Liturgia diária, A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos - Mt 9,32-38

14ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico C

08 de julho de 2019

ORAÇÃO DO DIA

Pai, faze-me compassivo diante do sofrimento de tantos irmãos e irmãs, movendo-me a ser, efetivamente, solidário com eles.

PRIMEIRA LEITURA: Gn 32,23-33

Leitura do Livro do Gênesis

Naqueles dias, 23Jacó levantou-se ainda de noite, tomou suas duas mulheres, as duas escravas e os onze filhos e passou o vau do Jaboc. 24Depois de tê-los ajudado a passar a torrente, e atravessar tudo o que lhe pertencia, Jacó ficou só. E eis que um homem se pôs a lutar com ele até o raiar da aurora.
26Vendo que não podia vencê-lo, este tocou-lhe o nervo da coxa e logo o tendão da coxa de Jacó se deslocou, enquanto lutava com ele. 27O homem disse a Jacó: “Larga-me, pois já surge a aurora”. Mas Jacó respondeu: “Não te largarei, se não me abençoares”. 28O homem perguntou-lhe: “Qual é o teu nome?” Respondeu: “Jacó”. 29Ele lhe disse: “De modo algum te chamarás Jacó, mas Israel; porque lutaste com Deus e com os homens, e venceste”. 30Perguntou-
-lhe Jacó: “Dize-me, por favor, o teu nome”. Ele respondeu: “Por que perguntas-me o meu nome?” E ali mesmo o abençoou. 31Jacó deu a esse lugar o nome de Fanuel, dizendo: “Vi Deus face a face e tive poupada a minha vida”.
32Surgiu o sol quando ele atravessava Fanuel; e ia mancando por causa da coxa. 33Por isso os filhos de Israel não comem até hoje o nervo da articulação da coxa, pois Jacó foi ferido nesse nervo.

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO 16(17)

        —Verei, justificado, vossa face, ó Senhor!
— Verei, justificado, vossa face, ó Senhor!

— Ó Senhor, ouvi a minha justa causa, escutai-me e atendei o meu clamor! Inclinai o vosso ouvido à minha prece, pois não existe falsidade nos meus lábios.

— De vossa face é que me venha o julgamento, pois vossos olhos sabem ver o que é justo. Provai meu coração durante a noite, visitai-o, examinai-o pelo fogo, mas em mim não achareis iniquidade.

— Eu vos chamo, ó meu Deus, porque me ouvis, inclinai o vosso ouvido e escutai-me! Mostrai-me vosso amor maravilhoso, vós que salvais e libertais do inimigo quem procura a proteção junto de vós.

— Protegei-me qual dos olhos a pupila e guardai-me, à proteção de vossas asas. Mas eu verei, justificado, a vossa face e ao despertar me saciará vossa presença.

EVANGELHO: Mt 9,32-38

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 32apresentaram a Jesus um homem mudo, que estava possuído pelo demônio. 33Quando o demônio foi expulso, o mudo começou a falar. As multidões ficaram admiradas e diziam: “Nunca se viu coisa igual em Israel”. 34Os fariseus, porém, diziam: “É pelo chefe dos demônios que ele expulsa os demônios”.
35Jesus percorria todas as cidades e povoados, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino, e curando todo tipo de doença e enfermidade. 36Vendo Jesus as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam cansadas e abatidas, como ovelhas que não têm pastor. Então disse a seus discípulos: 37“A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. 38Pedi pois ao dono da messe que envie trabalhadores para a sua colheita!”

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

[apss_share]

