A desconstrução imagética do Natal no mundo publicitário

magia do natal
aqui

Mais um ano está chegando ao fim e, como sempre acontece em tal período, as cidades ficam mais iluminadas, as lojas ganham mais consumidores devido às compras natalinas e os veículos midiáticos exibem, a todo o momento, diversos comerciais com pessoas felizes e se abraçando e um bombardeamento imagético de Papais Noéis anunciando produtos e serviços que podem ser oferecidos para aquela pessoa querida, tornando seu Natal especial. Mas o que, muitas vezes, não paramos para refletir é como tais imagens vêm, gradativamente, desconstruindo o conceito original desta tradição milenar natalina.

No entanto, antes mesmo de falarmos da desconstrução imagética da celebração natalina, é bom relembrar que o Natal teve início como uma festa pagã, há cerca de 7 mil anos antes do nascimento de Cristo, celebrando o solstício de inverno, a noite mais longa do hemisfério norte, marcando o fim das noites mais longas e o início dos dias mais claros e de um período propício para a colheita. E assim foi, por milhares de anos, até o século 4, quando o cristianismo foi oficializado pelo Imperador Constantino e o Natal tornou-se uma festa cristã voltada para o nascimento de Cristo, como a conhecemos hoje.

Por que as pessoas são mais solidárias no período de Natal?Todavia, embora a tradição natalina ainda sobreviva, seu significado parece se perder cada vez mais em meio à explosão imagética publicitária que vem se inovando a todo instante, especialmente em tal período, que corresponde ao mais lucrativo do ano para o comércio. E, se observarmos os comerciais natalinos exibidos atualmente, é perceptível que muitos deles estão deixando de focar no produto ou serviço anunciado para exaltar histórias humanas que possam emocionar o público. Mas não consideremos tal estratégia como uma tentativa do marketing em valorizar mais o sentido do Natal, como também ressalta o Prof. Dr. Jack Brandão, que há mais de 30 anos estuda o impacto das imagens na sociedade.

Segundo Brandão, quando o público se depara com imagens emocionantes, ele acaba sendo envolvido por elas numa falsa crença de felicidade. “Sabemos que o intuito principal da propaganda é vender e que tudo não passa de uma construção, mas, no momento em que a assistimos, nos esquecemos disto, num desejo de acreditar naquilo que nos é apresentado e que pode nos remeter a uma lembrança de nossa infância, a um momento gostoso com nossos familiares, ou ainda, a um desejo de reconciliação com alguém. É o mesmo efeito gerado por muitas imagens postadas nas redes sociais com sorrisos mascarados; porém, queremos acreditar naquela felicidade construída”, completa o professor.

Todavia, se a propaganda está focando mais nos encontros humanos do que no produto ou serviço oferecido, ela atingirá seu objetivo? Para o Prof. Jack Brandão, essa estratégia pode ser muito mais vantajosa para o comercial atingir seu intuito. “Inconscientemente, muitos associarão o momento emocionante apresentado pelo marketing com a marca que ele está divulgando, afinal quem é que não se lembra de algum comercial natalino, ou até mesmo outro, que marcou a sua vida?”, questiona o pesquisador.

Realmente, o pesquisador tem razão, pois, atualmente, é mais fácil nos lembrarmos da figura do Papai Noel com uma garrafa de Coca-Cola nas mãos – aliás, não nos esqueçamos que a própria imagem do bom velhinho foi construída pela marca de refrigerante e nada tem a ver com a história de São Nicolau que presenteava os pobres e deu origem ao símbolo natalino – do que do nascimento de Jesus.

 Portanto, que possamos voltar às origens do Natal para que não percamos seu verdadeiro sentido, pois ganhar presentes é bom, mas é preciso ter cuidado para que a magia do Natal não se transforme na magia publicitária.