Jubileu da Terra

34
jubileu da terra

No início do mês de Setembro, um Mês muito importante para a Igreja que peregrina no Brasil, pois é o Mês da Bíblia por vontade da CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil –  nós fomos convidados a  iniciá-lo com uma atenção especial voltada a criação que é dom de Deus, por meio da oração, refletir sobre como estamos cuidando da nossa “casa comum” como nos exortou o Papa Francisco. Como estamos cuidando das vidas existentes em nosso planeta, da natureza, da água e até mesmo da nossa própria vida humana.

Nós somos templos vivos de Deus e devemos cuidar do nosso corpo para que ele não se manche, e cuidar para que o preservemos de todo o mal até o dia em que Deus nos chamar para junto Dele e consequentemente devemos proteger as vidas existentes em nosso planeta.

Devemos proteger a água e ter cuidado com ela, pois a água é vida, por conseguinte é benefício que Deus nos concede para saciar nossa sede. As águas do rio produzem vidas como peixes, aves e outros animais. Temos que cuidar da água do mar, e dos mananciais que chegam as nossas casas, para que tenhamos uma água limpa para consumirmos. O nosso planeta é 70% água, devemos cuidar para que ela não se acabe e nem poluir as águas potáveis que existem.

Vivemos num tempo de aquecimento global e onde os recursos naturais estão se esgotando, o clima está cada vez mais mudado, devido a ação do homem na natureza criada por Deus. As catástrofes que acontecem como as tempestades, vulcões, tornados que vem acontecendo ultimamente, muitas vezes são devidas as ações maléficas do homem na natureza.

Esta atual pandemia acabou sendo num certo sentido um momento para o homem repensar em suas atitudes e quando passar tudo isso procurar cuidar melhor da nossa casa comum e mudar as atitudes consigo mesmo e com o próximo. Vejo, particularmente, ao entorno da sede da Arquidiocese o cantar dos pássaros que retornaram. Sentimos a poluição diminuir com o tráfego menor de veículos. São apenas alguns pequenos exemplos positivos em favor da conservação da natureza.

Essa data foi instituída pelo Papa Francisco em 2015, ela tem um intuito ecumênico, ou seja, todas as denominações religiosas são convidadas nesse dia a para por um momento nesse dia e orar e refletir sobre o cuidado com a criação. Pois se a terra é nossa “casa comum” é a casa de todos, independente do credo que professa. A Igreja Ortodoxa já comemora essa data desde 1989.

A comemoração dessa data estende-se até o dia 04 de Outubro, onde se comemora o dia de São Francisco de Assis, num período chamado da Criação”, comemorado pelas Igrejas Cristãs ao redor do mundo. São Francisco nos inspira no cuidado com os animais e com o planeta. Como neste ano o Dia Mundial do Planeta completa 50 anos, este tempo, neste ano tem o tema de: “Jubileu da Terra: novos ritmos, nova esperança”.

Portanto, o cuidar do planeta e da criação requer cuidar de nós mesmos, se eu cuido do meu corpo e de preservá-lo de todo o mal eu cuidarei do meu próximo e do meio ambiente em que vivo. Rezamos no dia 1º de Setembro agradecendo a Deus o dom da vida e por todos os benefícios que ele nos concede.

Aproveitemos nesse dia e rezemos por tantas pessoas que não tem saneamento básico à disposição, que não tem água limpa e tratada. Para que os governantes olhem os esgotos a céu aberto que temos em muitos bairros de nossas cidades. Que os governantes procurem recursos para despoluir rios e córregos de nossas cidades para que ali possa gerar vida novamente e a vida da população não seja tão afetada.

Rezemos para que cuidem da nossa Amazônia, que olhem por ela e cesse as queimadas que estão devastando a floresta e interrompendo as vidas existentes ali. A fauna brasileira é bem vasta, não deixemos que ela se acabe.

Rezemos, ainda, para que as pessoas mudem as suas atitudes e joguem o lixo no lixo e não nas ruas ou nos rios poluindo a cidade. Que as pessoas tomem consciência do risco que é fazer queimadas e do quanto é prejudicial a vida do ser humano sem as árvores.

Portanto, que este dia nos sirva de reflexão para cuidarmos melhor do meio ambiente e da criação querida por Deus. Podemos começar da nossa casa, do nosso ambiente de trabalho, na nossa rua. Jogando o lixo no lixo, separando o lixo orgânico do reciclável e não desperdiçando água. Em pequenos gestos, começando do ambiente em que vivemos podemos contribuir para a melhoria do planeta.

Aproveitemos já que entraremos no mês da Bíblia, a ler e refletir o relato da criação de Deus contido no livro do Gênesis, para que nos inspire ao cuidado da sua criação.  Que Deus, por intercessão de São Francisco de Assis, nosso irmão universal, nos abençoe, nos proteja de toda sorte de maldade humana, particularmente a maldade ecológica, e cuide de nós e de nosso planeta a nossa casa comum. Amém.

Orani João, Cardeal Tempesta, O.Cist.

Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