missa do crisma unção dos santos oleto

Pedido de ajuda !

EStimados irmãos venho aqui pedir a sua ajuda se possível for. Inicio do ano o site estava com uma divida de 4 mil reais e agora ja esta a 6 mil. Pra complicar minha situação tenho pai acamado e desde dia 29/03 minha filhinha de 1 ano e 3 meses esta internada com probs respiratorio. (são gemeas uma esta internada e a outra estou cuidando em casa) Por isso tenho atrasado as liturgias. Diante das dificuldades que todos estamos passando compreendo o qto esta dificil para todos, mas se vc tiver a possibilidade de AJUDAR COM UMA DOAÇÃO sera de muita ajuda para diminuir as dividas.

Clique aqui para doar R$ 10,00

Ou deposito no Itau: Anderson roberto Fuzatto – agencia 9098 conta corrente 20575-1

Ou Pic pay clique aqui

Meus irmãos e minhas irmãs,

A Missa do Crisma deve ser celebrada, preferencialmente, na Quinta-feira Santa na Igreja Catedral, Sé de toda a Igreja Particular. Por isso, Senhor Arcebispo Metropolitano e os sacerdotes concelebram na Sé Catedral Metropolitana. Constituídos, na última Ceia, “servos do Mistério”, realizam eles a unidade do seu sacerdócio no único grande Sacerdote, Jesus Cristo. Nesta Santa Eucaristia manifesta-se o mistério do sacerdócio de Jesus Cristo, participado pelos ministros constituídos em cada Igreja local, que renovam hoje seu compromisso ao serviço do povo de Deus.

O Arcebispo Metropolitano, acompanhado de seus bispos auxiliares, devidamente cercado pelos outros sacerdotes, primeiros e fundamentais colaboradores da ordem episcopal, abençoa os Santos Óleos, que serão usados nos diversos sacramentos: o óleo do crisma, misturado com perfumes, para significar o dom do Espírito no batismo, na crisma, na ordem; o óleo para os catecúmenos, que será ministrado no Batismo quando o batizado torna-se participante da Igreja e herdeiro da vida futura no céu; e o óleo para os enfermos, sinal da força que liberta do mal e sustenta na provação da doença. Através de uma realidade terrena já transformada pelo trabalho do homem – o óleo – e de um gesto simples e familiar – a unção –, exprime-se a riqueza da nova existência em Cristo, que o Espírito continua a transmitir à Igreja até o fim dos séculos.

Logo no início desta celebração, lembrando as luminosas palavras do Papa Bento XVI, quero repeti-las, bem escandidamente, as suas palavras, que faço minhas: “dirijo uma palavra especial a vós, caros irmãos no ministério sacerdotal. A Quinta-feira Santa é de modo particular o nosso dia. Na hora da Última Ceia, o Senhor instituiu o sacerdócio neotestamentário. “Consagra-os na verdade” (Jo 17, 17): pediu Ele ao Pai para os Apóstolos e para os sacerdotes de todos os tempos. Com imensa gratidão pela nossa vocação e com grande humildade por todas as nossas insuficiências, renovemos neste momento o nosso “sim” ao chamamento do Senhor: Sim, quero unir-me intimamente ao Senhor Jesus, renunciando a mim mesmo …. impelido pelo amor de Cristo”(Cf. http://www.catolicismoromano.com.br/content/view/1003/33/, último acesso em 01 de fevereiro de 2017).

Meus irmãos e minhas irmãs,

A Missa do Crisma é o momento propício para que façamos uma reflexão sobre a importância da unidade entre o Presbitério ao redor de Seu Arcebispo Metropolitano. Por isso a antífona da Entrada já canta: “Jesus Cristo fez de nós um reino e sacerdotes para Deus, seu Pai. A ele a glória e poder pelos séculos dos séculos, Amém!” (At 1,16).

A primeira leitura, retirada de Isaías (Is 61,1-3a.6a.8b-9), descreve a missão do profeta como pregador da salvação e do amor de Deus pelo seu povo, agora purificado pelo exílio no Egito. O objeto do seu anúncio é a libertação, através da qual Deus reconduzirá o povo à sua terra, fará com ele um novo pacto e o tornará um povo sacerdotal.

O anúncio da Boa Nova aos pobres é uma das obrigações primeiras de todos os ministros ordenados. O bispo, como pontífice máximo da sua Diocese, é o primeiro a se preocupar com os pequenos e os deserdados da sorte. Os presbíteros, como primeiros colaboradores da ordem episcopal, são também responsáveis em socorrer os pobres, anunciar a justiça e a liberdade que vem de Deus, o Senhor Ressuscitado.

