Oração diária - A parábola dos talentos

Na liturgia diária de hoje lemos o Evangelho: Lc 19,11-28

Deus nos concede talentos, dons, que devemos partilhar. É perigoso enterrar o talento ou guardá-lo num lenço. Seria trair a confiança do rei.

Façamos a oração do dia: Pai, faze de mim um discípulo fiel de Jesus a quem deverei prestar contas do bom uso dos dons que me concedeu. Que eu seja prudente no meu agir.

33ª Semana do Tempo Comum – Ano Litúrgico A

Liturgia do dia 18 de novembro de 2020

PRIMEIRA LEITURA: Ap 4,1-11

Leitura do Livro do Apocalipse de São João – Eu João, 1vi uma porta aberta no céu, e a voz que antes eu tinha ouvido falar-me como trombeta, disse: “Sobe até aqui, para que eu te mostre as coisas que devem acontecer depois destas”. 2Imediatamente, o Espírito tomou conta de mim. Havia no céu um trono e, no trono, alguém sentado. 3Aquele que estava sentado parecia uma pedra de jaspe e cornalina; um arco-íris envolvia o trono com reflexos de esmeralda.

 4Ao redor do trono havia outros vinte e quatro tronos; neles estavam sentados vinte e quatro anciãos, todos eles vestidos de branco e com coroas de ouro nas cabeças. 5Do trono saíam relâmpagos, vozes e trovões. Diante do trono estavam acesas sete lâmpadas de fogo, que são os sete espíritos de Deus. 

6Na frente do trono, havia como que um mar de vidro cristalino. No meio, em redor do trono, estavam quatro Seres vivos, cheios de olhos pela frente e por detrás. 7O primeiro Ser vivo parecia um leão; o segundo parecia um touro; o terceiro tinha rosto de homem; o quarto parecia uma águia em pleno vôo. 

8Cada um dos quatro Seres vivos tinha seis asas, cobertas de olhos ao redor e por dentro. Dia e noite, sem parar, eles proclamavam: “Santo! Santo! Santo! Senhor Deus Todo-Poderoso! Aquele que é, que era e que vem!” 9Os Seres vivos davam glória, honra e ação de graças ao que estava no trono e que vive para sempre. 

10E cada vez que os Seres vivos faziam isto, os vinte e quatro anciãos se prostravam diante daquele que estava sentado no trono, para adorar o que vive para sempre. Colocavam suas coroas diante do trono de Deus e diziam: 11“Senhor, nosso Deus, tu és digno de receber a glória, a honra e o poder, porque tu criaste todas as coisas. Pela tua vontade é que elas existem e foram criadas”.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

SALMO 150

— Santo, Santo, Santo, Senhor Deus onipotente!
— Santo, Santo, Santo, Senhor Deus onipotente!

— Louvai o Senhor Deus no santuário, louvai-o no alto céu de seu poder! Louvai-o por seus feitos grandiosos, louvai-o em sua grandeza majestosa!

— Louvai-o com o toque da trombeta, louvai-o com a harpa e com a cítara! Louvai-o com a dança e o tambor, louvai-o com as cordas e as flautas!

— Louvai-o com os címbalos sonoros, louvai-o com os címbalos de júbilo! Louve a Deus tudo o que vive e que respira, tudo cante os louvores do Senhor!

EVANGELHO:  Lc 19,11-28

– O Senhor esteja convosco.
– Ele está no meio de nós.
– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas
– Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 11Jesus acrescentou uma parábola, porque estava perto de Jerusalém e eles pensavam que o Reino de Deus ia chegar logo. 12Então Jesus disse:

“Um homem nobre partiu para um país distante, a fim de ser coroado rei e depois voltar. 13Chamou então dez dos seus empregados, entregou cem moedas de prata a cada um e disse: ‘Procurai negociar até que eu volte’. 14Seus concidadãos, porém, o odiavam, e enviaram uma embaixada atrás dele, dizendo: ‘Nós não queremos que esse homem reine sobre nós’. 15Mas o homem foi coroado rei e voltou. Mandou chamar os empregados, aos quais havia dado o dinheiro, a fim de saber quanto cada um havia lucrado.

16O primeiro chegou e disse: ‘Senhor, as cem moedas renderam dez vezes mais’. 17O homem disse: ‘Muito bem, servo bom. Como foste fiel em coisas pequenas, recebe o governo de dez cidades’. 18O segundo chegou e disse: ‘Senhor, as cem moedas renderam cinco vezes mais’. 19O homem disse também a este: ‘Recebe tu também o governo de cinco cidades’. 20Chegou o outro empregado e disse: ‘Senhor, aqui estão as tuas cem moedas que guardei num lenço, 21pois eu tinha medo de ti, porque és um homem severo. Recebes o que não deste e colhes o que não semeaste’.

