Meus queridos irmãos,

O Livro do Deuteronômio, que surgiu com a reforma religiosa de Josias, em 620 a.C., faz uma recapitulação da Lei de Moisés. Comporta uma espécie de definição do que deve ser um profeta. O profeta deve ser como Moisés, que escuta a Palavra de Deus, que coloca suas palavras na boca para transmiti-las, alguém que não fale em nome de Deus o que este não lhe tiver inspirado, nem fale em nome de outros deuses; alguém cujas palavras sejam confirmadas pelos fatos.

A missão de Jesus tem um elemento fundamental: a boa nova, que Jesus nos ensinou e que ele trouxe, alcança todos os espaços da nossa existência, desde o espaço que consagramos para o culto divino – a igreja templo -; até a nossa vida privada e familiar em casa, no trabalho, no lazer, no esporte etc. Seja onde for, a boa nova de Jesus deve estar presente e, de uma maneira muito particular, o sagrado impregna o dia e a noite de quem se faz discípulo de Jesus, como tudo assim foi consagrado para Jesus.

Cafarnaum, a cidade em que Jesus é apresentado como visitante, não era uma cidade muito santa. Marcos, o Evangelista que caminha conosco este

ano na busca de demonstrar quem é Jesus e quem é o discípulo, anuncia a universalidade dos locais em que Cristo deve ser manifestado e anunciado. Não é o lugar que santifica o discípulo de Cristo e a sua missão. A mente e o coração devem estar voltados para Deus, fundamental naqueles que se deixam enamorar pelo Cristo. O nosso querer e o nosso agir voltados para Deus, para que busquemos a santidade de vida e a santidade de estado. A santidade acima de tudo e de todos, como nos anunciou hoje o livro do Deuteronômio, quando é proclamado que somos chamados a ser profetas no meio dos irmãos, ou numa linguagem mais pastoral para os dias atuais, somos chamados a nos transformarmos em evangelizadores. O verdadeiro evangelizador vive em todo e em qualquer lugar, em toda e qualquer hora, em todo e qualquer tempo, crendo, adorando, contemplando e servindo o Senhor, quer esteja rezando, quer esteja trabalhando, quer esteja na intimidade de sua casa, quer esteja em logradouros públicos, quer esteja no divertimento.

A vocação profética é uma vocação que

surge por iniciativa de Deus. Ninguém é profeta por escolha própria, mas porque Deus o chama. O profeta tem de ter consciência, antes de mais, que é Deus quem está por detrás da sua escolha e do seu envio. O profeta não pode assumir uma atitude de arrogância e de autossuficiência, mas tem de se sentir um instrumento humilde através do qual Deus age no mundo.

Ao tomar consciência de que é apenas um instrumento através do qual Deus age no meio da comunidade humana, o profeta descobre a necessidade de levar muito a sério a missão que lhe foi confiada. O testemunho profético não é um passa tempo ou um compromisso para as horas vagas; está fora de causa ao cruzar os braços e deixar correr. Trata-se de um compromisso que deve ser assumido e vivido com fidelidade absoluta e total empenho.

Se o profeta é designado para tornar presente no meio dos homens o projeto de Deus, ele não pode

utilizar a missão em benefício próprio; não deve ceder à tentação de se vender aos poderes do mundo e pactuar com eles, a fim de concretizar a sua sede de poder e de protagonismo, não pode “vender a alma ao diabo” para daí tirar algum benefício, não deve utilizar o seu ministério para se exibir, para ser admirado, para conseguir sucesso, para promover a sua imagem e obter os aplausos das multidões. A missão profética tem de estar sempre ao serviço de Deus, dos planos de Deus, da verdade de Deus, e não ao serviço de esquemas pessoais, interesseiros e egoístas.

Caros irmãos,

São Marcos inicia o seu Evangelho(Mc 1,21-28) já afirmando a divindade de Cristo, chamando Jesus de Filho de Deus. Todos reconhecem que Jesus é o Messias, o Enviado por Deus para nos salvar.

Os primeiros a reconhecerem o senhorio do Cristo foram os próprios profetas, particularmente João Batista, o precursor. Assim, no trecho do Evangelho que lemos hoje, os espíritos maus também reconhecem a chegada de Jesus, e confessam que Ele é o “Santo de Deus” (Mc 1, 24) e por isso obedecem ao Salvador (Mc 1,26-27). Portanto, todos, do alto do céu às profundezas do inferno, tomam conhecimento da chegada de Jesus ao mundo, o vêem presente, o reconhecem como Messias, com “o poder de Deus”. E, o povo, dá o prazo mais simples na fé, admirando que Jesus é o Messias (Mc 1,22). Quem passar, com o tempo e a maturidade da fé, da admiração ao amor, do espanto (Mc 1,27) ao seguimento, poderá ser discípulo de Jesus e entrar pela porta estreita que leva ao caminho da vida plena, da vida que nunca se extingue (Mt 7,14).