Comentário do Evangelho

O ser humano, quando quer, encontra meios para negar as evidências. Um desses meios não é desfazer do que é manifesto e não deixa dúvidas, mas do autor. Os fariseus não podiam negar a evidência de um homem mudo que começou a falar quando Jesus o curou. Que meios encontraram para negar o milagre acontecido? Que meios empregaram para defender suas posições? Desfazer do autor. Sim, ele curou o homem mudo, mas foi com o poder do chefe dos demônios! Nos tempos atuais, para não aceitar os fatos, dizemos que alguém é comunista, ou terrorista, ou marginal, ou qualquer coisa que nos livre do compromisso de aceitar a evidência do que está acontecendo. Apesar das críticas dos opositores, precisamos sempre de trabalhadores que se dediquem a fazer o que Jesus queria: que o povo tenha vida e vida em abundância. Trabalhadores de qualidade para um serviço de qualidade. Para qualquer coisa, qualquer um serve. Para a obra de Deus é preciso gente disposta a perseverar com firmeza na obra começada.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2019’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Memória litúrgica de Santa Paulina, testemunha da caridade para com os doentes e da simplicidade nos afazeres diários. Enquanto percorria as cidade e aldeias, ensinando e realizando curas, Jesus observou que a multidão estava desamparada, como ovelhas sem pastor. O relato do Evangelho de hoje é o fundamento para o chamado dos doze discípulos e seu envio em missão. Acolhamos as palavras de Jesus e o seu desejo de que muitos operários coloquem-se a serviço da messe.
Rezemos: “Senhor Jesus Cristo, envia sobre nós, como prometeste, teu Espírito Santo. Que Ele nos conceda a vida e nos ensine a plenitude da verdade. Que nele encontremos a salvação, felicidade e plenitude de amor. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Como reage o povo diante da cura do possesso mudo? Por que Jesus comove-se ao observar a multidão? Quem é Jesus segundo o texto? Qual é o apelo final que o texto nos faz?
“A impressão que o evangelho nos deixa é que os dias de Jesus eram marcados pela oração, por numerosos encontros, atividades, como o ensinamento e deslocamento de um lugar para outro (Mc 3,20-21). Depois da cura de dois cegos, vem o episódio da cura de um mudo, seguido de um sumário focalizado na compaixão de Jesus. O termo grego kofós pode significar incapacidade de falar, de ouvir, ou ambas as coisas, o que parece ser o caso do nosso texto, pois se diz que, curado, o homem começou a falar. Para a mentalidade da época, a mudez, como outras enfermidades, é atribuída a um demônio; por isso, a cura é precedida de um exorcismo. A cura do mudo é sinal dos tempos messiânicos (Is 35,5-6). O mal, de fato, impede de falar e de falar bem, assim como impede de escutar o Verbo de Deus. Chama a atenção o contraste entre a reação da multidão e a dos fariseus. Enquanto a multidão reconhece a novidade e a surpreendente cura do mudo, os fariseus, ícones da resistência a Jesus, afirmam que em Jesus não há nada de novo. Jesus é o Senhor da vida. Por onde passa, cheio de compaixão pela multidão, ele desperta a fé na vida e faz viver” (Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, da Paulinas Editora).

Meditação (Caminho)
O que diz o texto para sua vida? Qual mensagem Jesus comunica a você hoje? Quem é Jesus para você? Você percebe em sua vida enfermidades que o(a) impedem de viver em paz e com alegria? Em quais realidades, hoje, podemos dizer que as pessoas vivem como “ovelhas sem pastor”, desamparadas? Como Jesus, você sente compaixão pelos seus irmãos que sofrem?
“O conceito de multidão é bem interessante para pensar a evangelização. Hoje, o que vemos no cristianismo é uma busca insana pelas multidões. É uma massa que se espreme na tentativa de receber uma cura, uma libertação. É um grande espetáculo midiático. Jesus tomava muito cuidado com o que as multidões procuravam nele. Por isso, dirigia-se a cada pessoa na sua individualidade e a convidava ao seguimento. Era o líder dos pequenos rebanhos e precisava de silêncio e solidão. Mas compadecia-se do povo cansado e abatido, parecendo ovelhas sem pastor. Será que, hoje, Jesus não continua tendo compaixão dessa multidão que corre atrás dos líderes e pregadores atuais? Onde estão os pastores com o cheiro das suas ovelhas?” (Frei Mário Sérgio Souza, em “Viver a Palavra”, da Paulinas Editora).

Oração (Vida)
“Jesus, princípio e realização do homem novo, convertei a vós os nossos corações, para que, deixando as sendas do erro, sigamos os vossos passos no caminho que conduz à vida. Fazei que, fiéis às promessas do batismo, vivamos, com coerência, a nossa fé, testemunhando com solicitude a vossa palavra, para que, na família e na sociedade, resplandeça a luz vivificante do Evangelho. Jesus, poder e sabedoria de Deus, acendei em nós o amor à Sagrada Escritura, onde ressoa a voz do Pai, que ilumina e abrasa, nutre e consola. Vós, Palavra de Deus Vivo, renovai na Igreja o ardor missionário, para que todos os povos cheguem a conhecer-vos como verdadeiro Filho de Deus e verdadeiro Filho do homem, único Mediador entre o homem e Deus. Jesus, fonte de unidade e de paz, fortalecei a comunhão na vossa Igreja, para que, pela força do vosso Espírito, todos os vossos discípulos sejam um só. Vós, que nos destes como regra de vida o mandamento novo do amor, tornai-nos construtores de um mundo solidário, onde a guerra seja suplantada pela paz, a cultura da morte, pelo empenho em favor da vida. Amém” (São João Paulo II).

Contemplação (Vida e Missão)
O que é pedido à sua vida, aqui e agora? O que você pretende fazer para que isso se concretize, à luz da Palavra meditada?

Bênção

  • Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
  • Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
  • Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
  • Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Paulinas

[apss_share]