Jesus é a paz do mundo

fazer a vontade de Deus é estar em paz
aqui

Jesus é a paz do mundo: para isso veio, viveu e morreu. Mas nós, como, Jesus, convivemos, num mundo de injustiças. Logo, quem decide por Ele, é contra as divisões e injustiças. Vai sofrer. Estamos dispostos a pagar o preço da fidelidade?

Jesus no Evangelho fala em fogo, mas, a que (fogo) se refere? Não veio, para trazer a paz e a fraternidade? Então de que fogo está falando? Daquele, dos incêndios? Não. Já existia. Do fogo das revoluções, das guerras? Como a do Putin, da Ucrânia, da China, ou similares? Não. Do fogo, que queimando, mata? Destrói? Não. Ele veio somente para salvar, jamais para condenar. 1.1 Alude, certamente, ao fogo do Espírito Santo, ao da renovação, ou seja, daquele que há de queimar as malvadezas, ódio, injustiças, ganâncias etc. 1.2 Ao Amor, que não despreza, pobres, desempregados, marginalizados, nem membros de outras religiões ou crenças. Fala do seu fogo: o divino. 1.3 Ele sabia e muito bem, que isso não seria fácil, mas por amor a nós, tudo enfrentou. 1.4 Por isso, encarnou-se. Tornou-se semelhante a nós, (menos no pecado) enfrentando as maldades, sem acusar a ninguém. Perturbou consciências pesadas, diabólicas, pois a luz machuca, sempre, olhos doentes. Doentes: não os sãos. 1.5 São os maus, que gostam das trevas, as buscam e nelas, se escondem.

Jesus tem um batismo, no qual deve ser batizado(…)e como, deseja que aconteça. Na verdade, teve dois (batismos): o do Jordão e o do Calvário. No das águas, assumiu sua missão, na cruz, morrendo a consumou, abrindo-nos a casa do Pai. Enfatizo: a morte na cruz, foi seu maior sofrimento. No entanto, tornou-se também, o momento de nossa redenção e o da glorificação amorosa e plena do Pai. Hoje, como são vivenciados nossos batismos?

A missão de Jesus, foi plena de contradições, não por Ele causadas, porém, por Ele sofridas, em função da vivência da missão recebida. Pergunto então, não afirmava já o Antigo Testamento, que Ele seria o príncipe da paz? Sim. (Is 9,5,6;11.6-9). Anjos, em seu nascimento, não cantaram paz aos homens de boa vontade? (Lc 2,14). Não afirma Paulo, que Ele é nossa paz? (Ef 2,14) Sim. Por que, então retoma Jesus a afirmação: “não vim trazer a paz, mas a divisão”? Por quê? Porque nem todos optam pela paz, pelo reino de Deus, mas buscam outros (reinos). Surgem então confusões, ódio, atentados e mortes.  Nós próprios, já sentimos, isso em não poucas famílias, onde uns optaram por Cristo, outros contra uns pela Igreja Católica, outros contra, ou até pelo ateísmo. Quanta amargura, divisões e infelicidade. É claro, Jesus nunca foi causa de separações, injustiças, mas apenas ocasião, pois quem não é a favor é contra Cristo. O sofrimento, aliás, já está embutido, na própria finitude humana. Jesus sempre repudiou radicalismos, mas nunca a radicalidade na fidelidade. Ninguém pode querer defender o Reino de Deus, sendo contra Cristo, e a justiça. Infelizmente existem hoje, muitos cristãos, de meia tigela: nem frios nem quentes. São os mornos. Qual é a nossa opção? Por e com Cristo? Por um mundo melhor? Lembro: Jesus não foi para cruz, por ter feito milagres, nem por ter rezado, mas por que, se posicionou contra o mal, injustiças, corrupção e usura. E em nossos dias, como nos posicionamos nós?

Hoje é também o dia dos Pais. Sê-lo é vocação e missão. É graça. Felizes as famílias onde os pais são referências amorosas e seguras, para todos os de casa. Parabéns e muitos anos de vida, para a felicidade das famílias. Em nossas Eucaristias, os lembraremos, com gratidão.

+ Dom Carmo João Rhoden – SCJ

Bispo Emérito de Taubaté –SP

Presidente da Pró Saúde.