Dois fatos importantes são salientados pelo Evangelho de hoje: primeiro Jesus mostra seu poder de palavra e em segundo mostra o seu poder sobre a maldade. O duelo entre Deus e Satanás sempre estará presente e, no final, Jesus vencerá o maligno (Jo 16,33). Na nossa vida, todos nós podemos constatar que existe a maldade no mundo. Todos já experimentamos o espírito do mal, agindo contra os homens e mulheres que temem a Deus por causa da calúnia, da injúria, da disputa de poder que muitos, infelizmente, travam na vida.

Como cristãos, desejamos com pio ardor que a maldade não existisse. A maldade, para o escritor sagrado, está em Satanás, anjo caído do céu (Lc 10,18). A doença, embora não seja necessariamente conseqüência da maldade, é sua irmã. Cristo, assim, mostrou poder sobre doenças e maldades e instituiu uma aliança de vida. Jesus veio para que todos pudessem ter vida em abundância (Jo 10, 10).

Enfrentar uma doença ou enfrentar o demônio era a mesma coisa para os conterrâneos de Jesus. E vencer ao demônio e a doença era a manifestação da chegada do Messias. Assim, na história da salvação, também os Apóstolos lutarão contra os demônios e toda a Igreja terá, no combate constante ao mal, uma de suas maiores preocupações. A Igreja que combaterá a perseguição aos seus filhos, que combaterá as superstições, a magia, a idolatria, a feitiçaria, a opressão, a miséria do corpo e da alma, recebeu essa grande missão de Jesus. A construção do Reino de Deus passa pela destruição do pecado, da morte, do diabo e da doença.

Estimados irmãos,

Jesus traz um ensinamento novo. Jesus não pretende abolir as leis. O Reino de Jesus é uma nova maneira de ver o mundo, a história e de viver este reino entre os homens e as mulheres. A novidade de Jesus é o relacionamento trinitário que nos é revelado. A novidade está no amor a Deus. Mas, mais do que amar a Deus sobre todas as coisas, somos convidados a inovar, amando-nos mutuamente. Amor que é perdão dos pecados. Amor que é acolhida dos irmãos e irmãs, particularmente do diferente. Amor que é boa nova, acolhida, misericórdia, reparação, compaixão, comum união de vida e de partilha.

A maldade tem por conseqüência a morte. Entretanto, pelos homens e as mulheres, Jesus venceu a morte e tem em suas mãos as chaves da morte e do inferno (Ap. 1,18). Jesus é o Santo de Deus (Mc 1,24), é o escolhido que procede de Deus e tem poderes divinos. Jesus é Deus entre nós e nos conduz pelo caminho certo que leva à presença e à comunhão com Deus já na vida atual. Esse viver e atuar na presença de Deus é o Reino dos Céus pregado por Jesus.

O povo judeu se admirava com Jesus. A admiração é a mãe da sabedoria. A admiração gera fé, embora a fé não se reduza à admiração.

Para Marcos, a proposta de Deus torna-se realidade viva e atuante em Jesus. Ele é o Messias libertador que, com a sua vida, com a sua palavra, com os seus gestos, com as suas ações, vem propor aos homens um projeto de liberdade e de vida. Ao egoísmo, Ele contrapõe a doação e a partilha; ao orgulho e à autossuficiência, Ele contrapõe o serviço simples e humilde a Deus e aos irmãos; à exclusão, Ele propõe a tolerância e a misericórdia; à injustiça, ao ódio, à violência, Ele contrapõe o amor sem limites; ao medo, Ele contrapõe a liberdade; à morte, Ele contrapõe a vida. O projeto de Deus, apresentado e oferecido aos homens nas palavras e ações de Jesus, é verdadeiramente um projeto transformador, capaz de renovar o mundo e de construir, desde já, uma nova terra de felicidade e de paz. É essa a Boa Nova que deve chegar a todos os homens e mulheres da terra.

Caros irmãos,

Que fazemos da Palavra? Por duas vezes, São Marcos chama a nossa atenção para o ensino de Jesus, feito “com autoridade”. As multidões são atingidas: esta palavra é verdadeiramente diferente das dos escribas. Estes últimos eram, na realidade, repetidores que apenas rediziam a Lei, triturando-a de mil maneiras, disputando sobre o sentido de cada palavra, acabando por diluir a Palavra de Deus nas suas argúcias. Jesus anuncia uma palavra nova, uma palavra de “autoridade”. Trata-se de uma palavra que faz crescer, que está ao serviço do crescimento do ser e da vida. É o sentido da ordem de Jesus ao espírito mau: “Silêncio! Sai deste homem!” Jesus veio para que os homens “tenham a vida e a tenham em abundância”. A sua autoridade é unicamente um poder de vida e não de morte. Os escribas acabavam por esterilizar a Lei. Jesus liberta-a de toda a carcaça para fazer dela uma Palavra criadora de vida. E nós, em Igreja, que fazemos desta Palavra? Muitas vezes, transformamos as palavras do Evangelho em tantos preceitos morais, jurídicos, que enfermam as consciências culpabilizando-as, em lugar de fazermos apelos ao Espírito de liberdade que nos quer colocar de pé, fazer de nós seres vivos.

