Amar o inimigo

Amar o inimigo
aqui

1. No Evangelho de hoje, Jesus continua a nos ensinar sobre a nova justiça. Nela, a lei judaica é contrastada com as exigências cristãs. Hoje ele nos fala sobre o amor dos inimigos.

A lei judaica exigia amar apenas o próximo: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” Significa amar aquele que está perto, aquele que mora comigo, o irmão, parente, amigo.

Por outro lado, o judeu não é obrigado a amar alguém que está longe dele – muito dentro ou fora. Acima de tudo, ele não deve amar seu inimigo pessoal, o inimigo de seu povo (por exemplo, cidades vizinhas hostis), o inimigo de Deus. Esta é a lei judaica.

2. Porque muito mais é exigido do cristão do que do judeu. Jesus fala muito claramente sobre isso, no Evangelho de hoje: “Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam e rezai pelos que vos perseguem e caluniam”.

O amor ao inimigo é o sinal do verdadeiro cristão, é o que o deve distinguir dos outros. Nisto devemos imitar Deus-Pai: Ele trata igualmente os bons e os maus, dá seus dons aos justos e aos injustos, não faz distinção entre santos e pecadores, porque todos são seus filhos amados.

3. Parece que Jesus conhece apenas uma lei, a lei do amor , e dela extrai todas as suas consequências, até ao último detalhe. Este rigor do Senhor emociona uns e enche de indignação outros.

E para nós, Jesus nos excitou ou nos ultrajou com suas exigências? Isso seria, pelo menos, um sinal de que os compreendemos. Porque o pior que nos pode acontecer é ouvi-los com os ouvidos tão distraídos e tão habituados que nem nos impressionam.

É grave ouvir a palavra de Deus e rejeitá-la. Mas e aqueles que o aceitam, o aclamam liturgicamente e nem mesmo o percebem? Para aqueles que não acreditam em Jesus, ainda há uma oportunidade: o futuro ainda está aberto para eles e eles podem se converter. Mas e aqueles que imaginam que acreditam e nunca pensam que podem e devem mudar?

4. As duras exigências de Cristo são para nós palavras de salvação apenas quando começam por nos ferir: Amar os nossos inimigos, quando já é tão difícil amar verdadeiramente aqueles que nos amam! Faça o bem a quem nos odeia, quando já nos é tão difícil fazer cara de bem a quem nos faz bem!

Rezem por aqueles que nos perseguem e caluniam, se mal reservamos tempo para rezar pelos nossos! Quanto a dar a outra face e oferecer a camisa a quem já pegou o paletó, não será exagero que nenhuma pessoa de bom senso pense em praticar.

5. Numa palavra: estes conselhos do Senhor ameaçam toda a nossa realidade humana. A lei deste mundo, depois de mais de 2.000 anos de cristianismo, ainda é “olho por olho, dente por dente”. Parece que a violência só pode ser respondida com violência.

Mas a verdade é que isso não leva a nada. A espiral de vingança, ódio e violência continuará indefinidamente. Temos que sair dessa cerca. Devemos quebrar esse círculo vicioso de atos de violência com um “novo evento”. É necessário adotar uma atitude diferente da do adversário.

6. Feliz aquele que sabe dar o primeiro passo para se aproximar. Porque nada melhor do que, de repente, num conflito, um perdoa o outro, abandona sua posição, para de revidar. Só há uma saída: que um dos dois tenha a prodigiosa ideia de começar a amar o inimigo.

Quando você recebe um tapa no rosto e devolve outro, isso nada mais é do que o eco do anterior. Mas se aquele que o recebe não o devolve, mas perdoa, então algo inesperado aparece na terra. Se pegarmos o casaco de alguém, podemos dizer de antemão que ele nos negará a camisa. Mas se ao invés de negar, ele no-lo der, então ficaremos estupefatos, porque é algo totalmente novo, imprevisto.

O que nos é pedido é fazer algo novo na nossa vida, ser criadores no amor, não nos deixarmos escravizar pelo pecado. Significa transformar o inimigo, o adversário em irmão. Significa que nos aproximamos dele, fazemos dele um próximo, o amamos como a si mesmo. Significa descobrir no inimigo, como em cada homem, o próprio Jesus Cristo.

7. Queridos irmãos, o cristianismo não é uma religião fácil. Ser um autêntico cristão exige sacrifício, heroísmo, renúncia ao ódio, rancor e vingança…
Portanto, façamos um exame de nós mesmos:

• Qual é a nossa reação diante das calúnias, ofensas e injustiças?
• Reagimos com ódio, rancor, vingança, ressentimento?
• Ou alcançamos compreensão, aceitação, perdão e esquecimento? Vamos pensar nisso por um momento!

Que assim seja!
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Amém.

Padre Nicolás Schwizer
Instituto dos Padres de Schoenstatt