Oração diária A compaixão pelas multidões

14ª Semana Comum – Ano Litúrgico C

02 de julho de 2016

ORAÇÃO DO DIA

Pai, faze-me compassivo diante do sofrimento de tantos irmãos e irmãs, movendo-me a ser, efetivamente, solidário com eles.

PRIMEIRA LEITURA: Os 8,4-7.11-13

Leitura da Profecia de Oséias – Assim fala o Senhor: 4Eles constituíram reis sem minha vontade; constituíram príncipes sem meu conhecimento; sua prata e seu ouro serviram para fazer ídolos e para sua perdição.
5Teu bezerro, ó Samaria, foi jogado ao chão; minha cólera inflamou-se contra eles. Até quando ficarão sem purificar-se? 6Esse bezerro provém de Israel; um artesão fabricou-o, isso não é um deus; será feito em pedaços esse bezerro da Samaria. 7Semeiam ventos, colherão tempestades; se não há espiga, o grão não dará farinha; e, mesmo que dê, estranhos a comerão.
11Efraim ergueu muitos altares em expiação do pecado, mas seus altares resultaram-lhe em pecado. 12Eu lhes deixei, por escrito, grande número de preceitos, mas estes foram considerados coisa que não lhes toca. 13Gostam de oferecer sacrifícios, imolam carnes e comem; mas o Senhor não os recebe. Antes, o Senhor lembra seus pecados e castiga suas culpas: eles deverão voltar para o Egito. – Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 113

      — Confia Israel no Senhor.
— Confia Israel no Senhor.

— É nos céus que está o nosso Deus, ele faz tudo aquilo que quer. São os deuses pagãos ouro e prata, todos eles são obras humanas.

— Têm boca e não podem falar, têm olhos e não podem ver; têm nariz e não podem cheirar, têm ouvidos, e não podem ouvir.

— Têm mãos e não podem pegar, têm pés e não podem andar; Como eles serão seus autores, que os fabricam e neles confiam.

— Confia, Israel, no Senhor. Ele é teu auxílio e escudo! Confia, Aarão, no Senhor. Ele é teu auxílio e escudo!

EVANGELHO: Mt 9,32-38

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 32apresentaram a Jesus um homem mudo, que estava possuído pelo demônio. 33Quando o demônio foi expulso, o mudo começou a falar. As multidões ficaram admiradas e diziam: “Nunca se viu coisa igual em Israel”. 34Os fariseus, porém, diziam: “É pelo chefe dos demônios que ele expulsa os demônios”.
35Jesus percorria todas as cidades e povoados, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino, e curando todo o tipo de doença e enfermidade. 36Vendo Jesus as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam cansadas e abatidas, como ovelhas que não têm pastor. Então disse a seus discípulos: 37“A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. 38Pedi pois ao dono da messe que envie trabalhadores para a sua colheita!”

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

[apss_share]

Comentário do Evangelho

Nunca se viu coisa igual em Israel. Mundo complicado o de ontem e o de hoje, e pelo jeito, será sempre assim, até que se estabeleça definitivamente o Reino de Deus ou os mil anos de felicidade do livro do Apocalipse, quando o demônio estiver preso. Saem os cegos e entra um mudo, sai o mudo e vêm os enfermos: é um povo sem pastor. Não há quem cuide dos necessitados, que não são poucos, mas numerosos. Jesus não cura a todos, não alimenta todo o país, não impede todos os naufrágios, não conserta tudo de uma vez. O que há com o mundo e o que há com a obra de Deus? A obra de Deus é o universo todo e, nele, vive o ser humano, inteligente e livre. Tudo feito e criado por Deus, em conformidade com o Verbo pelo qual tudo foi feito. Inteligência e liberdade levam a decisões erradas, entra o pecado que dá origem a todos os outros males e ficamos sonhando com a Terra sem Males. São necessários trabalhadores que unam a fé à inteligência e à liberdade na busca de soluções plenamente humanas para os problemas históricos.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2016’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Enquanto percorria as cidade e aldeias, ensinando e realizando curas, Jesus observou que a multidão estava desamparada, como ovelhas sem pastor. O relato do Evangelho de hoje é o fundamento para o chamado dos doze discípulos e seu envio em missão. Acolhamos as palavras de Jesus e o seu desejo de que muitos operários coloquem-se a serviço da messe.
Rezemos: “Senhor Jesus Cristo, envia sobre nós, como prometeste, teu Espírito Santo. Que ele nos conceda a vida e nos ensine a plenitude da verdade. Que nele encontremos a salvação, felicidade e plenitude de amor. Amém”.