O verdadeiro sacerdote é aquele que se preocupa com as pequenas coisas e com os pequenos do Reino de Deus. A aliança que será celebrada eternamente pela Missa da Ceia do Senhor é a alegria que deve invadir o coração de todos os ordenados no sentido de fazer uma aliança eterna entre o sacerdócio real-ministerial e o sacerdócio batismal, entre o sacerdote-presbítero e o sacerdote-batizado.

O verdadeiro sacerdote é aquele que leva em consideração a Eucaristia diária como o grande momento de seu ministério e de sua ação pastoral. Assim nos ensina o Documento O PRESBÍTERO PASTOR E GUIA DA COMUNIDADE PAROQUIAL: “Sem sacerdotes verdadeiramente santos, seria muito difícil ter um bom laicado e tudo seria como que apagado” (n. 27). E continua o documento: “O sacerdócio ministerial, na medida em que configura ao ser e ao agir sacerdotais de Cristo, introduz uma novidade na vida espiritual de quem recebeu esse dom. É uma vida espiritual conformada por meio da participação do senhorio de Cristo na sua Igreja e que amadurece no serviço ministerial à Igreja: uma santidade no ministério e pelo ministério” (n. 12).

Meus queridos irmãos,

A segunda leitura da Missa do Crisma é retirada do Livro do Apocalipse (Ap 1,5-8). Estamos diante de uma releitura dos textos do Êxodo e Isaías à luz do Evangelho de Nosso Senhor. Jesus, libertando-nos do pecado, faz de todos nós o novo e definitivo povo sacerdotal. O conceito de sacerdócio implica no de consagração, cujo sinal exterior é a unção com o óleo santo. Por isso, a Santa Igreja Católica continua a consagrar os óleos que servirão para assinalar a fronte de seus membros.

Irmãos queridos,

O Evangelho de Lucas (Lc 4,16-21) nos ensina que na nova e eterna aliança tudo tem valor, porque tudo procede do Ungido por excelência: Jesus Cristo. Nele, como ele mesmo declara, realiza-se em plenitude o texto de Is 6,1-2. Jesus demonstra através das obras a sua missão.

A missão de Jesus se prolonga na história pelo Colégio Apostólico. Na missão de cada bispo e de cada presbítero está a missão anunciada por Jesus: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar a remissão aos presos e aos cegos a recuperação da vista, para restituir a liberdade aos oprimidos, e para proclamar um ano da graça do Senhor”. Esta missão é cumprida, ou melhor, cumprimento da missão do Antigo Testamento, conforme nos ensina a primeira leitura.

Esta missão de Jesus, dos apóstolos e dos ministros sagrados deve ser renovada, perante a renovação das promessas sacerdotais dos presbíteros para com o seu bispo. Os presbíteros respondem as indagações do Senhor Arcebispo. Eles prometem conformar-se estreitamente ao Senhor Jesus, aos mistérios de Cristo, ao amor de Deus, assumindo com amor a missão da Igreja. Os presbíteros prometem ser fiéis distribuidores dos mistérios de Deus pela missão de ensinar, pela santa eucaristia e demais celebrações litúrgicas, seguindo o Cristo Cabeça e Pastor. Desprendimento dos bens materiais e profunda união com o Arcebispo Metropolitano são apanágios básicos dos presbíteros no seguimento de Jesus Cristo.

Caros irmãos,

No dia de hoje devemos revisitar o Papa Bento XVI que ensinou o valor dos sacramentos: “O centro do culto da Igreja é o Sacramento. Sacramento significa que o primeiro a intervir não somos nós homens, mas Deus que primeiro vem ao nosso encontro com o seu agir, olha-nos e nos conduz até junto de si. E, existe ainda outra coisa extraordinária: Deus nos toca por meio de realidades materiais, através de dons da criação que Ele assume ao seu serviço, fazendo deles instrumentos do encontro entre nós e Ele mesmo. Quatro são os elementos da criação com os quais o universo dos Sacramentos é construído: a água, o pão de trigo, o vinho e o azeite. A água, como elemento básico e condição fundamental de toda a vida, é o sinal essencial do Batismo, o ato através do qual uma pessoa torna-se cristã; o ato do nascimento para uma vida nova. Enquanto a água é o elemento vital em geral e, por isso, representa o acesso comum ao novo nascimento de todos como cristãos, os outros três elementos pertencem à cultura do ambiente mediterrâneo. Deste modo aludem ao ambiente histórico concreto, no qual o cristianismo se desenvolveu. Deus agiu num lugar bem determinado da terra, verdadeiramente fez história com os homens. Estes três elementos, por um lado, são dons da criação e, por outro, são também indicações dos lugares da história de Deus junto de nós. São uma síntese entre criação e história: dons de Deus que sempre nos ligam com aqueles lugares do mundo onde Deus quis atuar conosco no tempo da história, fazendo-se um de nós.” (cf. http://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/homilies/2010/documents/hf_ben-xvi_hom_20100401_messa-crismale.html, último acesso em 10 de fevereiro de 2017)

