Família, fonte de vocações

Família, fonte de vocações
aqui

No período de 13 a 19 de agosto, a Igreja no Brasil celebra a Semana Nacional da Família. Mais do que uma celebração, é um momento de reflexão a respeito da família. A Igreja tem um carinho especial pela família, pois é na família que se transmite os verdadeiros valores, sobretudo o valor da fé.

A Igreja reconhece a família como a igreja doméstica. A primeira catequese se aprende na família, quando a mãe ou a avó ensina aos filhos e netos as primeiras orações do cristão. É bonito ver a família reunida nas missas dominicais. Família que reza unida, permanece unida. Se os filhos crescem em um lar com espaço para a oração e ir à missa dominical, no futuro, certamente eles seguirão o exemplo dos pais.

Agora, se os filhos crescem em um lar onde não há espaço para a oração e os pais não vão a missa dominical, no futuro os filhos também não irão. Os pais sempre serão o exemplo para os seus filhos. Por isso, os pais devem sempre transmitir aquilo que é certo para os seus filhos.

Ao longo da Semana Nacional da Família, as paróquias ou as dioceses aqui no Brasil promovem encontros realizados pela pastoral familiar com reflexões a respeito da família. Também ocorre momentos de espiritualidade e dinâmicas entre os participantes. Esse momento pode ser direcionado somente aos pais ou com a presença dos filhos. Em cada dia da semana, há um tema específico para reflexão, que acontece sempre à noite, para possibilitar a presença de quem trabalha.

A Semana Nacional da Família desse ano acontece em sintonia com o terceiro ano vocacional que a Igreja no Brasil está vivenciando, sempre fazendo parte do mês vocacional. O tema para a Semana Nacional da Família desse ano é: “Família, fonte de vocações”. Esse tema foi escolhido pela Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF). Esse tema é o mesmo do Simpósio Nacional das Famílias, que também está em sintonia com o terceiro ano vocacional. Para meditar ao longo dessa semana, é oferecido o subsídio “Hora da família”. Temos várias sugestões de temas que podem ser desenvolvidos em nossas comunidades fortalecendo os valores familiares.

A escolha do tema: “Família, fonte de vocações”, nos mostra que é nas famílias que surgem as vocações, sobretudo as sacerdotais e religiosas — e é nas famílias que as vocações precisam ser trabalhadas. A família deve orientar os seus membros a ouvir o chamado de Deus e procurar um caminho.

Mas, a família não deve impor uma vocação ao filho, filha, neto, neta ou afilhado. A escolha deve ser livre, segundo aquilo que Deus falou no coração. A decisão pela vocação certa deve ser uma escolha madura daquele que escolhe, pois, se não for assim, será infeliz e a vocação não irá adiante. A escolha pela vocação certa faz com que a pessoa seja feliz e realizada.

O lema escolhido para Semana Nacional da Família é: “Corações ardentes, pés a caminho(Lc 24, 32-33). O lema segue a mesma linha do tema e tem um cunho vocacional, recorda a passagem dos discípulos de Emaús, que sentiram o coração arder ao reconhecer Jesus, ao partir o pão e ao se colocarem a caminho para anunciar aos demais que Cristo ressuscitou.

Do mesmo modo, cada vocacionado deve sentir o coração arder toda vez que é partilhado o pão Eucarístico e deve se colocar a caminho anunciando a mensagem de salvação e animando novos jovens a assumirem a vocação.

Todas as paróquias devem ter a pastoral familiar e algum movimento familiar com o intuito de acolher as famílias, promover junto com o pároco a Semana Nacional da Família, além de realizar outros encontros ao longo do ano, assim como os vários movimentos e grupos de espiritualidade ligados ao matrimônio e família.

São muitos os movimentos e grupos de espiritualidade familiares, além da pastoral da família e suas várias situações. São importantes instrumentos para o trabalho com o matrimônio e família. Nestes tempos difíceis a insistência para a vida da família cristã e seus devidos esclarecimentos e testemunhos é muito importante.

A semana da família começa com o dia dos pais, segundo domingo de agosto, mês vocacional. Peçamos para que tenham o mesmo coração de São José que cuidou com um coração de pai do Filho de Deus. Neste ano, de modo especial, a igreja do Brasil pede também que façamos no final de todas as missas deste final de semana a oração especial pelo nascituro pedindo a Deus para que não seja aprovada a ADPF 442. Peçamos para a que a vida do nascituro continue a ser respeitada em nosso país.

Como falamos no início, a família tem uma grande importância para a Igreja. Por isso, não podem ficar deslocadas, mas devem participar da Igreja. É preciso ir ao encontro das famílias afastadas e convidá-las para participar novamente do seio da Igreja.

As famílias de hoje são o futuro de amanhã. É das famílias que surgirão novos padres, novas freiras, novos pais e mães. Dessa forma, a Igreja terá a sua continuidade.

Participemos com alegria da Semana Nacional da Família. Procure informações na sua paróquia sobre os encontros de reflexão da semana, participe com toda a família e que seja uma oportunidade para refletirmos sobre a importância da família na vida de cada batizado. Que todos possam entender que a família tem um valor fundamental em nossa sociedade. Que em nossos lares possa haver espaço para o amor, perdão e oração.

Que a Sagrada Família de Nazaré proteja, guarde e ilumine todas as famílias. Amém.

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.

Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