22O homem disse: ‘Servo mau, eu te julgo pela tua própria boca. Tu sabias que eu sou um homem severo, que recebo o que não dei e colho o que não semeei. 23Então, por que tu não depositaste meu dinheiro no banco? Ao chegar, eu o retiraria com juros’. 24Depois disse aos que estavam aí presentes: ‘Tirai dele as cem moedas e dai-as àquele que tem mil’. 25Os presentes disseram: ‘Senhor, esse já tem mil moedas!’ 

26Ele respondeu: ‘Eu vos digo: a todo aquele que já possui, será dado mais ainda; mas àquele que nada tem, será tirado até mesmo o que tem. 27E quanto a esses inimigos, que não queriam que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui e matai-os na minha frente’”. 28Jesus caminhava à frente dos discípulos, subindo para Jerusalém.

– Palavra da Salvação
– Glória a vós Senhor.

COMENTÁRIO DO EVANGELHO

Esta é a parábola das minas, moedas de ouro que os servos receberam enquanto o patrão viajou. O patrão desta parábola era odiado e não o queriam como rei. Ele elogiou os servos que multiplicaram o seu dinheiro e puniu aquele que se recusou a negociar com o que tinha recebido.

Ele se recusou multiplicar o dinheiro do seu patrão, que recebia o que não tinha dado e colhia o que não tinha semeado. O servo punido é o que merece elogio por não querer colaborar, e o elogio dado pelo patrão aos servos produtivos é na realidade vitupério. O servo punido não foi cúmplice do novo rei odiado. A obediência dos premiados não foi virtude. Pode ter sido medo ou ignorância.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial

No início de nossa leitura orante, peçamos ao Espírito Santo a graça de compreender o mistério da vida de Cristo que a Palavra hoje nos apresenta.

“Senhor Jesus, dá-me um coração simples para compreender a riqueza de ensinamentos escondida em tua Palavra. Envia teu Espírito Santo para que eu não tenha medo de escutá-la e vivê-la conforme a tua vontade. Que a Palavra transforme o meu coração através da fé e confiança que eu deposito em ti. Amém.”

Leitura (Verdade)

O que diz o texto? Qual a mensagem central desta parábola?
“Lucas e Mateus narram a mesma parábola, com detalhes diferentes. No entanto, a conclusão é sempre a mesma. Um rei entregou aos seus servos seus bens. Lucas fala numa “bolsa de dinheiro”.

Ao retornar, solicita prestação de contas. A resposta de cada um é diferente. Enquanto dois servos agem com inteligência, um terceiro servo deixa-se intimidar pelo medo e guarda a moeda – talento ou mina –, conforme cada evangelista, num lenço.

A resposta é proporcional ao empenho de cada um. Uns recebem o governo de algumas cidades e o servo preguiçoso acaba perdendo toda a recompensa. Deus nos concede talentos, dons, que devemos partilhar. É perigoso enterrar o talento ou guardá-lo num lenço. Seria trair a confiança do rei.” 

Meditação (Caminho)

Como está a sua fé? Você a tem exercitado praticando atos de amor? O que você está fazendo com os talentos que recebeu para multiplicar? O que você considera o verdadeiro bem da sua vida? Que herança Jesus deixou para você? Você a tem usado e multiplicado?

Oração (Vida)

Pai, faze de mim um discípulo fiel de Jesus a quem deverei prestar contas do bom uso dos dons que me concedeu. Que eu seja prudente no meu agir e generoso no serviço ao Reino de Deus. Que eu aplique cada momento de minha vida para fazer o bem, e assim, os dons que recebi do Senhor se multipliquem em gestos de misericórdia.

Contemplação (Vida e Missão)

Refletindo sobre a parábola dos talentos, como quero viver esse dia? Qual dos tantos talentos que Deus me deu quero multiplicar hoje em gestos de bondade?

Bênção

Abençoe-nos o Deus da vida, do amor, da justiça e da paz. Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. Permaneçamos unidos a Jesus Cristo nosso Caminho, nossa Verdade e nossa Vida.

  • O Senhor Deus nosso Pai esteja sempre conosco.
  • Ele está no meio nós.

Oremos: “Senhor nosso Deus, Que enviastes Vosso Filho ao mundo Para curar as nossas enfermidades, Levar sobre Si as nossas dores, Redimir nossos pecados e Nos dar a Vida Eterna que vem de Vós, Tendes Piedade de nós!

Deus Misericordioso, Que cuida de todas as Vossas Criaturas, Atendei as nossas suplicas, e Segundo a Vossa Vontade, Protegei o Vosso Povo, Oprimido por essa doença terrível. Guardai e mantenhais a saúde daqueles Que não contraíram essa doença e Dai Senhor, aos que a contraíram, Paciência fortalecida, fé renovada e A cura desse mal, Para que todos nós desfrutemos De plena e duradoura saúde! Por Jesus Cristo nosso Senhor.” Amém.

Todo o Louvor, toda a Honra, toda a Gratidão, Toda a Fé, toda a Confiança, Toda a Adoração e toda a Glória Sejam dadas aos Senhor nosso Deus, Agora e para sempre! Em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo! Amém.

Confira a Homilia dominical.Clique aqui