Liturgia diária Amor ao próximo - Mt 5,38-48

PRECISO MUITO TE AJUDA !
Divida desse mês é de R$ 514,00 (referente a mensalidade do servidor do site) Data para acertar o pagamento: 17/06
Valor arrecadado: R$ 104,89
FAÇA UMA DOAÇÃO DE QUALQUER VALOR
PIX CHAVE EMAIL: doacao@catequizar.com.br
RESPONSAVEL: Anderson Roberto Fuzatto

7º Domingo Comum – Ano Litúrgico A

19 de fevereiro de 2017

ORAÇÃO DO DIA

Pai, cria em mim um coração dócil ao Espírito, modelando-o segundo o teu modo de ser, e coloca-me no caminho da verdadeira perfeição.

PRIMEIRA LEITURA: Lv 19,1-2.17-18

Leitura do Livro do Levítico – 1O Senhor falou a Moisés, dizendo: 2“Fala a toda a comunidade dos filhos de Israel e dize-lhes: ‘Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo.
17Não tenhas no coração ódio contra teu irmão. Repreende o teu próximo, para não te tornares culpado de pecado por causa dele.
18Não procures vingança, nem guardes rancor dos teus compatriotas. Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor!’”

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 102

— Bendize, ó minh’alma, ao Senhor,/ pois ele é bondoso e compassivo!
— Bendize, ó minh’alma, ao Senhor,/ pois ele é bondoso e compassivo!

— Bendize, ó minha alma, ao Senhor,/ e todo o meu ser, seu santo nome!/ Bendize, ó minha alma, ao Senhor,/ não te esqueças de nenhum de seus favores!

— Pois ele te perdoa toda culpa,/ e cura toda a tua enfermidade;/ da sepultura ele salva a tua vida/ e te cerca de carinho e compaixão.

— O

Senhor é indulgente, é favorável,/ é paciente, é bondoso e compassivo./ Não nos trata como exigem nossas faltas,/ nem nos pune em proporção às nossas culpas.

— Quanto dista o nascente do poente,/ tanto afasta para longe nossos crimes./ Como um pai se compadece de seus filhos,/ o Senhor tem compaixão dos que o temem.

SEGUNDA LEITURA: 1Cor 3,16-23

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios – Irmãos: 16Acaso não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus mora em vós?
17Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá, pois o santuário de Deus é santo, e vós sois esse santuário.
18Ninguém se iluda: Se algum de vós pensa que é sábio nas coisas deste mundo, reconheça sua insensatez, para se tornar sábio de verdade; 19pois a sabedoria deste mundo é insensatez diante de Deus. Com efeito, está escrito: “Aquele que apanha os sábios em sua própria astúcia”, 20e ainda: “O Senhor conhece os pensamentos dos sábios; sabe que são vãos”.
21Portanto, que ninguém ponha sua glória em homem algum. Com efeito, tudo

vos pertence: 22Paulo, Apolo, Cefas, o mundo, a vida, a morte, o presente, o futuro; tudo é vosso, 23mas vós sois de Cristo, e Cristo é de Deus.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

EVANGELHO: Mt 5,38-48

         – O Senhor esteja convosco.
          – Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Mateus.
          – Glória a vós, Senhor.

          Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 38“Vós ouvistes o que foi dito: ‘Olho por olho e dente por dente!’
39Eu, porém, vos digo: Não enfrenteis quem é malvado! Pelo contrário, se alguém te dá um tapa na face direita, oferece-lhe também a esquerda!
40Se alguém quiser abrir um processo para tomar a tua túnica, dá-lhe também o manto!
41Se alguém te forçar a andar um quilômetro, caminha dois com ele!
42Dá a quem te pedir e não vires as costas a quem te pede emprestado.
43Vós ouvistes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo

e odiarás o teu inimigo!’
44Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem! 45Assim, vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons, e faz cair a chuva sobre justos e injustos.
46Porque, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa?
47E se saudais somente os vossos irmãos, o que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa?
48Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito!”

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

[apss_share]

