Educar uma criança é corrigir suas más tendências

educar os filhos, corrigir os erros dos filhos
aqui

“Mime-os com tudo, não os iniba em nada; não corrijam nem um pouco os seus filhos”, proclamava – ad nauseam – a chamada “educação moderna” das escolas pedagógicas, psicológicas e psiquiátricas, surgida por volta da década de 1960. Não reprima nem mesmo os maus impulsos dos seus filhos, nem mesmo proibindo-os de chupar o dedo ou de frequentar cinemas de moral duvidosa, pois qualquer proibição poderia ter um efeito traumático negativo —decidiram os novíssimos pedagogos.

O tempo passa, o mundo gira… e, com as luzes se apagando no século XX, “belos conceitos” da chamada “educação moderna” caem por terra, como um castelo de cartas fundado na utopia. Com o colapso desta pseudopedagogia, surgem novos conceitos e pedagogos, psicoterapeutas e psiquiatras apontam que os pais devem aprender a impor limites.

Quem tenta satisfazer todas as necessidades da criança e evitar qualquer sofrimento está errado ; isso apenas criará uma criatura infeliz e mal ajustada. Estabelecer limites para as crianças irá obrigá-las a adaptar-se, desde muito cedo, a circunstâncias inesperadas e, consequentemente, a procurar alternativas. A psicoterapia atual conclui que graças à recusa, nossos filhos se tornarão mais flexíveis e criativos, aprenderão a negociar e desenvolverão melhor suas capacidades emocionais.

Em que consiste a educação da criança?

Cuidando dele, suprindo suas necessidades para não lhe faltar nada de roupa e comida?

-Não.

Quem tenta satisfazer todas as necessidades da criança e evitar qualquer sofrimento está errado.

É ensiná-lo a ler e escrever, comunicando os conhecimentos que ele precisará mais tarde para administrar seus negócios?

– Não.
A educação é uma tarefa mais excelente…

Depois de mostrar que tudo isso é bom e necessário, mas de menor importância para a criança, o Padre Marcelino Champagnat explica que, devido ao pecado original, o homem nasce com o germe de todos os vícios.

Ele é um lírio [a criança], mas cresce entre os espinhos; É uma videira que precisa de poda… O objetivo da educação é tirar os espinhos, podar a videira…
Educar a criança será portanto:

Corrigir vícios e defeitos: orgulho, indolência, duplicidade, egoísmo, gula, grosseria, ingratidão, devassidão, roubo, preguiça, etc.

Ora, todos estes vícios e outros semelhantes devem ser afogados em germes: o verme deve ser morto antes de se tornar uma víbora, e uma indisposição deve ser remediada antes de degenerar numa doença mortal. Quando surge um defeito numa criança, basta uma repreensão branda, um castigo leve para remediar o mal e afogar o germe nocivo ; Mas se você deixar crescer, se tornará um hábito que você não conseguirá corrigir, por mais que tente. Os defeitos e vícios incipientes, aos quais não se dá importância e, sob tal pretexto, já não são reprimidos, “são”, diz Tertuliano, “germes de pecados que pressagiam uma vida criminosa”.

Os espinhos, quando começam a brotar, não picam; As víboras, ao nascer, não possuem veneno; Porém, com o tempo, as pontas dos espinhos tornam-se duras e afiadas como punhais; e as víboras, à medida que envelhecem, tornam-se mais venenosas. O mesmo acontece com os vícios e defeitos dos meninos: se lhes for permitido crescer e florescer, tornam-se paixões tirânicas e hábitos criminosos que oferecem resistência invencível a qualquer tentativa de correção.