Prezados irmãos,

A missa de hoje tem dois momentos muito significativos: o primeiro é a renovação das promessas sacerdotais por parte do presbitério reunido em torno do seu Bispo Diocesano. O segundo momento é a bênção dos santos óleos. Em procissão entram na Igreja Catedral o portador dos perfumes, o portador do óleo dos catecúmenos, o portador do óleo dos enfermos e o portador do óleo do crisma com aquela bonita antífona: “Acolhei, ó Redentor, nossos hinos de louvor!” Antes do Bispo dizer a Doxologia “Por Cristo, com Cristo, e em Cristo”, o portador do vaso com o óleo dos enfermos leva-o ao centro do altar e o mantém diante do Bispo, este benze o óleo, dizendo a seguinte oração: “Ó Deus, Pai de toda a consolação, que pelo vosso Filho quisestes curar os males dos enfermos, atendei à oração de nossa fé: enviai do céu o vosso Espírito Santo Paráclito sobre este óleo generoso, que por vossa bondade a oliveira nos fornece para alívio do corpo, a fim de que pela vossa santa + bênção seja para todos com ele forem ungidos protegidos do corpo, da alma e do espírito, libertando-os de toda dor, toda fraqueza e enfermidade. Dignai-vos abençoar para nós, ó Pai, o vosso óleo santo, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo. Que convosco vive e reina na unidade do Espírito Santo. Amém”.

O óleo dos catecúmenos será benzido depois de concluída a oração depois da Comunhão, os vasos com os óleos a serem abençoados são colocados pelos ministros sobre uma mesa preparada no meio do presbitério. O Bispo, cercado pelos presbíteros concelebrantes em forma de coroa, enquanto os outros ministros permanecem atrás, procede, se for o caso, a bênção do óleo dos catecúmenos e, em seguida, à consagração do crisma. Quando da consagração do Crisma o Bispo derrama os perfumes no óleo e confecciona o Crisma em silêncio, a não ser que já tenha sido preparado. O Bispo, se for oportuno, sopra sobre o vaso do Crisma e, diz, de braços, abertos uma das orações de consagração.

Óleo do Crisma: Significa a plenitude do Espírito Santo, revelando que o cristão deve irradiar “o bom perfume de Cristo”. É usado no sacramento da Confirmação (Crisma) quando o cristão é confirmado na graça e no dom do Espírito Santo, para viver como adulto na fé. Este óleo também usado no sacramento da ordem, (Sacerdotes) para ungir os “escolhidos” que irão trabalhar no anúncio da Palavra de Deus, conduzindo o povo e santificando-o no ministério dos sacramentos.

Óleo dos Catecúmenos: Significa a libertação do mal, a força de Deus que penetra no catecúmeno, libertação e preparação para o nascimento pela água e pelo Espírito, para os que irão receber o Batismo, sejam adultos ou crianças, antes do rito da água.

Óleo dos Enfermos: É usado no sacramento dos enfermos, conhecido como “extrema-unção”. Ele simboliza a força do Espírito de Deus para a provação da doença, para o fortalecimento da pessoa na doença e no sofrimento, ao mesmo tempo em que tem todo um significado de preparação da passagem desta vida para a vida eterna.

Irmãos caríssimos,

Que esta celebração de bênção dos santos óleos anime cada vez mais, na união do presbitério com o seu arcebispo, na comunhão necessária e básica para que se prolongue na história os mistérios da salvação. A Igreja Católica, única Igreja fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo, nos convida a partir da instituição da Eucaristia e da renovação das promessas ministeriais a lançarmos as redes nas águas mais profundas, procurando a santidade que vem da Eucaristia, para que todos possamos anunciar o Evangelho àqueles que estão indiferentes ao anúncio da Salvação.

Cristo morreu na Cruz pela nossa salvação, portanto, todos devemos morrer pela nova evangelização. Assim seja!

Padre Wagner Augusto Portugal