liturgia De onde era o batismo de João? - Mt 21,23-27

PRECISO MUITO TE AJUDA !
Divida desse mês é de R$ 514,00 (referente a mensalidade do servidor do site) Data para acertar o pagamento: 17/06
Valor arrecadado: R$ 104,89
FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR
PIX CHAVE EMAIL: doacao@catequizar.com.br
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

Na liturgia diária de hoje lemos o Evangelho: Mt 21,23-27

A autoridade de Jesus vinha do Pai e de suas obras; portanto, não achou necessário dar explicações a seus opositores, mesmo porque eles não as aceitariam.

Façamos a oração do dia: Pai, tira de mim toda e qualquer suspeita sobre teu Filho Jesus, cuja autoridade vem de ti e está sempre a serviço de teu Reino.

3ª Semana do Advento – Ano Litúrgico B

Liturgia do dia 14 de dezembro de 2020

PRIMEIRA LEITURA: Nm 24,2-7.15-17a

Leitura do Livro dos Números – Naqueles dias, 2Balaão levantou os olhos e viu Israel acampado por tribos. O espírito de Deus veio sobre ele, 3e Balaão pronunciou seu poema: “Oráculo de Balaão, filho de Beor, oráculo do homem que tem os olhos abertos; 4oráculo daquele que ouve as palavras de Deus, que vê o que o poderoso lhe faz ver, que cai, e seus olhos se abrem.

5Como são belas as tuas tendas, ó Jacó, e as tuas moradas, ó Israel! 6Elas se estendem como vales, como jardins ao longo de um rio, como aloés que o Senhor plantou, como cedro junto das águas.

7A água transborda de seus cântaros, e sua semente é ricamente regada. Seu rei é mais poderoso do que Agag, seu reino

está em ascensão”.

15E Balaão continuou pronunciando o seu poema: “Oráculo de Balaão, filho de Beor, oráculo do homem que tem os olhos abertos, 16oráculo daquele que ouve as palavras de Deus, e conhece os pensamentos do Altíssimo, que vê o que o Poderoso lhe faz ver, que cai, e seus olhos se abrem. 17aEu o vejo, mas não agora; e o contemplo, mas não de perto. Uma estrela sai de Jacó, e um cetro se levanta de Israel”. 

  • Palavra do Senhor.
    – Graças a Deus.

SALMO  25(24)

— Fazei-me conhecer a vossa estrada, ó Senhor!
— Fazei-me conhecer a vossa estrada, ó Senhor!

— Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, e fazei-me conhecer a vossa estrada! Vossa verdade me oriente e me conduza, porque sois o Deus da minha salvação.

— Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e a vossa compaixão que são eternas! De mim lembrai-
-vos, porque sois misericórdia e sois bondade sem limites, ó Senhor!

— O Senhor é piedade e retidão, e reconduz ao bom caminho os pecadores. Ele dirige os humildes na justiça, e aos pobres ele ensina o seu caminho.

EVANGELHO:  Mt 21,23-27

– O Senhor esteja convosco.

Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus
– Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 23Jesus voltou ao Templo. Enquanto ensinava, os sumos sacerdotes e os anciãos do povo aproximaram-se dele e perguntaram: “Com que autoridade fazes estas coisas? Quem te deu tal autoridade?”

24Jesus respondeu-lhes: “Também eu vos farei uma pergunta. Se vós me responderdes, também eu vos direi com que autoridade faço estas coisas. 25Donde vinha o batismo de João? Do céu ou dos homens?”

Eles refletiam entre si: “Se dissermos: ‘Do céu’, ele nos dirá: ‘Por que não acreditastes nele?’ 26Se dissermos: ‘Dos homens’, temos medo do povo, pois todos têm João Batista na conta de profeta”.

27Eles então responderam a Jesus: “Não sabemos”. Ao que Jesus também respondeu: “Eu também não vos direi com que autoridade faço estas coisas”.

  • Palavra da Salvação
    – Glória a vós Senhor.

COMENTÁRIO DO EVANGELHO

Jesus argumenta em defesa própria a partir de João Batista. Os sacerdotes e os anciãos contestaram a autoridade com a

qual ele tinha expulsado os vendilhões do Templo. “Com que autoridade fazes essas coisas?”, perguntaram-lhe. Jesus não deu nenhuma resposta, e fez outra pergunta: “De onde era o batismo de João, do céu ou dos homens?”.

Mais uma vez encontramos João no caminho do Advento, preparando o povo de Israel para o juízo final. Ele veio a mando de Deus. Era do céu seu Batismo apregoado ao povo para a remissão dos pecados. As autoridades religiosas do Templo não aceitavam nem a pessoa nem a pregação de João Batista, por isso não se fizeram batizar.