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Como o povo reage diante da cura do endemoninhado? Por que Jesus comove-se ao observar a multidão? Quem é Jesus segundo o texto? Qual é o apelo final que o texto nos faz?
“A impressão que o evangelho nos deixa é que os dias de Jesus eram marcados pela oração, por numerosos encontros, atividades, como o ensinamento e deslocamento de um lugar para outro (Mc 3,20-21). Depois da cura de dois cegos, vem o episódio da cura de um mudo, seguido de um sumário focalizado na compaixão de Jesus. O termo grego kofós pode significar incapacidade de falar, de ouvir, ou ambas as coisas, o que parece ser o caso do nosso texto, pois se diz que, curado, o homem começou a falar. Para a mentalidade da época, a mudez, como outras enfermidades, é atribuída a um demônio; por isso, a cura é precedida de um exorcismo. A cura do mudo é sinal dos tempos messiânicos (Is 35,5-6). O mal, de fato, impede de falar e de falar bem, assim como impede de escutar o Verbo de Deus. Chama a atenção o contraste entre a reação da multidão e a dos fariseus. Enquanto a multidão reconhece a novidade e o surpreendente do acontecido na cura do mudo, os fariseus, ícones da resistência a Jesus, afirmam que em Jesus não há nada de novo. Jesus é o Senhor da vida. Por onde passa, cheio de compaixão pela multidão, ele desperta a fé na vida e faz viver” (Reflexão de Pe. Carlos Alberto Contieri, sj, em “A Bíblia dia a dia”, Paulinas).

Meditação (Caminho)
O que o texto lhe diz? Qual é a mensagem que Jesus comunica a você hoje? Quem é Jesus para você? Você percebe em sua vida enfermidades que o(a) impedem de viver em paz e com alegria? Em quais realidades, hoje, podemos dizer que as pessoas vivem como “ovelhas sem pastor”, desamparadas? Como Jesus, você sente compaixão pelos irmãos que sofrem?
“Também hoje Jesus vive e caminha nas nossas realidades da vida ordinária, para Se aproximar de todos, a começar pelos últimos, e nos curar das nossas enfermidades e doenças. Dirijo-me agora àqueles que estão dispostos justamente a pôr-se à escuta da voz de Cristo, que ressoa na Igreja, para compreenderem qual possa ser a sua vocação. Convido-vos a ouvir e seguir Jesus, a deixar-vos transformar interiormente pelas suas palavras que ‘são espírito e são vida’ (Jo 6, 63). […] A vocação é um fruto que amadurece no terreno bem cultivado do amor uns aos outros que se faz serviço recíproco, no contexto duma vida eclesial autêntica. Nenhuma vocação nasce por si, nem vive para si. A vocação brota do coração de Deus e germina na terra boa do povo fiel, na experiência do amor fraterno” (Mensagem para o 51º Dia Mundial de Oração pelas Vocações).

Oração (Vida)
“Jesus, princípio e realização do homem novo, convertei a Vós os nossos corações, para que, deixando as sendas do erro, sigamos os vossos passos no caminho que conduz à vida. Fazei que, fiéis às promessas do batismo, vivamos, com coerência, a nossa fé, testemunhando com solicitude a vossa palavra, para que, na família e na sociedade, resplandeça a luz vivificante do Evangelho. Jesus, poder e sabedoria de Deus, acendei em nós o amor à Sagrada Escritura, onde ressoa a voz do Pai, que ilumina e abrasa, nutre e consola. Vós, Palavra de Deus Vivo, renovai na Igreja o ardor missionário, para que todos os povos cheguem a conhecer-vos como verdadeiro Filho de Deus e verdadeiro Filho do homem, único Mediador entre o homem e Deus. Jesus, fonte de unidade e de paz, fortalecei a comunhão na vossa Igreja, para que, pela força do vosso Espírito, todos os vossos discípulos sejam um só. Vós que nos destes como regra de vida o mandamento novo do amor, tornai-nos construtores de um mundo solidário, onde a guerra seja suplantada pela paz, a cultura da morte pelo empenho em favor da vida. Amém” (São João Paulo II).

Contemplação (Vida e Missão)
O que está sendo pedido à sua vida, aqui e agora? O que você pretende fazer para que isso se realize?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

[apss_share]