Liturgia diária, Deus fará justiça para os seus escolhidos - Lc 18,1-8

Na liturgia diária de hoje lemos o Evangelho: Lc 18,1-8

Jesus aconselha a oração constante e a confiança no poder e no tempo de Deus. Rezar é colocar-se diante do Pai, acolhendo sua santa vontade.

Façamos a oração do dia: Pai, faze-me pobre e simples diante de ti, de modo que minhas súplicas sejam atendidas, pois jamais deixas de atender a quem se volta para ti na humildade de coração.

32ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico A

Liturgia do dia 14 de novembro de 2020

PRIMEIRA LEITURA: 3Jo 5-8

Leitura da Terceira Carta de São João – 5Caríssimo Gaio, é muito leal o teu proceder, agindo assim com teus irmãos, ainda que estrangeiros. 6Eles deram testemunho da tua caridade diante da Igreja. Farás bem em provê-los para a viagem de um modo digno de Deus. 7Pois, por amor do Nome, eles empreenderam a viagem, sem aceitar nada da parte dos pagãos. 8A nós, portanto, cabe acolhê-los, para sermos cooperadores da Verdade.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 112(111)

— Feliz aquele que respeita o Senhor!
— Feliz aquele que respeita o Senhor!

— Feliz o homem que respeita o Senhor e que ama com carinho a sua lei! Sua descendência será forte sobre a terra, abençoada a geração dos homens retos!

— Haverá glória e riqueza em sua casa, e permanece para sempre o bem que fez. Ele é correto, generoso e compassivo, como luz brilha nas trevas para os justos.

— Feliz o homem caridoso e prestativo, que resolve seus negócios com justiça. Porque jamais vacilará o homem reto, sua lembrança permanece eternamente

EVANGELHO:  Lc 18,1-8

– O Senhor esteja convosco.
– Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.
– Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, e nunca desistir, dizendo: 2“Numa cidade havia um juiz que não temia a Deus, e não respeitava homem algum. 3Na mesma cidade havia uma viúva, que vinha à procura do juiz, pedindo: ‘Faze-me justiça contra o meu adversário!’ 4Durante muito tempo, o juiz se recusou. Por fim, ele pensou: ‘Eu não temo a Deus, e não respeito homem algum. 

5Mas esta viúva já me está aborrecendo. Vou fazer-lhe justiça, para que ela não venha agredir-me!’” 6E o Senhor acrescentou: “Escutai o que diz este juiz injusto. 7E Deus, não fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele? Será que vai fazê-los esperar?8Eu vos digo que Deus lhes fará justiça bem depressa. Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?”

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

COMENTÁRIO DO EVANGELHO

Se o Filho do Homem viesse agora, encontraria fé sobre a terra? Eu creio que o Reino está em atividade, agindo no meio do mundo? Creio que haverá justiça na terra, mesmo se for como resultado de muita insistência? Creio que o rosto do Reino é a justiça feita à viúva desprotegida? Percebo que a falta de justiça torna as pessoas agressivas? Por que a viúva agrediria o juiz? Um juiz prestativo, atencioso, pronto a fazer justiça sem nenhum aceno à corrupção, seria ameaçado?

O profeta Jeremias vê Deus sendo chamado de “Nossa Justiça”, quando brotar um rebento justo da casa de Davi, que virá para realizar “o que é direito, justo e verdadeiro sobre a terra”. Jesus muitas vezes disse que acontece aquilo que acreditamos. Acreditamos que, rezando bastante a Deus e insistindo muito junto aos representantes do povo, conseguiremos uma terra sem males ou mil anos de paz? Deus, que é a “Nossa Justiça”, quer ver a justiça que é nossa!

LEITURA ORANTE

Oração Inicial

Neste dia o evangelista Lucas nos apresenta uma bonita passagem da vida de Jesus em que Ele instrui seus discípulos sobre a necessidade da oração. Por meio da escuta e da contemplação da Palavra, possamos compreender e acolher os ensinamentos do Senhor em nossa vida.

Peçamos: “Jesus Mestre, iluminai minha mente, movei meu coração, para que esta meditação produza em mim frutos de vida. Amém.”

Rezemos: “Senhor Jesus Cristo, envia sobre nós, como prometeste, teu Espírito Santo. Que Ele nos conceda a vida e nos ensine a plenitude da verdade. Que nele encontremos salvação, felicidade e plenitude de amor. Amém.”

Leitura (Verdade)

O que diz o texto? A quem Jesus está instruindo, de modo particular? Observe com atenção os elementos da parábola: personagens, contexto, experiências… Qual é a mensagem que o Evangelho nos deixa neste dia?

“Deus tem paciência infinita. Diante da demora na consumação do projeto de Deus, diante da força do mal, muitos se sentiam tentados pelo desânimo. Jesus aconselha a oração constante e a confiança no poder e no tempo de Deus. Na tradição judaica, as viúvas simbolizavam a máxima situação de vulnerabilidade, privação do status social e pobreza; por isso, eram preocupação divina. Elas deviam ser protegidas pela comunidade.

Na parábola, a viúva decide ir à luta e intimida o juiz. A oração é a força do homem e a fraqueza de Deus. Ela jamais falha, mesmo quando nossos pedidos parecem ignorados. Rezar é colocar-se diante do Pai, acolhendo sua santa vontade. O discípulo que reza tem forças para superar a adversidade.”

Meditação (Caminho)

Interrogar-me sobre o tempo e a qualidade de minha oração.“O que é rezar senão comunicar-se com Deus por meio do amor e da amizade, acolhendo todo o seu ser na vida? Ele nos deseja e nós o desejamos. […] Deus espera que nos aproximemos dele por meio da oração. Tome consciência de que, cada vez que você se sentir impulsionado a rezar, ele virá em seu auxílio, inspirando o seu coração a estar em plena comunhão com ele. […]

O caminho da oração livra-nos das inseguranças, que ao longo da vida vão se acumulando dentro de nós. Precisamos rezar, confiando em Deus, abandonando-nos em seu amor, em seu coração. ‘Neste mundo vocês terão aflições, mas tenham coragem; eu venci o mundo’ (cf. Jo 16,33)” 

Oração (Vida)

“Senhor, tenho medo de que a minha tenra oração seja apenas um balbuciar de palavras vazias, sem compromisso nenhum. Receio que ela me deixe na acomodação. Tenho medo de não ser verdadeiro com a dura verdade do sofrimento humano. Livrai-me, Senhor, da indiferença. Que eu possa rezar, pensando sempre na dor do mundo e dos meus irmãos. Que a nossa oração seja um instrumento de transformação. Amém” 

Contemplação (Vida e Missão)

O amor nos ajudará a acolher o sofrimento do irmão. Sintetize em poucas palavras o apelo que você sentiu em seu coração, para colocá-lo em prática durante o dia. O que você se propõe a viver? Como pretende atingir esse propósito?

Bênção

A benção é dom de Deus, Ele é quem abençoa, e toda pessoa pode pedir a sua benção e também dá-la em nome de Deus, basta que acredite que ela aconteça. Normalmente quando dizemos: “Deus te abençoe”, estamos fazendo um pedido a Deus em favor de alguém.

Os pais e as mães são os primeiros a interceder por seus filhos e filhas. Assim como em Nm 6,22-27, a invocação é feita a Deus, Ele é que abençoa. Pelo nosso sacerdócio comum dos fiéis, que recebemos pelo Batismo, podemos também pedir a Deus que ele nos abençoe.

Confira a Homilia dominical.Clique aqui