Muitas vezes puseram Jesus à prova, criando-lhe ciladas. Agora é ele quem coloca os sacerdotes e os anciãos em dificuldade. O povo, em geral, aceitava João Batista. As autoridades religiosas ficariam mal com o povo se discordassem publicamente dele. Houve silêncio dos dois lados. Nem os sacerdotes responderam, nem Jesus. Responder a uma pergunta com outra parece ter bom resultado.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial

Hoje a liturgia faz memória de São João da Cruz, um dos grandes mestres da experiência mística. Iniciemos a nossa oração traçando sobre nós esse grande sinal de nossa fé, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

Ó Verbo, esplendor do Pai, na plenitude dos tempos, descestes do céu para redimir o mundo. Vosso evangelho de paz nos livre de toda a culpa, infunda a luz em nossas mentes e esperança em nossos corações.

Quando vierdes como um juiz, entre os esplendores do céu, acolhei-nos à vossa direita na assembleia dos bem-aventurados. Glória ao Pai, ao Filho e ao Espirito Santo, como no princípio agora e sempre. Amém.

Leitura (Verdade)

Que te deu tal autoridade?” Faça a leitura do Evangelho lenta e atentamente, quantas vezes julgar necessário. Reflita bem sobre o sentido de cada versículo, repita aqueles que mais lhe chamaram atenção e procure identificar a mensagem central do texto.

“Jesus não foge dos confrontos com seus opositores. Desta vez ele ensina no Templo, local impregnado pelo fermento da maldade dos sumos sacerdotes e doutores da lei. Jesus não era da tribo sacerdotal nem fazia parte da hierarquia religiosa. Por isso questionaram sua autoridade. O povo já havia afirmado que ele pregava “com autoridade”, e não como os escribas.

A autoridade vinha do Pai e de suas obras; portanto, não achou necessário dar explicações a seus opositores, mesmo porque eles não as aceitariam. Quando nos preparamos para o Natal, é importante questionar nossa legitimidade, nossa autoridade, nosso nome de cristãos. Ainda temos tempo para aguardar Aquele que vem preparar o presépio de nosso coração.” 

Meditação (Caminho)

O que o texto diz a você? Aproxime-se da Palavra novamente, faça a sua meditação e procure identificar o caminho que o Senhor lhe indica. O que diz o texto a você? Faça a meditação da Palavra, buscando compreender o que o Evangelho de hoje diz a você. Escutar a Palavra é escutar o Senhor, que fala conosco por meio dela. Leia novamente o texto bíblico e faça silêncio por alguns instantes, deixando-se tocar por Deus.

Oração (Vida)

O que o texto o(a) leva a dizer a Deus? Faça a sua oração a partir do que a Palavra despertou em você, para que ela se torne vida em sua vida. Apresente ao Senhor, neste momento de oração, aquilo que você traz no coração, suas preocupações e as intenções de outras pessoas. Agradeça tudo o que a Palavra permitiu compreender e vivenciar do mistério de Cristo. Apresente ainda ao Senhor a oração que brotou em seu coração durante a leitura orante.

“Jesus, divino Mestre, nós vos adoramos, Filho unigênito de Deus, vindo ao mundo para dar às pessoas a vida em plenitude. Nós vos louvamos e agradecemos, porque morrestes na cruz para obter-nos a vida divina que nos comunicais no batismo e alimentais com a Eucaristia e os outros sacramentos.

Vivei em nós, Jesus, pelo vosso Espírito, para que vos amemos com todo o nosso ser e amemos o próximo como a nós mesmos no vosso amor. Fazei crescer em nós esse amor para que um dia, ressuscitados, partilhemos convosco a alegria do Reino dos céus. Amém.”

Contemplação (Vida e Missão)

Qual novo olhar nasceu em você, a partir da Palavra? O que a Palavra o(a) leva a experimentar? O que ela deixa em seu coração, para ser vivido neste dia? O amor nos ajudará a acolher o sofrimento do irmão Sintetize em poucas palavras o apelo que você sentiu em seu coração, para colocá-lo em prática durante o dia. O que você se propõe a viver? Como pretende atingir esse propósito?

Bênção

A benção é dom de Deus, Ele é que quem abençoa, e toda pessoa pode pedir a sua benção e também dá-la em nome de Deus, basta que acredite que ela acontece. Normalmente quando dizemos: “Deus te abençoe”, estamos fazendo um pedido a Deus em favor de alguém. Os pais e as mães são os primeiros a interceder por seus filhos e filhas. Assim como em Nm 6,22-27, a invocação é feita a Deus, Ele é que abençoa. Pelo nosso sacerdócio comum dos fiéis, que recebemos pelo Batismo, podemos também pedir a Deus que ele nos abençoe.

Confira a Homilia dominical.Clique aqui