Comentário do Evangelho

De Jesus Cristo, o Filho de Deus, aprendemos de forma prática a construir relacionamentos justos que rompem a cadeia da violência. A astúcia dos sábios deste mundo não é capaz de introduzir gratuitamente algo novo nos relacionamentos dos povos e das pessoas. A sabedoria do mundo sabe retaliar, vingar-se, repetir o que já foi feito sem nenhuma criatividade. Criativo é o Espírito, o dom de Deus, que na Crisma confirmou nosso Batismo. Estamos no mundo não para fazer a mesma coisa que fazem os “pagãos”, mas para dar início ao que não se faz. A sabedoria do Espírito inspira gestos gratuitos que rompem o velho mecanismo de repetições. No Amor de Deus vemos a sua santidade e a nossa santidade se revela no amor ao próximo, porque “Deus é o amor com que amamos o nosso irmão”, no dizer de Santo Agostinho.
Criados à imagem e semelhança de Deus, que é santo, somos todos chamados a ser santos. Na prática, somos santos quando não temos no coração ódio contra nossos irmãos, quando não somos vingativos nem rancorosos, quando amamos de fato o nosso próximo. O santo ama com um amor eficaz e construtivo. Jesus mostra que a santidade de Deus se expressa no amor e nos ensina a amar o amigo e o inimigo. É no amor sem distinção que podemos perceber a perfeição de Deus, por isso interrompemos com atitudes gratuitas o mecanismo de repetição de coisas velhas e conhecidas. Não negamos a palavra ao inimigo nem deixamos de cumprimentá-lo. Se alguém pensa nos fazer um grande desaforo tirando-nos a capa, entregamos também a blusa num gesto de absoluta liberdade. Se tirarmos a blusa de quem tira a nossa, se dermos um tapa em quem nos deu um tapa, não estaremos fazendo nada de novo. Repetimos o velho, o que já foi feito, o que já é conhecido e tudo continua na mesma. Se, porém, introduzirmos nos nossos relacionamentos algo novo, gratuito, ainda não feito e não visto, então, sim, começaremos a interromper o vaivém de gestos repetitivos. Se a um tapa segue-se outro, não há nada de novo. Se, porém, a um tapa se oferece a outra face, a força surge onde parece estar a fraqueza.

Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas

LEITURA ORANTE

Oração Inicial
Celebramos o 7º domingo do Tempo Comum. No Evangelho, Jesus instrui seus discípulos e a cada um de nós para nos empenharmos em romper com toda ação que gera a vingança e a violência. O discípulo de Jesus, a exemplo de seu Mestre, é convidado a ser promotor da paz e testemunha do amor.
Peçamos: “Jesus Mestre, cremos com viva fé que estais aqui presente, para indicar-nos o caminho que leva ao Pai. Iluminai nossa mente, movei nosso coração, para que esta meditação produza em nós frutos de vida. Amém.”

Leitura (Verdade)
O que diz o texto? Quais palavras chamaram a sua atenção durante a leitura? Quais são as orientações de Jesus? Qual é a temática central da narrativa?
“A lei de talião é anterior ao texto bíblico. Nós encontramos referência à lei de talião em vários textos do Antigo Testamento (Ex 21,24; Lv 24,20; Dt 19,21). Do latim, talis é traduzido em português por ‘tal’. Trata-se, grosso modo, da reparação exigida de alguém que cometeu um delito e que devia ser proporcional ao mal que ele causou a outro. A finalidade de tal lei era conter a vingança e a violência. Essa quinta antítese visa à superação da lei de talião e explicita a bem-aventurança da misericórdia (Mt 5,7), a exigência cristã do perdão e da reconciliação e a paz que precisa ser construída com o esforço de todos (cf. Mt 5,9). A expressão ‘não resistir ao malvado’ é ambígua e, por isso, precisa ser bem compreendida. Em primeiro lugar, é essencial a consciência de que o mal deve ser extirpado e a ele não se pode ceder; a pessoa, no entanto, é necessário salvar. Em segundo lugar, a afirmação de Jesus prescreve não pagar o mal com o mal, não pagar com a mesma moeda, não responder à violência com a violência. Para o cristão, é preciso considerar como Deus nos trata para poder superar qualquer impulso à violência, à vingança ou ao revanchismo: Deus não nos trata segundo nossas faltas. A todos, indistintamente, ele oferece o seu perdão e o seu amor. No mundo, o cristão é chamado a ser um sinal da reconciliação de Deus com a humanidade inteira, à imagem de Cristo que reconciliou o mundo com Deus” (Reflexão de Pe. Carlos Alberto Contieri, em “A Bíblia dia a dia”, Paulinas Editora)

Meditação (Caminho)
O que o texto diz a você hoje? Qual é o convite que o Senhor lhe faz? É fácil oferecer a outra face a quem nos ofende?
“Fiéis à obra de reconciliação realizada por Deus em Jesus Cristo, crucificado e ressuscitado, os católicos e todos os homens de boa vontade empenhem-se por dar exemplos de reconciliação para construir uma sociedade justa e pacífica. Nunca esqueçamos que ‘onde as palavras humanas se tornam impotentes, porque prevalece o trágico clamor da violência e das armas, a força profética da Palavra de Deus não esmorece e repete-nos que a paz é possível e que devemos, nós mesmos, ser instrumentos de reconciliação e de paz’” (Verbum Domini, 102).

Oração (Vida)
Motivados pela Palavra que meditamos, peçamos a graça de ser construtores da paz na sociedade, em nossa família e no ambiente de trabalho. Que a vivência do amor fortaleça nossos laços de fraternidade.

Contemplação (Vida e Missão)
O que está sendo pedido à sua vida, aqui e agora? Ao concluir sua reflexão do texto bíblico e sua oração, em quais realidades você percebe a necessidade de uma maior abertura? O que você pretende fazer para que isso aconteça? Que outro apelo a Palavra de Deus lhe fez e você deseja viver hoje?

Bênção
– Que Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
– Que Ele nos mostre a Sua face e se compadeça de nós. Amém.
– Que volte para nós o Seu olhar e nos dê a paz. Amém.
– Abençoe-nos, Deus misericordioso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

[apss_share]