Cure a cegueira do orgulho

orgulhoso e arrogante

O orgulho pode levar à insensibilidade, ao desprezo pelo outro, à crença de ser superior aos equivocados, aos viciosos, aos incultos, aos ancorados em um passado visto como sem sentido.

Arrogância cega, principalmente quando se tem grande inteligência e personalidade forte, que o levam a se sentir qualificado para julgar tudo com um critério válido: o seu.

Uma vez ferido pela cegueira, o arrogante não percebe o dano causado por suas palavras, nem a dor de alguém que foi desprezado, nem a possibilidade de que outros pontos de vista também tenham sua cota de razão.

Não é fácil curar a cegueira do orgulho, justamente porque quem se declara bom, inteligente, justo, “superior”, não percebe nenhuma necessidade de se converter, de repensar a própria vida, porque já a vê como “perfeita”.

Esse é o grande mal do orgulho: fazer com que se considere infalível, possuidor de qualidades que os outros devem reconhecer para seguir sem resistência o que o orgulhoso afirma e defende.

Apesar de parecer difícil curar alguém que atingiu esse estado, há ocasiões que abrem um raio de cura. Talvez um golpe na vida, uma doença imprevista, uma palavra sincera e franca de um familiar ou amigo, tornem-se ocasiões para desmantelar mentiras e abrir-se à grande virtude da humildade.

Infelizmente, mais de uma pessoa, gravemente doente de arrogância, reagirá mal ao que teria sido uma oportunidade de iniciar uma terapia libertadora.

Mas com a ajuda de Deus, e desse imenso tesouro de liberdade que todos temos de dom, haverá pessoas orgulhosas que interrompem o sonho da mentira e se abrem ao horizonte da ternura e da compaixão.

Então eles iniciarão um caminho de conversão que os ajudará a aceitar o perdão de Cristo e lhes permitirá sentir a alegria de estar junto com irmãos e irmãs frágeis e amados também pelo Pai do céu.

P. Fernando Pascual