Neste domingo nos deparamos com o sentido da autoridade. A autoridade como serviço foi o modo como Jesus exerceu seu ministério. Jesus ensinou aos seus seguidores e até mesmo exigiu deles. Não veio para dominar ou para ser servido, mas para servir. Veio, antes de tudo, para libertar a humanidade; para que, vivendo em liberdade, as pessoas possam expandir-se, desenvolver-se como seres humanos, viver em plenitude.

Jesus nos libertou dos “espíritos malignos” do medo, das compulsões, do egocentrismo estreito, da raiva, do ressentimento, da hostilidade e da violência, que impedem as pessoas de realmente desfrutar a experiência de estarem vivas. Quão triste é, então, constatar que tantas pessoas veem a fidelidade à fé cristã como um fardo a ser descartado para que possam ser “livres” da opressão e da limitação da religião. Até que ponto a Igreja é responsável por essa imagem, tão contraditória com a mensagem do Evangelho?

Vamos pedir a Jesus que a mensagem do Evangelho seja verdadeira fonte de libertação para nós. Que Jesus nos liberte de tudo o que nos torna surdos, mudos, cegos para Deus e para o próximo e paralisados ​​pelo medo.

Irmãos e Irmãs,

Paulo explica na sua carta de hoje aos Coríntios(1Cor 7,32-35) as vantagens do celibato, na perspectiva da escatologia.  É melhor e aprazível sempre adotar um estado de vida que nos deixa livres. O celibato como entrega total a Deus, a Igreja e aos irmãos que precisam de nossa ação. Tudo isso para que, a título de mensagem para a missa de hoje, a Igreja é chamada a apresentar ao mundo a Palavra de Deus e o anúncio de seu Reino. Como confirmação dessa mensagem, deve também demonstrar, em sinais e obras, que o poder de Deus supera o mal: no empenho pela justiça e no alívio do sofrimento, no saneamento da sociedade e na cura do meio ambiente adoentado.

São Paulo está  convicto de que as realidades terrenas são passageiras e efémeras e não devem, em nenhum caso, ser absolutizadas. Não se trata de propor uma evasão do mundo e uma espiritualidade descarnada, insensível, alheia ao amor, à partilha, à ternura; mas trata-se de avisar que as realidades desta terra não podem ser o objetivo final e único da vida do homem. Esta reflexão convida-nos a repensarmos as nossas prioridades, e a não ancorarmos a nossa vida em realidades transitórias.

A virgindade consagrada, por amor do Reino, nem sempre é um valor compreendido, à luz dos valores da nossa sociedade. São Paulo, contudo, sublinha o valor da virgindade como valor autêntico, pois anuncia o mundo novo que há-de vir e disponibiliza para o serviço de Deus e dos irmãos. É sinal de desprendimento, de doação, de disponibilidade e deve ser positivamente valorizada. Aqueles que são chamados a viver dessa forma não são gente estéril e infeliz, alheia às coisas bonitas da vida, mas são pessoas generosas, que renunciaram a um bem (o matrimónio) em vista da sua entrega a Deus e aos outros.

O desejo de São Paulo é o de apresentar um caminho equilibrado, face a estes exageros: condenação sem apelo de todas as formas de desordem sexual, defesa do valor do casamento, elogio do celibato (cf. 1 Cor 7). Provavelmente, os coríntios tinham consultado Paulo acerca do melhor caminho a seguir – o do matrimónio ou o do celibato. Paulo responde à questão no capítulo 7 da Primeira Carta aos Coríntios (de onde é retirado o texto da nossa segunda leitura). Paulo considera que não tem, a este propósito, “nenhum preceito do Senhor”; no entanto, o seu parecer é que quem não está comprometido com o casamento deve continuar assim e quem está comprometido não deve “romper o vínculo” (1 Cor 7,25-28). Na perspectiva de Paulo, os cristãos não devem esquecer que “o tempo é breve”, quando tiverem que fazer as suas opções – nomeadamente, quando tiverem que fazer a sua escolha entre o casamento ou o celibato.

Palavra e sinal, eis a missão profética da Igreja nos dias atuais. Que Deus nos ajude neste bom propósito!

Padre Wagner Augusto Portugal