto, fizestes bem em compartilhar as minhas dificuldades.
19O meu Deus proverá esplendidamente com sua riqueza a todas as vossas necessidades, em Cristo Jesus. 20Ao nosso Deus e Pai a glória pelos séculos dos séculos. Amém.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO: Mt 22,1-14

– O Senhor esteja convosco.
– Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
– Glória a vós, Senhor.

COMENTÁRIO DO EVANGELHO

Os convidados não querem participar da festa. Cada um tem uma desculpa. Um foi para o campo, outro para os seus negócios. Alguns bateram nos funcionários do rei e até os mataram. É uma parábola que pretende ensinar alguma coisa aos ouvintes do povo de Israel e aos ouvintes discípulos de Jesus. Retrata uma realidade que se põe diante do discípulo missionário. Há uma festa preparada por um rei e os convidados não querem vir e dela participar. O missionário deve mostrar a excelência da festa a todos, até àqueles que vão

querer matá-lo. Ele sabe de uma verdade: a festa não depende dos convidados. Ela depende do rei que a preparou. Se, apesar do esforço feito pelo discípulo missionário, estes convidados não quiserem vir participar da festa, outros virão. O discípulo vai recolher quem estiver na beira do caminho e nem imaginava que pudesse ser convidado. A parábola se refere em primeiro lugar ao povo de Israel, mas também a todos os que receberam a revelação e não cuidam da salvação. A revelação é o convite. A salvação, a participação na festa. Vão então os missionários pelo mundo afora mostrando a todos a beleza da festa e convencendo-os a entrarem e a participarem. É o trabalho do discípulo. O resto, fica por conta do rei. A festa é do rei e ela vai acontecer, se não com estes, então com aqueles. São Mateus junta a esta parábola uma outra, a do traje de festa. Todos devem estar bem vestidos, mesmo os que vieram das encruzilhadas. Mais um trabalho para o missionário. Não se trata da roupa de tecido que cobre o corpo, mas da qualidade do que veste a mente e o coração. O trabalho simples e profundo de formar convicções que se mostram nas ações práticas do dia a dia produz uma veste de qualidade. Assim, o respeito pelos outros e pelas coisas dos outros, a honestidade, o valor da vida, a responsabilidade nas tarefas a serem cumpridas, desde as políticas até as domésticas. Seja em casa, seja no mundo, o discípulo missionário se espelha no que Paulo escreveu aos filipenses, que ele sabia viver sem nada e sabia viver com muita coisa. Bem alimentado ou com fome, ele tudo pode naquele que lhe dá força. Se alguém o ajuda materialmente, Paulo agradece. Se não, ele vai adiante confiando na providência de Deus. Conhece a Palavra do Senhor e está convencido da sua verdade. Sabe que o banquete está preparado, as lágrimas serão enxugadas, tudo o que é desonra vai desaparecer. O missionário forma pessoas em comunidade, que conheçam Jesus e seu Evangelho e possam dizer com palavras e ações: “Este é o nosso Deus, nele confiamos e nos alegramos, porque nos salvou. Sobre nós repousa a mão do Senhor”.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial

Neste 28º domingo do Tempo Comum a Liturgia da Palavra nos apresenta a parábola do rei que preparou uma festa de casamento. Jesus nos lembra de que todos são convidados a participar do Reino, porém, é necessário decidir-se plenamente por ele, vestindo o traje nupcial. Abramos o nosso coração para acolhermos os ensinamentos de Jesus para o nosso dia.

Rezemos: “Vem, Espírito Santo! Faze-nos amar as Escrituras, para reconhecermos a voz viva de Jesus. Torna-nos humildes e simples, a fim de compreendermos os mistérios do Reino de Deus. Amém.”

Leitura (Verdade)

O que diz o texto? Qual comparação Jesus utiliza para falar do Reino dos Céus? Por que a recusa em aceitar participar da festa de casamento? Quem foi convidado para a festa? O que os convidados representam? O que significa comparecer ao casamento com a veste digna?

“O Reino de Deus é festa. Um rei fez um grande banquete e convidou muita gente. O que era para ser um momento de júbilo e encantamento, transformou-se em irresponsável recusa. Todos tinham outras prioridades, quase todas materiais. Deus – na figura do rei – não volta atrás em suas decisões. Mandou buscar nas praças ociosas e nos caminhos poeirentos outros convivas, aqueles que nunca são convidados para nada. A parábola, em seu foco principal, visa escribas, fariseus e a liderança religiosa. Mas pode atingir cada um de nós. Podemos esquecer o “primeiro amor” de que fala o Apocalipse. Nossas escolhas, por vezes infelizes, podem e devem ser refeitas. As portas da casa do Pai continuam abertas. Nosso lugar está reservado.” 

Meditação (Caminho)

O que o texto diz para mim? Em que sentido o texto fortalece a minha caminhada de fé? Como eu acolho as palavras e os ensinamentos de Jesus em minha vida? Quais são os gestos que Jesus me convida a viver? Como agradeço o convite para o banquete do Reino?

Oração (Vida)

Agradeça tudo o que a Palavra lhe permitiu compreender e vivenciar do mistério de Cristo e apresente ao Senhor a oração que brotou em seu coração durante a leitura orante.
“Livrai-nos de todos os males , ó Pai, e dai-nos hoje a vossa paz. Ajudados pela vossa misericórdia, sejamos sempre livres do pecado e protegidos de todos os perigos, enquanto vivendo na esperança, aguardamos a vinda do Cristo salvador.

Contemplação (Vida e Missão)

Aceitar e agradecer os convites do Senhor é uma sugestão prática para a vida de quem quer caminhar na estrada de Jesus.

Bênção

  • O Senhor Deus nosso Pai esteja sempre conosco.
  • Ele está no meio nós.

Oremos: “Senhor nosso Deus, Que enviastes Vosso Filho ao mundo Para curar as nossas enfermidades, Levar sobre Si as nossas dores, Redimir nossos pecados e Nos dar a Vida Eterna que vem de Vós, Tendes Piedade de nós!

Deus Misericordioso, Que cuida de todas as Vossas Criaturas, Atendei as nossas suplicas, e Segundo a Vossa Vontade, Protegei o Vosso Povo, Oprimido por essa doença terrível. Guardai e mantenhais a saúde daqueles Que não contraíram essa doença e Dai Senhor, aos que a contraíram, Paciência fortalecida, fé renovada e A cura desse mal, Para que todos nós desfrutemos De plena e duradoura saúde! Por Jesus Cristo nosso Senhor.” Amém.

Todo o Louvor, toda a Honra, toda a Gratidão, Toda a Fé, toda a Confiança, Toda a Adoração e toda a Glória Sejam dadas aos Senhor nosso Deus, Agora e para sempre! Em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo! Amém.

Confira a Homilia dominical.Clique aqui